Artigo da seção pessoas Paulo Reis

Paulo Reis

Artigo da seção pessoas
Teatro  
Data de nascimento dePaulo Reis: 29-08-1952 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Biografia

Paulo Sergio Moraes Rego Reis (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1952). Diretor e ator. Destaca-se nos anos 1980 ao dirigir os espetáculos do Pessoal do Despertar, grupo que funda e coordena com a atriz Maria Padilha (1960).

De 1972 a 1976, faz sua formação na escola de Maria Clara Machado (1921 - 2001), O Tablado. Durante os anos de 1976 e 1977, participa do Grêmio Dramático-recreativo Unidos da Ribalta, grupo político-teatral com atuação nas favelas do Rio de Janeiro, voltado para a conscientização e para o fomento de uma revolução pela arte engajada na cultura popular.

Em 1979, une-se ao projeto dos atores Maria Padilha e Miguel Falabella (1956) de montar O Despertar da Primavera, do alemão Frank Wedekind, escrito em 1890. Nove meses depois, o espetáculo estréia na zona norte do Rio de Janeiro, em uma sala pequena adaptada para esse fim. A encenação causa simpatia aos críticos mais severos, abordando a ação repressiva à sexualidade dos jovens, com uma neutralidade não maniqueísta que torna o tema uma metáfora de qualquer forma de repressão. O crítico Yan Michalski (1932 - 1990) considera que "o resultado da encenação de Paulo Reis é surpreendentemente convincente e competente".1 O diretor substitui a dramaticidade do texto por uma estilização que impõe aos atores o deslocamento de um extremo ao outro da sala, não constrói o ambiente cenográfico proposto pelo texto e distribui os 27 papéis pelos nove atores do elenco. Com o Pessoal do Despertar, Paulo Reis dirige mais quatro espetáculos. Com exceção de Delito Carnal, de Eid Ribeiro, 1980, todas as montagens partem, como a primeira, de textos clássicos da dramaturgia universal: Happy End, de Bertolt Brecht e Kurt Weill, 1980; A Tempestade, de William Shakespeare, 1982; O Círculo de Giz Caucasiano, de Bertolt Brecht, 1983. A cada espetáculo o diretor propõe um espaço diferente da disposição convencional das salas e este espaço acaba sendo o próprio cenário. O crítico Flávio Marinho considera que o maior mérito da direção de O Círculo de Giz Caucasiano é a unidade e a fluência na passagem das cenas de ternura às cômicas e às aventurescas, das cenas intimistas aos momentos de efeito (a entrada em cena de uma motocicleta ou a travessia de um telhado a outro, em uma frágil ponte). Segundo ele, "é o visual do espetáculo que reina, soberano. A partir de um espaço elisabetano bem aproveitado, a direção sabe explorar não só a arquitetura do pátio interno da Mansão Lage, como o reflexo do espetáculo no lago".2

Paralelamente, Paulo Reis dirige uma outra companhia de jovens. Em 1981, a Marxmellow Internacional Troupe, com a estréia de Os Banhos, de Vladímir Maiakóvski, marca a estréia teatral de Patrícia Pillar, Luciana Braga, Felipe Martins e Solange Badin, entre outros. Em 1983, ele faz a assistência de direção de Ron Daniels na montagem de Julius Caesar, de William Shakespeare, da Royal Shakespeare Company.

Sua próxima montagem, já sem o Pessoal do Despertar é Lorenzaccio, de Alfred de Musset, 1984. A ação se começa na rua, prossegue no foyer e se encerra no porão. A encenação se apropria da própria ambientação do teatro  e seus elementos como cenografia, e distribui entre poucos atores as dezenas de personagens. Enquanto o crítico do Jornal do Brasil considera que ela vai pouco além de trazer a público um texto inédito no país, o crítico de O Globo, fazendo restrição ao elenco e à falta de direção na interpretação, escreve que o diretor realiza "golpes de mestre" em efeitos de grande impacto visual e que "o espetáculo termina sendo uma celebração do ofício de fazer teatro, cheia de soluções muito inteligentes e criativas".3

Em 1987, encena, sob a lona do Circo Delírio, espaço cultural montado na zona sul da cidade, Senhor Puntila e seu Criado Matti, de Bertolt Brecht. A crítica considera que o excesso de formalismo circense banaliza o texto e empobrece os personagens. No ano seguinte, Reis dirige uma remontagem de Bailei na Curva, de Júlio Conte, com grande êxito de público. Seguem-se Quatro num Quarto, de Valentin Kataev, 1989; Batom e Paraquedas, de William Mastrosimone, 1990; Amor e Confusão, de Arthur Schnitzler, 1992, e Julius Caesar, de William Shakespeare, 1994.

Paulo Reis, à frente do Pessoal do Despertar, assim como Buza Ferraz (1950 - 2010), com o Pessoal do Cabaré, é um dos poucos diretores que consegue agregar e manter um conjunto de atores nos primeiros anos da década de 80 - sintoma da mudança do panorama teatral em relação a década anterior, tão rica em grupos à margem do mercado cultural. Retoma, nesse período, os clássicos da dramaturgia mundial, imprimindo uma energia jovem e vigorosa aos seus espetáculos.

Notas

1. MICHALSKI, Yan. O despertar de um novo grupo. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 26 out. 1979.
2. MARINHO, Flávio. Um círculo de giz brasileiro e desnecessariamente longo. O Globo, Rio de Janeiro, 17 out. 1983.
3. MARINHO, Flávio. Um espetáculo de alta voltagem. O Globo, Rio de Janeiro, 14 ago. 1984.

Outras informações de Paulo Reis:

  • Outros nomes
    • Paulo Sergio Moraes Rego Reis
  • Habilidades
    • diretor de teatro
    • ator

Espetáculos (30)

Todos os espetáculos

Fontes de pesquisa (5)

  • ALBUQUERQUE, Johana. Paulo Reis (ficha curricular) In: _________. ENCICLOPÉDIA do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação VITAE. São Paulo, 2000.
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculos: A Tempestade - 1982; Senhor Puntilla e seu Criado Matti - 1987; Baton e Paraquedas - 1990. Não catalogado
  • MARINHO, Flávio. Um círculo de giz brasileiro e desnecessariamente longo. O Globo, Rio de Janeiro, 17 out. 1983.
  • MICHALSKI, Yan. O despertar de um novo grupo. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 26 out. 1979.
  • REIS, Paulo. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc. Dossiê Personalidades Artes Cênicas.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • PAULO Reis. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa19451/paulo-reis>. Acesso em: 20 de Nov. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7