Artigo da seção pessoas Moacir Santos

Moacir Santos

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deMoacir Santos: 26-07-1926 Local de nascimento: (Brasil / Pernambuco / Serra Talhada) | Data de morte 06-08-2006 Local de morte: (Estados Unidos / Califórnia / Los Angeles)

Biografia

Moacir José dos Santos (Serra Talhada, PE, 1926 - Los Angeles, EUA, 2006). Compositor, arranjador, saxofonista, vocalista. Ainda criança, aprende a tocar todos os instrumentos da Banda Marcial da cidade de Flores, onde vive com uma família adotiva desde a morte da mãe, aos três anos de idade. Aos quatorze, foge de casa e inicia uma andança de oito anos pelo Nordeste, integrando orquestras de circo e bandas militares de diversas cidades até ser contratado, em João Pessoa, pela jazz band da Rádio Tabajara, da qual se torna regente em 1947. No ano seguinte, migra para o Rio de Janeiro e passa a trabalhar como saxofonista em orquestra da Rádio Nacional. Em 1951, torna-se arranjador da emissora, ao lado Radamés Gnattali, Leo Peracchi e Lyrio Panicalli. Decide então aprofundar o estudo formal de música, frequentando o curso de férias do maestro alemão Ernest Krenek, que o introduz na técnica dodecafônica. Prossegue os estudos de música erudita com Hans-Joachim Koellreuter (1915-2005), de quem se torna assistente, Claudio Santoro (1919-1989) e Cesar Guerra-Peixe (1914-1993). Permanece na Rádio Nacional até 1967, com breve intervalo entre 1954 e 1956, período em que rege a orquestra da TV Record de São Paulo.

No final dos anos 1950 e início dos 1960, desenvolve intensa atividade docente, figurando entre seus alunos Baden Powell (1937-2000), João Donato (1934), Paulo Moura, Sérgio Mendes, Nara Leão, Eumir Deodato, Carlos Lyra e Roberto Menescal. Em 1963, assina os arranjos dos discos Elizeth interpreta Vinicius, Vinicius e Odete Lara e Baden Powell swings with Jimmy Pratt, nos quais figura ainda como compositor. No ano seguinte, sua Nanã, parceria com Mário Telles, é gravada por Nara Leão em seu disco de estreia. Também tem composições gravadas nos álbuns Você Ainda não Ouviu Nada (1963), de Sérgio Mendes, e Edison Machado É Samba Novo (1964). Em 1964, grava cantando pela primeira vez o Samba do Carioca, na trilha da peça Pobre Menina Rica, de Carlos Lyra e Vinícius de Moraes. Compõe a trilha de filmes nacionais e estrangeiros, entre eles Ganga Zumba (Cacá Diegues, 1964), Os fuzis (Ruy Guerra, 1964) e Amor no Pacífico (Zygmunt Sulistrowski, 1970), cuja pré-estreia, em 1966, o leva pela primeira vez aos EUA. Parte dessas trilhas integra seu primeiro disco-solo, Coisas, lançado em 1965 pelo selo Forma.

Em 1967, migra para os Estados Unidos, onde continua a exercer atividade docente e a compor trilhas para cinema, trabalhando como ghost writer nas equipes de Henry Mancini e Lalo Schifrin. A carreira como solista e compositor só deslancha em 1971, quando Nanã é gravada pelo pianista Gil Evans no disco Where Flamingos Fly. No ano seguinte, lança o álbum Maestro, indicado ao Grammy, ao qual se seguem Saudade (1974) e Carnival of the Spirits (1975), todos pela conceituada Blue Note Records. Seu último álbum gravado nos EUA, Opus 3 n° 1  (Discovery Records), é de 1981. Compõe ainda a trilha dos filmes África Erótica (Zygmunt Sulistrowski, 1970) e Final Justice (Greydon Clark, 1985).

A partir de 1985, quando é homenageado no 1º Free Jazz Festival, visita o Brasil, onde recebe vários tributos. Em 2001, os músicos e produtores Zé Nogueira e Mario Adnet regravam parte de sua obra no CD duplo Ouro Negro, com participações de Milton Nascimento, João Bosco, Ed Motta, Gilberto Gil. Eles também são responsáveis pelo relançamento em CD de Coisas (2004) e pela gravação de Choros e Alegrias (2005), com músicas inéditas do compositor, além de três songbooks. Em 2006, Muiza Adnet grava As canções de Moacir Santos, com vocal do compositor em algumas faixas.

