Artigo da seção pessoas Alexandre Órion

Alexandre Órion

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deAlexandre Órion: 09-08-1978 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Metabiótica 14 , 2004 , Alexandre Órion
Reprodução fotográfica arquivo do artista

Biografia

Alexandre Órion Criscuolo (São Paulo, São Paulo, 1978). Artista visual, fotógrafo, ilustrador. Em 2004, forma-se em artes visuais pela Faculdade de Educação e Cultura Montessori (Famec), em São Paulo. Inicia carreira com ilustração e direção de arte para publicações e investiga o grafite e a fotografia, linguagens que depois relaciona em intervenções urbanas. Na série fotográfica Projeto Metabiótica, iniciada em 2002 e transformada em livro em 2006, Órion registra transeuntes relacionando-se com grafites que produz nos muros da cidade de São Paulo. Utiliza a técnica do estêncil, em preto sobre muro branco.

Em sua obra, nota-se a influência do artista inglês Banksy (1974), não apenas em relação à poética visual, como também pelo ativismo social e político que provoca. Outras referências declaradas do artista são o hip hop e a cultura do skate.

No Brasil, realiza diversas exposições, como a individual Metabiótica (2004), na Pinacoteca do Estado de São Paulo, e a coletiva Itaú Contemporâneo: arte no Brasil 1981-2006 (2007), no Instituto Itaú Cultural. No exterior, participa das exposições Rencontres Parallèles, no Centre d’Art Contemporain de Bass-Normandie, e Amalgames Brésiliens, no musée de l'Hôtel-Dieu, em Mantes-La-Jolie, ambas em 2005, na França. Suas obras obras fazem parte da coleção Fondation Cartier pour l’Art Contemporain, em Paris, Deutsche Bank, em Nova York, e Centrum Beeldende Kunst, na Holanda, entre outras.

Análise

A cidade é inspiração e suporte para as obras de Alexandre Órion, e fornece matéria-prima para seus trabalhos. Dois anos depois da inauguração do túnel Max Feffer, em São Paulo, o artista nota que as placas amarelas que revestem as paredes laterais do túnel estão cobertas de fuligem. Surge a ideia de Ossário (2006), obra produzida a partir do processo do “grafite reverso”: desenhos de crânios humanos que se revelam pela limpeza seletiva da matéria preta. Durante as madrugadas de duas semanas, o artista trabalha em 300 metros de extensão do túnel. Depois de alguns embates com policiais e agentes de trânsito – embora não haja qualquer dano ao patrimônio público –, a instalação é “apagada” pela prefeitura. A fuligem retirada é utilizada pelo artista como pigmento para suas obras murais em diversos países.

A reorganização estética-ideológica do espaço urbano é mote para o artista evidenciar questões invisíveis, como a da poluição urbana. Polulografia (2009) é uma série de imagens feitas por meio de uma técnica exclusiva de impressão com a fuligem que se desprende de caminhões. Durante sete dias, o veículo carrega uma estrutura metálica adaptada ao escapamento para a fabricação da imagem.

O vínculo entre discurso, técnica e lugar é marca dos trabalhos de Alexandre Órion. A cidade apresenta ao artista seus significados, ao quais ele acrescenta outros com suas intervenções, e essas desaparecem, resultado da constante transformação urbana.

 

Outras informações de Alexandre Órion:

  • Outros nomes
    • Alexandre Orion Criscuolo
    • Alexandre Orion
    • Alexandre Órion Criscuolo
  • Habilidades
    • Artista plástico
    • Artista multimídia
    • fotógrafo

Obras de Alexandre Órion: (7) obras disponíveis:

Exposições (5)

Artigo sobre Pequenas Grandes Obras

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioPequenas Grandes Obras: 04-09-2005  |  Data de término | 18-09-2005
Resumo do artigo Pequenas Grandes Obras:

Complexo Educacional, Cultural e Esportivo Com. Antônio Carbonari

Fontes de pesquisa (9)

  • Alexandre Órion mostra a vida cotidiana em livro. O Estado de S.Paulo, São Paulo, 8 dez. 2006. Disponível em: < http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,alexandre-orion-mostra-a-vida-cotidiana-em-livro,20061208p6289 >. Acesso em: abril 2017.
  • BRAZ, Endrigo Chiri. A arte urbana de Alexandre Orion. Cult, São Paulo [s.d.]. Disponível em: < https://revistacult.uol.com.br/home/a-arte-urbana-de-alexandre-orion/ >. Acesso em: abril 2017.
  • COELHO, Teixeira (org.). Coleção Itaú Contemporâneo: arte no Brasil, 1981-2006. São Paulo: Itaú Cultural, 2006.
  • GAMA, Mara. Artista usa poluição, sujeira e dejetos como matéria prima de seu trabalho. Folha de S.Paulo, São Paulo, 5 jun. 2015. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2015/06/1637804-artista-usa-poluicao-sujeira-e-dejetos-como-materia-prima-de-suas-obras.shtml >. Acesso em: abril 2017.
  • MANCO, Tristan; NEELON, Caleb; LOST ART. Graffiti Brasil. London: Thames and Hudson, 2005.
  • MARTINS, José de Souza. O ossário urbano de Orion. O Estado de S. Paulo, , 23 set. 2006. Cidades/Metrópole, p. C9.
  • ORION, ALEXANDRE. Site oficial do artista. Disponível em: <http://www.alexandreorion.com/ >. Acesso em: abril 2017.
  • ÓRION, Alexandre; XAVIER, Ana Maria (coord.). Metabiótica; Metabiotics. São Paulo: Via das Artes, 2006.
  • RABASSALLO, Luciana. Alexandre Orion criou o grafite inverso ao transformar a poluição dos carros em impactantes obras de arte. Rolling Stone, São Paulo, 8 abr. 2015. Disponível em: . Acesso em: abril 2017.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • ALEXANDRE Órion. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa202813/alexandre-orion>. Acesso em: 18 de Out. 2018. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7