Artigo da seção pessoas Claudia Andujar

Claudia Andujar

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deClaudia Andujar: 12-06-1931 Local de nascimento: (Suíça / Neuchâtel)
Imagem representativa do artigo

Desabamento do Céu/ Fim do Mundo [Série Sonhos Yanomami] , 1976 , Claudia Andujar
Arquivo do artista

Biografia

Claudia Andujar (Neuchâtel, Suíça 1931). Fotógrafa. Vive na Hungria e depois nos Estados Unidos. Transfere-se para São Paulo em 1957. Dedica-se à fotografia e trabalha para publicações nacionais e internacionais, como as revistas Realidade, Claudia e Life. Também leciona fotografia em vários cursos, entre eles o do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp). Na década de 1970, compõe a equipe de fotógrafos da Realidade e realiza ampla reportagem sobre a Amazônia. Nessa época, recebe uma bolsa da instituição norte-americana Fundação Guggenheim e, posteriormente, uma outra da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para estudar os índios yanomami. As tradições e o modo de vida dos yanomamis têm sido, desde então, o tema central de sua atividade.

Participa, entre 1978 e 1992, da Comissão pela Criação do Parque Yanomami, e coordena a campanha pela demarcação das terras indígenas. Entre 1993 e 1998, atua no Programa Institucional da Comissão Pró-Yanomami. Publica os livros Amazônia, em parceria com George Love (1937-1995), pela editora Praxis, em 1978; Mitopoemas Yanomami, pela Olivetti do Brasil, em 1979; Missa da Terra sem Males, pela editora Tempo e Presença, em 1982; e Yanomami: A Casa, a Floresta, o Invisível, pela editora DBA, em 1998, entre outros. Em 2005, é lançado o livro A Vulnerabilidade do Ser, pela editora Cosac & Naify.

Em 2015, inaugura a Galeria Claudia Andujar, um pavilhão dedicado a sua obra, no Instituto Inhotim, em Minas Gerais. No mesmo ano, é lançado o documentário A Estrangeira, que traz sua vida enquanto artista e ativista, dirigido pelo curador de seu pavilhão, Rodrigo Moura.

Análise

Na década de 1970, Claudia Andujar recebe uma bolsa da Fundação Guggenhein, instituição norte-americana, e posteriormente outra da Fapesp, para estudar os índios yanomani, permanecendo entre eles durante cinco anos. A observação do modo de vida e das tradições yanomani tem sido o fio condutor de sua atividade como fotógrafa desde então.

Em obras expostas na 24ª Bienal Internacional de São Paulo, 1998, apresenta imagens de cor sépia, com grandes intervenções de luz. Atrai a atenção do espectador principalmente para os olhares e gestos dos índios. Os retratos são geralmente realizados contra fundo neutro, incidindo sobre eles a luz, como granulação dourada. Em outros trabalhos, integra em suas fotos a produção de imagens dos próprios yanomamis, como as pinturas rupestres. Publica livros e realiza um documentário acerca de suas pesquisas.

A pesquisadora Stella Senra afirma ao analisar a série  de fotografias Marcados, que "enquanto fotógrafa, o nome de Claudia Andujar, está sempre associado ao dos Yanomani. A eles dedicou grande parte de sua obra e de sua vida, sem diferenciar do registro das imagens o esforço para defênde-los das terríveis consequências do contato com o branco"1. Esse comprometimento além da obra fica evidente na atividade de Andujar enquanto ativista.

A fotógrafa participa, entre 1978 e 1992, da Comissão pela Criação do Parque Yanomami, coordenando a campanha pela demarcação das terras indígenas e lutando por seus direitos. Entre 1993 e 1998, atua ainda no Programa Institucional da Comissão Pró-Yanomami.

Nota

1 SENRA, Stella. O Último Círculo. In: ANDUJAR, Claudia. Marcados: Clauda Andujar. São Paulo: Cosac Naify, 2009. p. 127.

Outras informações de Claudia Andujar:

  • Outros nomes
    • Claúdia Andujar
    • Cláudia Andujar
  • Habilidades
    • fotógrafa
  • Relações de Claudia Andujar com outros artigos da enciclopédia:

Obras de Claudia Andujar: (14) obras disponíveis:

Midias (1)

Claudia Andujar se considera uma fotógrafa humanista. Conhecer e compreender o outro é o principal objetivo de seu trabalho. Na década de 1970, ela entra em contato com a tribo indígena ianomâmi e abandona o fotojornalismo para se dedicar a um extenso trabalho de pesquisa com os índios na Amazônia. “Encontrei uma população muito sincera”, observa. Seu trabalho pressupõe uma relação de confiança com o retratado, que permite que ela traduza em imagens a percepção e a compreensão do universo de seus personagens. A necessidade de se expressar surge ainda na infância, quando Claudia começa a escrever poemas, para mais tarde passar para a pintura e, só depois, à fotografia. “Na pintura, eu me fechava. Na fotografia, eu me abri”, explica.

