Artigo da seção pessoas Aylton Escobar

Aylton Escobar

Artigo da seção pessoas
Música / teatro  
Data de nascimento deAylton Escobar: 1943 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo)

Biografia

Aylton Escobar Silva (São Paulo SP 1943). Compositor, regente e educador. Inicia os estudos de piano em 1956, com Carmem Nilde da Fonseca (Escola Chiafarelli), ingressando pouco depois na Academia Paulista de Música, em São Paulo, onde tem aulas de piano com Nair Medeiros e de composição com Osvaldo Lacerda. Prossegue seus estudos de composição com Camargo Guarnieri no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. No início da década de 1960 muda-se para o Rio de Janeiro, tem aulas de piano com Marília Martins e, posteriormente, com Lúcia Branco e Zulmira Elias (Escola Magda Tagliaferro).

Em 1969, gradua-se em música pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e começa a criar música para teatro. Parte logo depois para os Estados Unidos para estudar música eletroacústica com Vladimir Ussachevsky e Mario Davidovsky na Columbia University, em Nova York, como bolsista do Itamaraty, em 1970. Essa época marca o início de um grande número de premiações, das quais se destacam uma menção da Rádio Nacional da Áustria (1967), os 1º e 2º Festivais de Música da Guanabara (1969-1970), o Prêmio Molière de música para teatro (1969), os prêmios da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), em 1974, 1975 e 1988, o Prêmio Governador do Estado de São Paulo (1975), e o Prêmio do Festival de Cinema Curta-Metragem da Venezuela (1977). É nesse período igualmente que começa a atuar como regente, tem aulas com Alceo Bocchino e Francisco Mignone e rege programas que contêm, entre outras, suas próprias composições. Inicia a carreira no campo do ensino em 1975, tornando-se diretor da Escola de Música Villa-Lobos, no Rio de Janeiro, até 1979. Desenvolve o mesmo papel entre 1993 e 1997, ao assumir a direção da Universidade Livre de Música Tom Jobim, em São Paulo, e do Festival Internacional de Música de Campos do Jordão.

A partir da década de 1980 torna-se regente titular de diversas orquestras: Paraíba (1984-1985), Minas Gerais (1985-1989), Filarmônica Norte/Nordeste do Brasil (década de 1990) e Campinas (2001-2003). Desde 1989 é professor de orquestração, composição e regência do Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), em que é regente adjunto da Orquestra Sinfônica e da Orquestra de Câmara da USP. É um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Música Contemporânea e membro da Academia Brasileira de Música. Tem suas obras interpretadas em teatros de cidades como Toledo, na Espanha, Zagreb e Dubrovnik, na Croácia, Nova York, Paris, e editadas nas Américas e na Europa. Desde 2008, recebe encomendas da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), e tem duas obras lançadas nesse período: Salmos Elegíacos para Miguel de Unamuno (2008) e Puñal (2010).

 

Comentário Crítico

A personalidade tanto composicional quanto interpretativa de Aylton Escobar pode ser definida por certas características comuns que podem ser expressas pelos termos liberdade, transgressão, provocação e impulsividade. O amadurecimento dessas qualidades ocorre paulatinamente durante o percurso do músico, sendo impulsionadas por fatos de sua vida. Entre eles, evoca-se a crítica gerada pela audição de sua estreia internacional como compositor, Missa Breve sobre Ritmos Populares Brasileiros, em Nova York, com o conjunto vocal de Roberto de Regina, em 1968. A peça, de caráter nacionalista (decorrente de suas aulas com Osvaldo Lacerda e Camargo Guarnieri), sofre o questionamento do crítico Paul Hume de como um jovem com tanto talento consegue escrever uma música tão antiga. Frustrado, passa a acreditar que não sabe escrever música, apenas copia a já existente de outros. Resolve afastar-se da criação de concerto e começa a realizar música para teatro, trabalhando inicialmente com os diretores de teatro Amir Haddad e Fauzi Arap. Nesse ambiente, totalmente voltado para a experimentação livre, descobre a música contemporânea experimental.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Aylton Escobar:

  • Outros nomes
    • Aylton Escobar Silva
    • Aílton Escobar
    • Ayrton Escobar
  • Habilidades
    • Compositor
    • Regente/maestro

Espetáculos (12)

Exposições (1)

Fontes de pesquisa (11)

  • Bomfim, Cássia Carrascoza. A flauta solista na música contemporânea brasileira: três propostas de análise técnico-interpretativas. Dissertação de mestrado sob a orientação de Rogério Luiz Moraes Costa. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2009.
  • Del Pozzo, Maria Helena Maillet. "Análise e interpretação da obra para piano de Aylton Escobar". ICTUS (PPGMUS/UFBA), vol. 1, 2005; pp. 105-121.
  • Del Pozzo, Maria Helena Maillet. Questões sobre o Universal e o Paradoxal na Obra para Piano de Aylton Escobar. Dissertação de mestrado sob a orientação de Maria Lúcia Senna Machado Pascoal e Mauricy Matos Martin. Campinas: Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas, 2001.
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculo: A Noite dos Assassinos - 1969; O Balcão - 1970. Não catalogado
  • Kater, Carlos. "Encontro com Aylton Escobar". Entrevista exclusiva in: Cadernos de estudo: análise musical. n°5. São Paulo, fev-ago. 1992. pp. 97-106
  • Lovaglio, Vania Carvalho. "Festival de Música da Guanabara: música contemporânea e latino-americanismo no Rio de Janeiro". Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP - USP. São Paulo, 08 a 12 de setembro de 2008.
  • Maués, Igor. Música eletroacústica no Brasil (1956-1981). Dissertação de mestrado. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1989.
  • Moschella, Alexandre. « Entrevista com o maestro e compositor Aylton Escobar ». Entrevista realizada para o Jornal da Tarde (SP) em dezembro de 1994. Disponivel em: <<http://www.alexandremoschella.com/ensaios/aylton.htm>>. Consulta em: 30/11/2011.
  • Programa do Espetáculo - Amadeus - SP Não catalogado
  • Silva, Aylton Escobar. "Dono de um brilhante...". Entrevista a Nelson Rubens Kunze. Concerto: Guia Mensal de Música Erudita, São Paulo, v. 6, n. 63, jun. 2001. p. 14‑15.
  • Silva, Aylton Escobar. Memória Compositor Contemporâneo - Depoimento do compositor em vídeo ao Museu da Imagem e do Som. MIS, Série História Oral. São Paulo: Acervo do museu da Imagem, 1990.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • AYLTON Escobar. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa17838/aylton-escobar>. Acesso em: 23 de Set. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7