Artigo da seção pessoas Alcântara Machado

Alcântara Machado

Artigo da seção pessoas
Literatura  
Data de nascimento deAlcântara Machado: 25-05-1901 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo) | Data de morte 14-04-1934 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Brás, Bexiga e Barra Funda , 1927 , Alcântara Machado
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Biografia
Antonio Castilho de Alcântara Machado d'Oliveira (São Paulo, São Paulo 1901 - idem 1935). Contista, cronista, crítico literário, romancista e jornalista. Filho do jurista, político e escritor José de Alcântara Machado d'Oliveira (1875-1941) e de Maria Emília de Castilho Machado. Seguindo os passos do pai e do avô, ingressa na Faculdade Direito do Largo de São Francisco em 1919. Ainda estudante, escreve artigos jornalísticos, crítica literária e teatral no Jornal do Commercio. Embora não participe da Semana de Arte Moderna (1922), apóia as novas idéias, aproximando-se dos escritores Oswald de Andrade (1890-1954) e Mário de Andrade (1893-1945) e do crítico Sérgio Milliet (1898-1966). Em 1924, torna-se redator-chefe do Jornal do Commercio. Vai para Europa em 1925 e reúne as impressões de viagem em seu primeiro livro, Pathé-Baby, publicado um ano depois. Seu envolvimento com as idéias modernistas e a imprensa leva-o a fundar, com o ensaísta Paulo Prado, a revista Terra Roxa e Outras Terras; com Oswald de Andrade, a Revista de Antropofagia, em 1928, e com Paulo Prado e Mário de Andrade a Revista Nova, que dura de 1931 a 1932. Estréia com o livro de conto de Brás, Bexiga e Barra Funda, em 1927, e lança Laranja da China, em 1928. Na década de 1930 intensifica suas atividades políticas - apóia o movimento constitucionalista de 1932, e se transfere para o Rio de Janeiro como secretário-geral da bancada paulista na Assembléia Constituinte. Em 1934, assume a direção do Diário da Noite e é eleito deputado federal, mas não chega a ser empossado: morre no ano seguinte por complicações de uma apendicite. Deixa inédita a peça teatral A Ceia dos Não Convidados e o romance inacabado Mana Maria, publicados postumamente. Sua obra, baseada numa prosa coloquial, aborda a rápida modernização da cidade de São Paulo, com seus automóveis, indústrias e imigrantes, principalmente os italianos.

Outras informações de Alcântara Machado:

  • Outros nomes
    • António Castilho de Alcântara Machado d´Oliveira
    • António de Alcântara Machado
    • Alcantara Machado
  • Habilidades
    • jornalista
    • escritor
    • romancista
    • contista
    • cronista
    • crítico literário

Obras de Alcântara Machado: (3) obras disponíveis:

Exposições (2)

Fontes de pesquisa (4)

  • MACHADO, Luis Toledo. Antônio de Alcântara Machado e o Modernismo. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1970. 152 p. (Coleção Documentos Brasileiros, 146).
  • BARBOSA, Francisco de. Estudo Crítico. In: António de Alcântara Machado: trechos escolhidos. Rio de Janeiro: Agir, 1961. p. 7-15
  • GRIECO, Agripino (ed.). Em memória de António de Alcântara Machado. São Paulo: Elvino Pocai, 1936.
  • LARA, Cecília. De Pirandello a Piolim: Alcântara Machado e o teatro no modernismo. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Artes Cênicas, 1987.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • ALCÂNTARA Machado. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa1826/alcantara-machado>. Acesso em: 22 de Jul. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7