Artigo da seção pessoas Wenceslau de Queiroz

Wenceslau de Queiroz

Artigo da seção pessoas
Artes visuais / literatura  
Data de nascimento deWenceslau de Queiroz: 1865 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / Jundiaí) | Data de morte 1921 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)

Biografia
Wenceslau José de Oliveira Queiroz (Jundiaí, SP, 1865 - São Paulo, SP, 1921). Poeta, jornalista, crítico, cronista, magistrado e professor. Depois de realizar os estudos preparatórios no Colégio do Seminário Caraça, em Minas Gerais, matricula-se em 1883 no curso de direito da Faculdade do Largo São Francisco, em São Paulo, formando-se em 1890. Paralelamente, publica diariamente versos na coluna Toda Lyra e produz críticas de arte e literatura na coluna Páginas Volantes, ambas no Correio Paulistano. Dedica-se à poesia e publica os livros de versos Goivos (1883) e Versos (1890). 

Queiroz e um grupo de intelectuais republicanos adquirem o jornal Correio Paulistano, em 1890. Exerce a função de deputado estadual entre 1892 e 1894. É membro do Conselho Superior da Instrução Pública a partir de 1895. Torna-se juiz federal substituto em 1897. Publica o livro Heróis (1898), que apresenta uma série de poesias de caráter patriótico. É redator de diversos periódicos, entre os quais A República, A Ideia, Diário Mercantil e A Vida Paulistana. Por dez anos é redator-chefe do Correio Paulistano e trabalha como colaborador por cerca de 30 anos. Integra o corpo docente do Conservatório Dramático Musical de São Paulo, do qual é um dos fundadores, lecionando estética, disciplina que após sua morte passa a ser ministrada pelo escritor Mário de Andrade (1893-1945), seu ex-aluno.1 

Na imprensa, utiliza os pseudônimos Dr. Pangloss - que escreve principalmente sobre vestuário e costumes no Correio Paulistano -, Lúcifer, Homerim, Colombina, Griff, João Crespo, Saulo e Frei Tomás. Colabora ainda em O Paiz, A Semana, Quinzena Paulista, O Estado de S. Paulo, Diário Popular, Gazeta do Povo, O Constitucional, Scena Illustrata (de Florença), Revista Literária, Comércio de São Paulo, A Bohemia e Panoplia, entre outros periódicos.

Em 1909 funda, ao lado de outros intelectuais, a Academia Paulista de Letras (APL) e ocupa a cadeira nº 9. O livro Rezas do Diabo, composto de versos que tematizam o conflito humano com a religião, começa a ser escrito desde os tempos de faculdade, mas recebe sua primeira edição postumamente, em 1939.

Comentário crítico
O escritor Wenceslau de Queiroz é apontado pela crítica como um dos precursores do simbolismo no Brasil, absorvendo principalmente da poesia de Charles Baudelaire (1821-1867), do qual é ávido leitor e tradutor. Seus caminhos na poesia e na prosa transitam entre tendências parnasianas e simbolistas, que lhe valem o apelido de “Baudelaire paulistano”, como é chamado pelo poeta Ezequiel Freire (1850-1891). Como crítico literário trava polêmicas envolvendo escritores e colunistas de diferentes jornais. É autor de extensa produção crítica sobre pintura, música e teatro.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Wenceslau de Queiroz:

  • Outros nomes
    • Wenceslau José de Oliveira Queiroz
  • Habilidades
    • Poeta
    • jornalista
    • Crítico
    • Cronista
    • professor

Fontes de pesquisa (11)

  • ANDRADE, Mário. Rezas do diabo. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 5 fev. 1939, p. 4.
  • DR. WENCESLAU de Queiroz. Correio Paulistano. São Paulo, 30 jan. 1921, p. 3.
  • FREIRE, Ezequiel. Wenceslau de Queiroz, o Baudelaire paulistano. Livro póstumo. São Paulo: Weiszflog Irmãos, 1910. p. 165-169.
  • LEANDRO, Karen Cristina. Letras dos poetas esquecidos: a boemia literária na belle époque paulistana. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em História, do Centro de Ciência e Letras Humanas da Universidade Estadual de Londrina. Londrina, Paraná, 2012.
  • QUEIROZ, Wenceslau de. Poesias escolhidas. Introdução de Fernando Carvalho. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura: Comissão de Literatura 1962.
  • QUEIROZ, Wenceslau de. Almeida Júnior II. Correio Paulistano. São Paulo, 10 out. 1888, p. 1.
  • QUEIROZ, Wenceslau de. Almeida Júnior. Correio Paulistano. São Paulo, 9 out. 1888, p. 1.
  • QUEIROZ, Wenceslau de. Crítica literária. Correio Paulistano, São Paulo, 9 out. 1904, p. 1.
  • QUEIROZ, Wenceslau de. Oscar Pereira da Silva. Panoplia. São Paulo, jun. 1917, ano 1, n. 1, p. 23-25.
  • QUEIROZ, Wenceslau de. Pedro Alexandrino. Panoplia, São Paulo, jul. 1917, ano 1, n. 2, p. 59-62.
  • BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 2. ed. São Paulo: Cultrix, 1974. 571 p.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • WENCESLAU de Queiroz. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa200118/wenceslau-de-queiroz>. Acesso em: 18 de Jun. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7