Artigo da seção pessoas Walmor Chagas

Walmor Chagas

Artigo da seção pessoas
Teatro  
Data de nascimento deWalmor Chagas: 28-08-1930 Local de nascimento: (Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre) | Data de morte 18-01-2013 Local de morte: (Brasil / São Paulo / Guaratinguetá)
Imagem representativa do artigo

Vera Nunes e Walmor Chagas , 1955 , Chico Albuquerque

Biografia
Walmor de Souza Chagas (Porto Alegre RS 1930 - Guaratinguetá SP 2013). Ator, diretor e produtor. Homem de teatro de larga atuação, apontado como artista de indiscutíveis méritos, criador de personagens de grande impacto nos empreendimentos em que atua, entre eles o Teatro Brasileiro de Comédia e o Teatro Cacilda Becker.

Inicia-se no Teatro do Estudante, em Porto Alegre, com Antígone, de Jean Anouilh, em 1948. Dirige e atua em Hedda Gabler, de Henrik Ibsen, 1949, surgindo como ator em Assim É...(Se lhe Parece), de Luigi Pirandello, 1950, e O Homem e as Armas, de Bernard Shaw, em 1951.

Muda-se para São Paulo em 1952 e, em conjunto com Ítalo Rossi, funda o Teatro das Segundas-Feiras, encenando Luta Até o Amanhecer, de Ugo Betti. A iniciativa repercute em sua contratação pelo Teatro Brasileiro de Comédia - TBC, onde estréia em Assassinato a Domicílio, de Frederick Knott, com direção de Adolfo Celi, em 1954. Como ator destaca-se em Santa Marta Fabril S. A., de Abílio Pereira de Almeida e, numa surpreendente e provocativa performance, como o Mosca, de Volpone, encenação sofisticada de Ziembinski para o texto de Ben Jonson, em 1955.

Seguem-se as personagens Robert Dudley em Maria Stuart, de Schiller e o Dominique Revol em Os Filhos de Eduardo, de Marc-Gilbert Sauvajon, esta última com direção de Ruggero Jacobbi e Cacilda Becker, ambas também de 1955; um emocionante Orfeu em Eurídice, de Jean Anouilh, e um intenso Brick em Gata em Teto de Zinco Quente, de Tennessee Williams, encenação de Maurice Vaneau, em 1956. Seus últimos desempenhos na casa são: As Provas de Amor, de João Bethencourt, A Rainha e os Rebeldes, de Ugo Betti, e Adorável Júlia, de Marc-Gilbert Sauvajon, além da direção, com o elenco experimental da companhia, de Matar, de Paulo Hecker, atividades de 1957.

Ele, Cacilda Becker e Ziembinski juntam-se, no Rio de Janeiro, para fundar o Teatro Cacilda Becker - TCB, do qual é o sócio majoritário. Sob o comando artístico de Ziembinski, a nova companhia lança, em 1958, O Santo e a Porca, de Ariano Suassuna. O desempenho de Walmor provoca grande empatia, e ele recebe o Prêmio Padre Ventura, do Círculo Independente de Críticos Teatrais.

Como o Edmund Tyrone de Jornada de um Longo Dia para Dentro da Noite, de Eugene O'Neill, alcança resultado considerado brilhante, em 1958. Walmor está nas montagens seguintes: Os Perigos da Pureza, de Hugh Mills, A Dama das Camélias, de Alexandre Dumas Filho, e como João Grilo, em Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna.

O TCB radica-se, desde 1960, em São Paulo, sem Ziembinski, oferecendo ao público Virtude e Circunstância, de Clô Prado; Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto; e Em Moeda Corrente do País, de Abílio Pereira de Almeida, que é também a primeira direção de Walmor na empresa. Em 1961, participa de Raízes, de Arnold Wesker, com o diretor Antônio Abujamra; e Oscar, de Claude Magnier; e assume um espetáculo complexo, montando Rinocerontes, de Eugène Ionesco, dirigindo e interpretando. Em 1962, outra direção ambiciosa, a de A Visita da Velha Senhora, de Dürrenmatt, com Cacilda Becker e Sergio Cardoso capitaneando o afinado elenco. Volta a fazer sucesso com O Santo Milagroso, de Lauro César Muniz, e atuar em Onde Canta o Sabiá, de Gastão Tojeiro, ambas em 1963. No ano seguinte, dirige e interpreta A Noite do Iguana, de Tennessee Williams.

Walmor e Cacilda são contratados por Maurice Vaneau, em 1965, para protagonizarem Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?, de Edward Albee, elogiadíssimo desempenho do casal, consagrado pela crítica, provavelmente o ponto alto na sua carreira de ator. Sua criação merece expressivo destaque por parte do crítico Alberto D'Aversa: "Para ele podemos usar sem retórica os elogios de exceção, aqueles da total consagração. A interpretação de Walmor supera toda calculada ou generosa previsão; a melhor, talvez, até agora feita por um ator brasileiro, em tudo não nacional (...). Interpretação perfeita na solidez da estrutura e na riqueza de detalhes, total na participação finíssima e nas soluções que descobrem os abismos do texto psicológico, com uma precisão de excepcional felicidade. Vale, sozinho, o espetáculo".1

Inicia-se então uma atividade cheia de ressonâncias: um Centro de Estudos Teatrais, montado no apartamento do casal, aberto especialmente aos autores nacionais. Muitos textos censurados serão ali lidos e debatidos.

