Artigo da seção pessoas Cacaso

Cacaso

Artigo da seção pessoas
Literatura / música  
Data de nascimento deCacaso: 18-03-1944 Local de nascimento: (Brasil / Minas Gerais / Uberaba) | Data de morte 27-12-1987 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Biografia
Antônio Carlos Ferreira de Brito (Uberaba, MG, 1944 - Rio de Janeiro, RJ, 1987). Poeta, professor e ensaísta. Em 1955, muda-se com a família para o Rio de Janeiro. De 1964 a 1969, cursa filosofia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Leciona teoria literária na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ), entre 1965 e 1975. Em 1967, estreia em poesia com A Palavra Cerzida. Em 1968, colabora nos jornais cariocas Opinião e Movimento e participa dos movimentos estudantis contra a ditadura militar.1

Entre 1974 e 1975, integra os grupos literários Frenesi, com Roberto Schwarz (1938) e Francisco Alvim (1938), e Vida de Artista, com Eudoro Augusto (1943), Zuca Sardan (1933) e Chacal (1951), que lançam as próprias revistas e publicações, muitas vezes mimeografadas. A articulação e produção dos grupos e artistas dessa geração torna-se conhecida como poesia marginal, importante movimento de contracultura que surge em meio à repressão política.

Dedica-se também à música popular brasileira, compondo letras para parceiros como Edu Lobo (1943), Elton Medeiros (1930) e Danilo Caymmi (1948), entre outros. Cacaso morre de enfarte, em 1987, no Rio de Janeiro. Dez anos depois, sua obra ensaística é reunida em Não Quero Prosa (1997), organizada e apresentada por Vilma Arêas (1936). Em 2000, a revista carioca Inimigo Rumor dedica um número exclusivamente a sua poesia, contendo críticas, depoimentos, inéditos e um excerto do poema Canudos – Uma Epopeia dos Sertões, peça que o autor considera principal em sua obra. Em 2002, é lançada sua obra completa, Lero-Lero, incluindo alguns poemas inéditos.

Comentário crítico
A poesia de Cacaso ilustra o cenário cultural que se articula durante a década de 1970 no Brasil, paralelamente ao panorama de repressão política imposto pelo regime militar. Identificado à poesia marginal, movimento que burla a censura dos órgãos reguladores do governo editando publicações mimeografadas - a alcunha que também se aplica ao grupo é a de geração mimeógrafo - Cacaso é um dos seus principais expoentes e também um “teórico” ou elemento catalizador dessa produção.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Cacaso:

  • Outros nomes
    • Antonio Carlos Ferreira de Brito
  • Habilidades
    • Poeta
    • professor universitário
    • ensaísta

Espetáculos (1)

Exposições (1)

Artigo sobre Arte na Rua 2

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioArte na Rua 2: 09-1984
Resumo do artigo Arte na Rua 2:

Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP)

Fontes de pesquisa (3)

  • CACASO. Lero-lero. São Paulo: Cosac Naify, 2002.
  • CACASO. Não quero prosa. Organização Vilma Âreas. Campinas: Unicamp; Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.
  • REVISTA INIMIGO Rumor, n. 8, Rio de Janeiro: 7 Letras, mai. 2000.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • CACASO . In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa20598/cacaso>. Acesso em: 26 de Jun. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7