Entre seus parceiros, destacam-se Vinícius de Moraes (Mulher carioca, Menino travesso, Triste de quem e Se você disser que sim), Nei Lopes (Maracatu, Nação do Amor , Oduduá, Orfeu  e Sou eu) e Geraldo Vandré (Dia de festa).

Análise

A exemplo de outros maestros do rádio, como Radamés Gnattali e Lyrio Panicalli, Moacir Santos produz uma obra na fronteira entre a música popular e a erudita. Obrigado a dominar os diferentes estilos orquestrais em voga nos anos 1940 e 1950, do jazz ao folclorismo sinfônico, passando por ritmos latinos como a rumba e o merengue e por gêneros brasileiros como o samba, a marcha e o choro, ele desenvolve um estilo eclético. Tamanha versatilidade, reverenciada por Vinícius de Moraes em seu Samba da bênção ("A bênção, Moacir Santos, tu que não és um só, és tantos"), transparece tanto em seus arranjos como em suas composições, áreas que se confundem em sua obra.

Após duas décadas de profícua atuação como orquestrador e maestro, Santos vê seu campo de trabalho diminuir sensivelmente na segunda metade dos anos 1960, quando o desaparecimento das orquestras de rádio e TV, somado a valorização da canção com letras de cunho político na cena musical brasileira pós-1964, reduz o espaço para a música instrumental no país. Nesse contexto, ele integra o grupo de músicos que, ligados à Bossa Nova ou ao samba-jazz (gêneros considerados "alienantes" num meio musical fortemente politizado), seguem carreira na Europa e, principalmente, nos Estados Unidos, como Naná Vasconcelos, Baden Powell, Sérgio Mendes, João Donato, Airto Moreira e a cantora Flora Purim.

Gravado num momento em que o compositor já atingira a maturidade, o álbum Coisas (1965), considerado um marco na música instrumental brasileira, sintetiza as principais características da obra de Moacir Santos. A começar pela valorização da cultura negra, perceptível tanto na atenção dispensada pelo compositor à percussão, com a incorporação de instrumentos pouco usuais (como berimbau, kalimba, atabaque, agogô e afoxé), como na invenção de uma base rítmica original, ligada a matrizes africanas. Nesse sentido, o uso de deslocamentos rítmicos e métricos, hemíolas1 e polirritmias2 constitui um gesto deliberado para que sua música "soe negra", efeito igualmente obtido no plano melódico-harmônico por meio do emprego de escalas modais e da ambiguidade no uso das terças - ora maiores, ora menores3. Vale destacar que, ao "africanizar" a música brasileira, Santos age em sintonia com iniciativas semelhantes ocorridas na época: no mesmo ano do lançamento de Coisas, Elizeth Cardoso grava um disco só com sambas de morro (Elizeth sobe o morro), pondo em evidência a negritude da música brasileira; no ano anterior, são lançados Samba Esquema Novo, de Jorge Ben, e Tem "Algo Mais", de Wilson Simonal, e Hermínio Bello de Carvalho revela Clementina de Jesus, com seu repertório repleto de cantos de escravos e pontos de macumba; no ano seguinte, Baden Powell e Vinícius de Moraes gravam seus Afro-sambas, inspirados no candomblé e na capoeira. Vinícius de Moraes, aliás, é um dos precursores da valorização musical da cultura afro-brasileira, ao conceber, em 1956, a "tragédia negra carioca" Orfeu da Conceição.

Além da valorização da cultura afro-brasileira, a obra de Moacir Santos se caracteriza ainda por certo hibridismo, em que ritmos regionais cariocas ou nordestinos (como o samba, o xaxado, o coco, o baião e o maracatu) são reelaborados de maneira singular, por meio de levadas oriundas do jazz, dos gêneros latino-americanos e da música de concerto brasileira ou internacional. Embora Coisas seja comumente classificado como um álbum de samba-jazz, suas músicas dificilmente se enquadram nesse gênero, pois não seguem sua estrutura padrão - tema(s)-improviso-tema(s) - nem se atêm a seus cânones rítmicos (também chamados de "levadas"). Segundo Zuza Homem de Mello, o disco "não se encaixa em nenhum estilo da música popular brasileira de sua época"4, dialogando com diferentes tradições.

