Pessoas

Antonio Nóbrega

Outros Nomes: Antonio Carlos Nóbrega de Almeida | Antônio Nóbrega
  • Análise
  • Biografia
    Antonio Carlos Nóbrega de Almeida (Recife PE 1952). Ator, dançarino e músico. Artista múltiplo, escreve, atua, dirige, dança, compõe, canta e toca instrumentos. Através de seus espetáculos divulgada a cultura e o imaginário nordestino.

    Até os 18 anos, o artista, filho de um médico que incentiva os pendores artísticos da família, cultiva apenas as manifestações da música erudita. É convidado, então, para integrar o Quinteto Armorial, idealizado por Ariano Suassuna, um dos mais importantes grupos a criar uma música de câmara erudita brasileira de raízes populares.

    Toma contato, a partir dessa época, com diversos artistas populares e começa a estudar intensamente a música, as danças, a maneira de representar e cantar desses brincantes brasileiros.

    A partir de 1976 começa a desenvolver um estilo próprio de concepção em artes cênicas, dança e música, apresentando a partir de então os espetáculos A Bandeira do Divino, 1976; A Arte da Cantoria, 1981; Maracatu Misterioso, 1982; Mateus Presepeiro, 1985, todas concebidas e dirigidas por ele; O Reino do Meio Dia, com direção de Francisco Medeiros, 1989; Figural, 1990 e Brincante, de Bráulio Tavares e Nóbrega, 1992, ambos com direção de Nóbrega e Romero de Andrade Lima; e Segundas Histórias, também texto de Bráulio Tavares e Nóbrega, com direção dele em parceria com Rosane Almeida, em 1994.

    Na Unicamp, ajuda a implantar o Departamento de Artes Corporais e ensina danças brasileiras. Em 1992, funda em São Paulo, em parceria com a atriz e dançarina Rosane Almeida, o Teatro Escola Brincante, um espaço de conhecimento e valorização da cultura brasileira, onde são oferecidos cursos, oficinas com artistas populares brasileiros e apresentações de teatro, dança e música da dupla e diversos outros artistas.

    Vencedor de vários prêmios no Brasil e no exterior, acumula larga experiência e empreende, pelo seu selo Brincante, a gravação de seus discos, que acompanham cada um de seus espetáculos desde Na Pancada do Ganzá, texto e direção dele próprio, em 1995.

    No ano seguinte, por seu trabalho como artista ganha o prestigiado Prêmio Multicultural Estadão. Em 1997, lança seu espetáculo Madeira Que Cupim Não Rói, viajando pelas capitais brasileiras. Desenvolve em São Paulo uma extensa programação denominada Encontro com a Dança e a Música Brasileiras, trazendo artistas de diversas regiões que apresentam o mais expressivo painel das manifestações populares já apresentado na cidade, em 1998. No mesmo ano, volta aos palcos com Pernambuco Falando para o Mundo. Suas criações mais recentes são O Marco do Meio Dia, textos de Wilson Freire, 2000 e Lunário Perpétuo, 2002, assistidas em um grande número de cidades brasileiras e no exterior.

    Em 2004 e 2005, Antonio Nóbrega desenvolve, ao lado de Rosane Almeida, o projeto Danças Brasileiras, realizado para o Canal Futura. Trata-se de uma série de 12 programas em que a dupla interage com comunidades pelo Brasil afora, onde se encontram manifestações populares de dança. Esse projeto é fruto de um trabalho de pesquisa dos dois artistas visando a elaboração de uma linguagem brasileira de dança, que seja fundada nas diversas danças brasileiras ainda pouco conhecidas do circuito da criação artística.

    A grande personagem de Nóbrega é Tonheta, anti-herói popular por ele definido como um misto de pícaro, bufão, palhaço, arlequim, vagabundo, uma espécie de colcha de retalhos desses tipos populares que povoam as ruas e praças do país.

    O dramaturgo e professor de estética Ariano Suassuna, fundador do Movimento Armorial, nele vê a encarnação de seu projeto artístico: "De fato, com a aparição, na vida do palco brasileiro e no palco da vida brasileira, dessa extraordinária, ágil, lírica, e, ao mesmo tempo, cortante, aguda e satírica figura de Brincante, criado e recriado por Antonio Carlos Nóbrega - agora posso dizer, com orgulho e inveja ao mesmo tempo, que surgiu aquela maneira de encenar e representar com a qual eu sonhava e que, com minhas limitações e frustrações, não fui capaz de criar por mim mesmo. Antonio Carlos leva muito além e muito adiante aquele modelo que eu simplesmente imaginava para um verdadeiro ator brasileiro: porque ele, no campo do teatro encarado como espetáculo, é completo, sendo não somente autor, mas ainda ator. Mímico, dançarino, cantor e músico - tocador admirável de uma endemoniada rabeca, ágil, possessa e meio insana, como seu dono e como todo artista que se preza".1

    Notas
    1. SUASSUNA, Ariano. "A Arte da Cantoria", in Jornal do Brasil, Caderno B, Rio de Janeiro, 5 de abril de 1981.