Após um texto tão dramático, o casal experimenta um divertissement, Isso Devia Ser Proibido, de Bráulio Pedroso e Walmor Chagas, em 1967, na direção de Gianni Ratto. Revelam, mais uma vez, invejável disposição cênica, repetindo o feito em Esperando Godot, de Samuel Beckett, hábil direção de Flávio Rangel em 1969, último desempenho de Cacilda Becker, vitimada por um aneurisma cerebral num intervalo do espetáculo.

Em 1969/1970 Walmor encarna Hamlet, de William Shakespeare, novo espetáculo de Flávio Rangel, sem repercussão maior.

O ator retorna a Porto Alegre, onde cria espetáculos baseados em textos poéticos, voltando ao Rio, em 1974. Em 1986, dirige e interpreta ao lado de Ítalo Rossi, no bem-sucedido Encontro com Fernando Pessoa.

Orienta sua carreira para a televisão e o cinema, onde alcança grande destaque, esporadicamente voltando ao palco em novos recitais poéticos. Em 1988, dedica-se a um novo projeto, ao inaugurar o belo Teatro Ziembinski, no Bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro, preferentemente voltado para os jovens e exclusivamente para autores nacionais, hoje sob gestão da Prefeitura do Município.

Em 1999, está ao lado de Ítala Nandi, Camilla Amado, Luís de Lima e Tônia Carrero em Um Equilíbrio Delicado, de Edward Albee, direção de Eduardo Wotzik.

Sobre ele declara o crítico Yan Michalski: "Paixão pelo teatro é um óbvio denominador comum da trajetória de Walmor Chagas. Inegavelmente um dos atores mais talentosos de sua geração, dono de uma presença cênica singularmente sedutora e carismática, responsável por alguns desempenhos excepcionalmente lúcidos e criativos, ele construiu uma carreira relativamente irregular, na qual os pontos altos alternam-se com ausências e fases inseguras, e na qual as suas experiências como diretor, secundárias para a sua dimensão como artista, talvez tenham prejudicado, mais do que ajudado, o seu crescimento como ator. Mas essa carreira irregular - certamente muito marcada pelo seu convívio com Cacilda Becker - encontra uma coerência fundamental na constante pureza da sua devoção pelo ofício de ator".2

Notas

1. D'AVERSA, Alberto. Crítica de Quem tem Medo De Virgínia Woolf. São Paulo, Diário de São Paulo,1965.

2. MICHALSKI, Yan. Walmor Chagas In: PEQUENA Enciclopédia do teatro Brasileiro Contemporâneo. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq. Rio de Janeiro, 1989.

Outras informações de Walmor Chagas:

  • Outros nomes
    • Walmor de Souza Chagas
  • Habilidades
    • Ator
    • diretor de teatro
    • Produtor
    • Autor

Representação (1)

Espetáculos (82)

Todos os espetáculos

Fontes de pesquisa (12)

  • ALBUQUERQUE, Johana. Walmor Chagas (ficha curricular) In: ___________. ENCICLOPÉDIA do Teatro Brasileiro Contemporâneo. material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação VITAE. São Paulo, 2000.
  • Aos 82, ator Walmor Chagas é achado morto no interior de São Paulo. In: Folha de S.P. On-line. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/1217127-aos-82-ator-walmor-chagas-e-achado-morto-no-interior-de-sao-paulo.shtml Acessado em: 18 jan. 2013. não catalogado
  • BATISTA, Djalma Limongi. Walmor Chagas: ensaio aberto para um homem indignado. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008. (Coleção Aplauso. Série Especial). Disponível: . Acesso em: 21 jan. 2013. Não catalogado
  • CARVALHO, Tania. Ney Latorraca: uma celebração. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. 135 p. (Aplauso Especial). 792.092 L358c
  • MICHALSKI, Yan. Walmor Chagas In: PEQUENA Enciclopédia do teatro Brasileiro Contemporâneo. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq. Rio de Janeiro, 1989.
  • Programa do Espetáculo - Agnes de Deus - 1982 Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Armadilha - 1979 Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Os Rapazes da Banda - 1970 Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Parentes Labirinto: Balanço de Vida - 1973 Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Quem Tem Medo de Virginia Woolf? - 1965 Não catalogado
  • Programa do Espetáculo- Um Homem Indignado- 2005 Não catalogado
  • Walmor Chagas morre aos 82 anos. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2013 Não catalogado

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • WALMOR Chagas. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa14516/walmor-chagas>. Acesso em: 16 de Fev. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7