Artigo da seção pessoas Rita Lee

Rita Lee

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deRita Lee: 31-12-1947 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Rita Lee , 2004 , Camille Kachani
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Biografia
Rita Lee Jones (São Paulo SP 1947). Compositora, cantora, instrumentista, atriz, escritora. Filha do descendente de imigrantes norte-americanos Charles Jones e da italiana Romilda Padula, na infância, estuda piano clássico com Magdalena Tagliaferro e brinca de trio vocal com as irmãs. Aos 16 anos, integra um trio vocal feminino, as Teenage Singers, e participa de shows e festas em colégios. O trio é descoberto por Tony Campello e passa a fazer coro para as gravações dos Jet Blacks, Demetrius e Prini Lorez. Em 1964, junta-se ao trio masculino Wooden Faces, formando o Six Sided Rockers, depois O'Seis. Com a saída de três membros, Rita e os irmãos Arnaldo Baptista e Sérgio Baptista passam a se chamar O Konjunto, depois Os Bruxos.

No programa O Pequeno Mundo de Ronnie Von, da TV Record, recebem o nome Os Mutantes, em 1966. Com a banda, Rita acompanha Gilberto Gil em Domingo no Parque no 3º Festival de Música Popular Brasileira da TV Record, de 1967, participa do disco-manifesto Tropicália ou Panis et Circensis, apresenta-se com Caetano Veloso no 3º Festival Internacional da Canção, em 1968, na TV Globo, em É Proibido Proibir, e grava com ele um compacto duplo com a canção Marcianita, de Sérgio Murilo. Participa dos cinco discos da banda Os Mutantes (1968), Mutantes (1969), A Divina Comédia ou Ando Meio Desligado (1970), Jardim Elétrico (1971), Mutantes e Seus Cometas no País dos Bauretz (1972).

Rita inicia a carreira solo com Build Up (1970), com direção musical de Arnaldo Baptista, parcerias com ele e Élcio Decário, arranjos de Rogério Duprat e show com direção do dramaturgo Antonio Bivar; e Hoje É o Primeiro Dia do Resto da Sua Vida (1972), acompanhada pelos Mutantes. Em 1973, forma com Lúcia Turnbull uma dupla de folk rock, As Cilibrinas do Éden, cuja única gravação é ao vivo em São Paulo, no festival Phono 73.1 Atrás do Porto Tem uma Cidade (1974) é o primeiro disco de Rita com o grupo Tutti Frutti, que a acompanha em mais quatro álbuns. Lança Refestança, registro de turnê com Gilberto Gil, em 1977. A partir de 1979, produz seus discos em parceria com o marido, Roberto de Carvalho, com destaque para Rita Lee (1979-1980) e Saúde (1981). Apresenta-se na abertura da turnê da banda britânica Rolling Stones, em 1995. Lança Aqui, Ali, em Qualquer Lugar (Bossa´n´Beatles), em 2001, e o álbum Balacobaco, em 2003. No ano seguinte, a cantora Ná Ozetti grava um tributo à roqueira e lança Lovelee Rita.

Como atriz e apresentadora, atua no filme Dias Melhores Virão (1989), de Cacá Diegues; no curta-metragem Tanta Estrela por Aí... (1992), pelo qual ganha prêmio no Festival de Cinema em Gramado; e em Durval Discos (2001), de Ana Muylaert. Faz pontas nas novelas Top Model (1989) e Vamp (1991), de Antonio Calmon; comanda o programa TVLeezão na MTV, em 1991; e integra o programa Saia Justa, da GNT, entre 2002 e 2004. Publica livros de temática ecológica para um público infantil: Dr. Alex - Quem Canta Conta (1986), Dr. Alex e os Reis de Angra (1988), e Dr. Alex na Amazônia (1990).

Comentário Crítico
Rita Lee tem uma carreira musical multifacetada iniciada com os experimentalismos da primeira fase com Os Mutantes, vai pelo rock - entre o blues e o hard rock - com a banda Tutti Frutti e com Roberto de Carvalho passa para a fusão de rock, pop e MPB. Torna-se conhecida com Os Mutantes a partir de 1967, participa do disco Tropicália ou Panis et Circensis, em 1968, e dos festivais de música popular brasileira nas TVs Record e Globo. Esses festivais mobilizam plateias de jovens influenciados de modo geral pelo projeto nacional-popular que embasa o Centro Popular de Cultura da União Nacional de Estudantes (1961-1964) e o Teatro Opinião. Numa época de polarização ideológica vivenciada no período da ditadura militar, noções como engajamento versus alienação política e nacionalismo versus cosmopolitismo estão em voga, são valorizados os artistas que adotam a estética de harmonias e melodias elaboradas, porém comprometidos com a ideia de brasilidade; que utilizam elementos musicais considerados autenticamente nacionais, seja na escolha de instrumentos como o violão acústico e percussão afro-brasileira, seja na recorrência a ritmos tradicionais como o baião, as toadas nordestinas e o samba.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações

  • Outros nomes
    • Rita Lee Jones
  • Habilidades
    • compositor
    • cantor/Intérprete
    • Instrumentista

Representação (1)

Fontes de pesquisa (13)

  • RITA LEE. In: Whiplash.net. São Luis. Disponível em: http://whiplash.net/materias/biografias/038389-ritalee.html. Acesso em 14 Julho 2011.
  • RITA LEE. Combate Rock-Jornal da Tarde. Disponível em:  http://blogs.estadao.com.br/combate_rock/tutti-frutti-e-rita-lee-esse-tal-de-rock-acertou/   Acesso em 13 Julho 2011.   
  • RITA LEE. In: Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Cravo Albin. Disponível em: http://www.dicionariompb.com.br/rita-lee. Acesso em 13 Julho 2011.
  • RITA LEE. In: Rita Lee etc. Disponível em: http://www.ritalee.com.br/. Acesso em 11 Julho 2011. 
  • RITA LEE. In: Uol entretenimento-música. http://www2.uol.com.br/ritalee/biografia.htm. Acesso em 15 Julho 2011.
  • BARTSCH, Henrique. Rita Lee mora ao lado: uma biografia alucinada da rainha do rock. São Paulo, Panda Books, 2006.
  • CALADO, Carlos. A divina comédia dos Mutantes. São Paulo, Editora 34, 2006.
  • NAPOLITANO, Marcos. "O conceito de 'MPB' nos anos 60". In História - Questões & Debates. Ano 16, no 31, julho a dezembro de 1999, pp. 11-30. 
  • RODRIGUES, Fábio. In: Rita Lee: "Hoje é o primeiro dia do resto da sua vida" (1972) - Encarte da reedição em Cd.
  • SANTIAGO, Silviano. "Caetano Veloso enquanto superastro" In: Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. São Paulo, Perspectiva, 1978.
  • RIBEIRO, Julio Naves. Lugar nenhum ou Bora Bora?: narrativas do "rock brasileiros anos 80". São Paulo, Annablume, 2009.
  • NAVES, Santuza Cambraia. Canção Popular no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. 159 p. (Coleção Contemporânea)
  • MARCONDES, Marcos Antônio. Enciclopédia da música brasileira: erudita, folclórica, popular. 2. ed., rev. ampl. São Paulo: Art Editora : Itaú Cultural, 1998. 912 p. R780.981 M321e 2.ed.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • RITA Lee. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa13978/rita-lee>. Acesso em: 28 de Mar. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7