Artigo da seção pessoas José Wilker

José Wilker

Artigo da seção pessoas
Teatro  
Data de nascimento deJosé Wilker: 20-08-1946 Local de nascimento: (Brasil / Ceará / Juazeiro do Norte) | Data de morte 05-04-2014 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Biografia
José Wilker (Juazeiro do Norte, CE, 1946 - Rio de Janeiro, RJ, 2014). Ator, diretor e autor. Conhecido, nos anos 1970, como ator de espetáculos de vanguarda, José Wilker atua em alguns dos principais grupos de teatro do país. Seu estilo teatralista de criação e composição físicas se mantém desde 1969, em O Arquiteto e o Imperador da Assíria, no Teatro Ipanema, até 1985, em Assim É...(Se Lhe Parece), no Teatro dos Quatro.

José Wilker começa a fazer teatro político e engajado em Recife, no início dos anos 1960, junto ao Movimento de Cultura Popular (MCP), que trabalha para a conscientização política da classe operária por meio da alfabetização e da cultura popular, na linha de Miguel Arraes. Depois do golpe militar, em 1964, pressionado pela repressão que coloca o MCP na ilegalidade, Wilker parte para o Rio de Janeiro.

Com Luiz Mendonça (1931-1995), diretor de teatro do MCP, Isabel Ribeiro (1941-1990), Camilla Amado (1939) e Carlos Vereza (1939), funda o Grupo Chegança, no qual atua durante quatro anos em montagens como Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto (1920-1999) e A Excelência.

Em 1965, estreia em Chão dos Penitentes, de Francisco Pereira da Silva (1918-1985), com produção do Teatro Jovem. Em 1967, trabalha ao lado de Marília Pêra (1943) e Dulcina de Moraes (1908-1996) em A Ópera dos Três Vinténs, de Bertolt Brecht (1898-1953), direção de José Renato (1926-2011). Ingressa na Faculdade de Sociologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ). No Grupo Opinião, atua em Antígone, de Sófocles (496 a.C.-406 a.C.), sendo dirigido por João das Neves (1934), em 1968. No mesmo ano, ganha um prêmio do Seminário de Dramaturgia, montando, em seguida, seu primeiro texto, O Trágico Acidente que Destronou Teresa.

Participa, a partir de então, dos espetáculos mais importantes do Teatro Ipanema, centro de produções teatrais de Ivan de Albuquerque (1932-2001) e Rubens Corrêa (1931-1996): em 1969, faz uma substituição em O Assalto, espetáculo que revela o autor José Vicente (1945-2007); no ano seguinte, atua em O Arquiteto e o Imperador da Assíria, de Fernando Arrabal (1932), que lhe vale o Prêmio Molière de melhor ator. Está em Hoje É Dia de Rock, também de José Vicente, em 1971, espetáculo ícone da década de 1970.

Participa da montagem brasileira de A Mãe, em 1971, dirigida pelo francês Claude Régy (1923), numa produção da companhia de Tereza Raquel (1939). Volta ao Ipanema como ator e autor em A China é Azul, de 1972. Atua também em Ensaio Selvagem, mais uma peça de José Vicente, 1974. Em 1976, ganha os prêmios Molière e Governador do Estado de melhor ator em Os Filhos de Kennedy, de Robert Patrick, com direção de Sergio Britto (1923-2011).

A partir de então, afasta-se dos palcos por nove anos. Torna-se importante ator de TV, destacando-se em novelas da Globo, tais como: Anjo MauGabriela, Salvador da Pátria, Roque Santeiro. No cinema, projeta-se pelos desempenhos em Dona Flor e seus Dois Maridos, de Bruno Barreto, 1976; Bye, Bye Brasil, de Cacá Diegues, 1979, e O Homem da Capa Preta, de Sérgio Rezende, 1986.

No início dos anos 1980, assume a direção da Escola de Teatro Martins Pena, tendo como colaboradores, entre outros, Aderbal Freire-Filho (1941) e Alcione Araújo (1945-2012). Retorna para o palco em 1985, com a equipe do Teatro dos Quatro, onde a interpretação do Sr. Ponza, em Assim É...(Se lhe Parece), de Luigi Pirandello (1867-1936), sob a direção de Paulo Betti (1952), que lhe vale seu terceiro Prêmio Molière de melhor ator.

Passa a atuar como diretor de teatro em importantes produções como Sábado, Domingo e Segunda, de Eduardo De Filippo (1900-1984), em 1986; Perversidade Sexual em Chicago, de David Mamet (1947), em 1989; A Morte e a Donzela, de Ariel Dorfman (1942), 1993; Querida Mamãe, de Maria Adelaide Amaral (1942), em 1994.

Cinéfilo inveterado, nos anos 1990 abandona os palcos para dedicar-se à sua carreira cinematográfica; produz e atua no filme Guerra de Canudos, de Sérgio Rezende, e torna-se também crítico de cinema na TV Cultura. Com regularidade escreve  crônicas sobre o assunto para o Jornal do Brasil e publica uma coletânia desta produção em 1996, no livro Como Deixar um Relógio Emocionado.

Wilker marca presença no teatro, no cinema e na televisão, sendo requisitado como protagonista em todas estas áreas, revelando ser um dos principais atores da sua geração.

Outras informações de José Wilker:

  • Outros nomes
    • José Wilker Almeida
  • Habilidades
    • Iluminador
    • diretor de teatro
    • autor
    • ator

Espetáculos (43)

Todos os espetáculos

Eventos relacionados (1)

Fontes de pesquisa (10)

  • ALBUQUERQUE, Johana. José Wilker. In: ______. Enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. São Paulo, 2000. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação Vitae. 
  • CARVALHO, Tania. Ney Latorraca: uma celebração. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. 135 p. (Aplauso Especial). 792.092 L358c
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculo: Antígona - 1969; Ensaio Selvagem - 1974. Não catalogado
  • GUERINI, Elaine. Nicette Bruno & Paulo Goulart: tudo em família. São Paulo: Cultura - Fundação Padre Anchieta: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. 256 p. (Aplauso Perfil). 792.092 G932n
  • MICHALSKI, Yan. O Teatro sob Pressão - Uma Frente de Resistência. Rio de Janeiro: Zahar, 1989.
  • MICHALSKI, Yan. José Wilker. In: ______. Pequena enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro, 1989. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Rosyane Trotta Não Catalogado
  • Planilha enviada pelo pesquisador Márcio Freitas Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - A Cabra ou Quem É Sylvia - 2008. Não Catalogado
  • WILKER, José. Rio de Janeiro: CEDOC / Funarte. Dossiê Personalidades Artes Cênicas.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • JOSÉ Wilker. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa14478/jose-wilker>. Acesso em: 22 de Nov. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7