Espetáculos

Exibir

Exposições

Eventos

Exibir

Fontes de Pesquisa

ALBIN, Ricardo Cravo (criação e supervisão). Dicionário Cravo Albin da música popular Brasil. Verbete Antonio Nóbrega. Disponível em: <www.dicionariompb.com.br/antonio-nobrega>. Acesso em: 26 fev. 2011.

AMARAL, Marina; SOUZA, Sérgio de; BARROS, João de; et. al. Brincadeira muito séria. Caros Amigos, São Paulo, ano VII, n. 82, jan. 2004.

ANTONIO Nobrega. Disponível em: [http://www.antonionobrega.com.br]. Acesso em julho 2005. 

CADENGUE, Antônio. "Educação pela máscara: recortes de uma genealogia de Antonio Nóbrega", in Folhetim, Teatro do Pequeno Gesto, Rio de Janeiro, nº 5, set.-dez., 1999, p. 44-59.

COELHO, Marco Antonio; FALCÃO, Aluisio. "Antonio Nóbrega: um artista multidisciplinar." Estudos Avançados, São Paulo, v. 9, n. 23, jan./abr. 1995. Dossiê Cultura Popular.

COELHO, Marco Antônio; FALCÃO, Aluísio. Antônio Nóbrega: um artista multidisciplinar. Estudos Avançados, v. 9, n. 23, São Paulo, jan.-abr. 1995. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141995000100005. Acesso em 30 jul. 2010.

DIAS, Mauro. Instrumentos ajudam a entender a história de um povo. O Estado de S. Paulo3 jul.1998. Caderno 2, p.D9.

HONOR, Rosângela. Novas bravatas de Tonheta. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 25 jun.1994. Caderno 2, p.2.

HONOR, Rosângela. Aventuras picarescas. Jornal da Tarde, São Paulo, 11 ago.1992. p.18. 

KATZ, Helena. Nóbrega, naturalmente e com o requinte dos sábios. Disponível em: http://www.helenakatz.pro.br/midia/helenakatz21250603203.jpg. Acesso em 5 ago. 2010.

LIMA, Jorge Luís Moutinho. Antônio Nóbrega: a expressão linguístico-poético-musical de um brincante pernambucano. (Doutorado em Letras). Rio de Janeiro: UERJ, 2006.

MACHADO, Álvaro. "Brincante" retoma alma do teatro brasileiro. Folha de S. Paulo, São Paulo, 31 ago. 1992. Ilustrada, p. 5-4.

MUYLAERT, Roberto. O bom do Brasil - Antonio Nóbrega. Ícaro - Revista de bordo da Varig, São Paulo, n. 242, out. 2004.

NATALIE, Kathia. O incômodo de Antonio Carlos Nóbrega. Raiz - Cultura do Brasil, São Paulo, jun. 2006.

NÓBREGA, Antonio C. Biografia. Disponível em: http://www.antonionobrega.com.br/site/src/index_ful.html. Acesso em 25 jul. 2010.

NÓBREGA, Antonio. Entrevista ao programa Roda Viva. In: MARKUN, Paulo (Org.). O melhor do Roda Viva. Vol. 2. São Paulo: Conex,  2005. p. 149-159.

NÓBREGA, Antonio. Sítio oficial do artista. Disponível em: <www.antonionobrega.com.br>. Acesso em: 20 fev. 2011.

PEREIRA, Maria Lúcia. "Antonio Nóbrega, a cara do Brasil", entrevista em Sete Palcos, Cena Lusófona, nº 3, setembro de 1998, p. 59-65.

Prefeitura do Recife. Uma origem de brincadeiras. Disponível em: http://www.recife.pe.gov.br/especiais/brincantes/6a.html. Acesso em 1º ago. 2010.

Programa do Espetáculo - A Mais Bela História de Adeodata - 2002. Não catalogado

SANTOS, Idelette Muzart-Fonseca dos. Em demanda da poética popular: Ariano Suassuna e o Movimento Armorial. 2ª ed. revisada. Campinas: Ed. da Unicamp, 2009.

SUASSUNA, Ariano. "A Arte da Cantoria", in Jornal do Brasil, Caderno B, Rio de Janeiro, 5 de abril de 1981, p. 5.

TEATRO Brincante. Disponível em: [http://www.teatrobrincante.com.br]. Acesso em julho 2005.

______. Espetáculos. Disponível em:  http://www.antonionobrega.com.br/site/src/index_ful.html. Acesso em 25 jul. 2010.

______. Pastoril entre o sagrado e o profano. Disponível em: http://www.recife.pe.gov.br/especiais/brincantes/8a.html. Acesso em 1º ago. 2010.