Nesse sentido, é preciso destacar ainda a presença de certo "eruditismo" no disco, reflexo do anseio de Moacir Santos em produzir música de concerto. O próprio nome dado às suas composições, Coisas, bem como sua numeração de 1 a 10, é um "correspondente brasileiro, popular e negro"5 do índice catalográfico opus, usado na música erudita europeia. Ao empregar esse termo, o autor entende suas composições não como temas ou melodias que podem ser reelaborados e rearranjados (a exemplo do que ocorre comumente na música popular), mas como obras acabadas. Outro elemento erudito do disco é a anotação rigorosa, por meio da grafia musical tradicional, das partes da seção rítmica (piano, bateria, baixo, guitarra), que trazem levadas originais - prática incomum nos conjuntos de música brasileira, que geralmente improvisam sobre levadas conhecidas. 

Nos discos seguintes, as características composicionais de Coisas são mantidas, mas Moacir Santos dá novos saltos como orquestrador. Enquanto no primeiro disco prevalece a formação tradicional de big band, as inovações restringindo-se à seção de percussão, em Maestro a instrumentação se diversifica, com o uso do contrabaixo elétrico, do piano elétrico e do órgão. Além de tocar saxofone barítono em duas faixas do disco, Moacir assume os vocais em outras cinco, realizando vocalizes que se destacam do conjunto instrumental. A influência do jazz norte-americano, especialmente em sua vertente fusion, também se faz mais presente, com uma abertura maior para os improvisos. Em The mirror's mirror, por exemplo, faixa que encerra o disco, contrabaixo, piano elétrico e trombone improvisam livremente sobre uma base percussiva. Essas características, que também se notam em Saudade, Canrinal of the spirits e Opus 3 n° 1, revelam a maior aproximação de Moacir Santos com o jazz, mas sem afastar-se de suas raízes brasileiras.

Notas

1 Variação rítmica em que um compasso ternário é articulado como se fosse binário, provocando a sensação de deslocamento rítmico.

2 Sobreposição de divisões rítmicas diferentes.

3 Foi Guerra-Peixe quem sugeriu a Moacir Santos o uso da terça menor como elemento de "negritude". "O negro nunca alcançou a terça maior", teria lhe dito o autor de Maracatus do Recife. Daí o surgimento, entre os negros norte-americanos, da chamada escala blue - escala maior com a terça e a sétima abemoladas.

4 MELO, Zuza de Homem. In: Cancioneiro Moacir SantosCoisas. Rio de Janeiro: Jobim Music, 2005, p.13.

5 GOMES, João Marcelo Zanoni. 'Coisas' de Moacir Santos. Dissertação (Mestrado em Música). Curitiba, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da UFPR, 2008, p. 41-2.

Outras informações de Moacir Santos:

Eventos relacionados (1)

Fontes de pesquisa (6)

  • ADNET, Mário; NOGUEIRA, José (orgs.). Cancioneiro Moacir Santos: Coisas. Rio de Janeiro: Jobim Music, 2005.
  • CASTRO, Ruy. "Enfim, a volta das 'Coisas' e da batida diferente". Estadão Online. 27/08/2004. Disponível em: <www.estadao.com.br/arquivo/arteelazer/2004/not20040827p5757.htm>
  • EVANGELISTA, Ronaldo. "Bizz entrevista Moacir Santos". Revista Bizz, n. 197, Janeiro de 2006. São Paulo: Editora Abril, p.27.
  • FRANÇA, Gabriel Muniz Improta. Coisas: Moacir Santos e a composição para seção rítmica na década de 1960. Dissertação (Mestrado em Música). Rio de Janeiro, Centro de Letras e Artes, Unirio, 2007.
  • GOMES, João Marcelo Zanoni. 'Coisas' de Moacir Santos. Dissertação (Mestrado em Música). Curitiba, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da UFPR, 2008.
  • SUKMAN, Hugo. "De volta às melhores 'Coisas' da vida". O Globo. Rio de Janeiro, 10/08/2004.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • MOACIR Santos. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa16236/moacir-santos>. Acesso em: 14 de Dez. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7