Produção: Documenta Vídeo Brasil
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Carolina Fomin (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Exposições (94)

Artigo sobre O Fotógrafo Desconhecido

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioO Fotógrafo Desconhecido: 23-11-1972  |  Data de término | 20-12-1972
Resumo do artigo O Fotógrafo Desconhecido:

Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (Ibirapuera, São Paulo, SP)

Todas as exposições

Eventos relacionados (5)

Artigo sobre 7ª sp-arte

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de início7ª sp-arte: 12-05-2011  |  Data de término | 15-05-2011
Resumo do artigo 7ª sp-arte:

Fundação Bienal de São Paulo

Fontes de pesquisa (17)

  • ANDUJAR, Claudia. A fotografia como feitiço. Texto Laymert Garcia dos Santos. São Paulo: MIS, [19-?]. folha dobrada, il. p&b.
  • ANDUJAR, Claudia. Marcados: Clauda Andujar. São Paulo: Cosac Naify, 2009.
  • ANDUJAR, Claudia. Yanomami . São Paulo: DBA, 1998. 103 p., il. p&b. ISBN 85-7234-123-4. 778.9 A577y
  • ARTE brasileira: 50 anos de história no acervo MAC/USP 1920-1970. São Paulo: MAC, 1996. 44 p., il. color. SPmac 1996/ar
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 24. , 1998, São Paulo, SP. Um e/entre outros/s. Curadoria Paulo Herkenhoff, Adriano Pedrosa. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1998. 700 BI588sp 24/1998 v.4
  • BRASIL: 22 de abril de 1500- 1999: 100 fotógrafos retratam o cotidiano do país em 24 horas. Brasília: Ipiranga, 1999. 212 p., il. color. ISBN 85-97718-01-0. 770.981 B823v
  • CARBONCINI, Anna (Coord.). Coleção Pirelli/ MASP de Fotografias : v. 1. São Paulo: MASP, 1991. 80 p., il. p&b. color. SPmasp cpirelli 1991
  • CARBONCINI, Anna (Coord.). Coleção Pirelli/ MASP de Fotografias : v. 8. São Paulo: MASP, 1998. 92 p., il. p&b. color. SPmasp cpirelli 1998
  • FOTÓGRAFOS de São Paulo. São Paulo: MAC/USP, 1971. , il., p&b. SPmac 1971/f
  • HERKENHOFF, Paulo (org.); PEDROSA, Adriano (org.). Marcas do corpo, dobras da alma. Texto Paulo Herkenhoff, Paulo Rogério de Oliveira Reis, Simone Landal, Adriano Pedrosa, Veronica Cordeiro, Geraldo Leão, Ana González, Milú Villela, Tadeu Chiarelli, Frederico Morais. São Paulo: Takano, 2000. 383 p., il. color.
  • Imagens da fotografia brasileira. São Paulo: Estação Liberdade : Senac, 2000. 190 p., il. color. ISBN 85-7448-023-1. 779.9 P466i
  • INHOTIM inaugura Galeria Claudia Andujar. Instituto Inhotim, Minas Gerais. 21 nov. 2015. Disponível em: < http://www.inhotim.org.br/blog/inhotim-inaugura-galeria-claudia-andujar/ >. Acesso em 14 jul. 2016.
  • PERSICHETTI, Simonetta. Claudia Andujar revela a alma Ianomâmi. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 05/01/1998. Caderno 2, p. D3. Não catalogado
  • PERSICHETTI, Simonetta. Imagens da fotografia brasileira. São Paulo: Estação Liberdade : Senac, 2000. 190 p., il. color.
  • REVISTA de Fotografia - Ed. Especial, 1972
  • REVISTA Iris Jan/fev 1979
  • SALÃO PAULISTA DE ARTE MODERNA, 4., 1955, São Paulo. 4º Salão Paulista de Arte Moderna. São Paulo: Galeria Prestes Maia, 1955. SPspam 4/1955

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • CLAUDIA Andujar. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa18847/claudia-andujar>. Acesso em: 27 de Jun. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7