Artigo da seção pessoas Hervé Cordovil

Hervé Cordovil

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deHervé Cordovil: 03-02-1914 Local de nascimento: (Brasil / Minas Gerais / Viçosa) | Data de morte 16-07-1979 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Biografia

Hervé Cordovil (Viçosa MG 1914 - Rio de Janeiro RJ 1979). Compositor, pianista e regente. Recebe as primeiras lições de música de sua mãe, musicista amadora. Muda-se para o Rio de Janeiro, toca na banda do Colégio Militar, tendo como professor Romeu Malta, e forma um conjunto de jazz. Nesse período se aperfeiçoa no piano e depois conclui o curso de direito.

Começa a carreira como pianista e compositor na Rádio Sociedade, em 1931, e na orquestra de Romeu Silva. Compõe a marcha Carolina, com Bonfiglio de Oliveira, sucesso no Carnaval de 1934 na voz de Carlos Galhardo; o samba No Morro de São Carlos, com Orestes Barbosa (1933), gravado por Moreira da Silva; a marcha Inconstitucionalissimamente (1933), gravada por Carmen Miranda; o samba-canção Um Caboclinho, com Luiz Peixoto, gravado por Francisco Alves, em 1936; o samba Triste Cuíca (1935), gravado por Aracy de Almeida, e as marchas Não Resta a Menor Dúvida (1936) e O que É que Você Fazia (1936), parceria com Noel Rosa e gravadas por Carmen Miranda; as marchas Menina Oxigenée (1934), gravada por Almirante; Alô, Alô Carnaval (1936) e Seu Abóbora (1935), também gravadas por Carmen Miranda; e os jingles Madame du Barril (1934) e Esquina da Sorte (1938), com Lamartine Babo. É maestro da orquestra que produz a trilha sonora do filme Estudantes (1935), de Wallace Downey, e compõe trilhas para teatro, entre as quais Da Favela ao Catete (1935), de Freire Júnior.

Muda-se para Belo Horizonte no início dos anos 1940, e trabalha na Rádio Guarani. Em 1945, é contratado pela Rádio Record de São Paulo, em que permanece por 26 anos, até se aposentar, tornando-se um dos mais respeitados maestros e arranjadores da emissora. Também se destaca como compositor de baião. São de sua autoria Esta Noite Serenou (1951) e, em parceria com Luiz Gonzaga, Baião na Garoa (1952). Compõe Xaxado, as toadas A Vida do Viajante (1953) e Moreninha, Moreninha (1951) e a polca Tô Sobrando (1951). Muitos sucessos do compositor são gravados pela cantora Carmélia Alves, como Sabiá na Gaiola (1950), parceria com Mário Vieira, Pé de Manacá (toada, parceria com Marisa Coelho, gravada em 1950 por Isaura Garcia), Cabeça Inchada (1951), que recebe regravações no exterior, e a toada Me Leva (1949), parceria com Rochinha.

Compõe o samba-canção Uma Loira (1951), gravado por Dick Farney, e o samba Prova de Carinho (1960), com Adoniran Barbosa, com quem também faz Aguenta a Mão, João, gravada em 1971 pelo Demônios da Garoa. Em 1964, compõe o twist Rua Augusta, para o repertório do filho Ronnie Cord, considerado pelos compositores Erasmo Carlos e Tony Campelo o "primeiro hino do rock brasileiro" (Severiano: 1998, p. 78). Também faz a versão de sucesso Biquíni de Bolinha Amarelinha tão Pequenininho (1996), para Cord. A música é regravada pela banda Blitz, em 1983. Participa do show em comemoração dos 30 anos do baião, em 1977, no Theatro Municipal de São Paulo, com Luiz Gonzaga, Carmélia Alves e Humberto Teixeira.

 

Comentário Crítico

Hervé Cordovil é autor de uma obra bastante rica e diversificada. Compositor versátil, adapta-se com facilidade ao ambiente dinâmico das rádios, chegando a compor de três a quatro músicas por semana, abrangendo vários estilos. Destaca-se na produção de jingles, em parceria com Lamartine Babo, nos quais os compositores trabalham as palavras de maneira bem-humorada, veiculando a mensagem publicitária implicitamente, por meio de letras com duplo sentido. Uma prática muito comum na época é aproveitar músicas de sucesso para as peças publicitárias. É o que o compositor faz com a marcha Carolina (1934), usada na propaganda do fortificante Carogeno. Cordovil desempenha um papel importante, como compositor e arranjador contratado pela Rádio Gravações Especializadas (RGE), primeira empresa brasileira voltada para jingles e spots, fundada em 1948, quando a rádio já está consolidada como principal meio de comunicação social.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Hervé Cordovil:

  • Outros nomes
    • Hervé Cordovil
  • Habilidades
    • Compositor
    • pianista
    • Arranjador
    • produtor musical
    • diretor artístico
    • músico
    • regente/maestro

Obras de Hervé Cordovil: (8) obras disponíveis:

Fontes de pesquisa (6)

  • HERVÊ Cordovil. In: BOTEZELLI, J. C. (Coord.); PEREIRA, Arley (Coord.). A música brasileira deste século por seus autores e intérpretes. São Paulo: SESC SP, 2000. v. 3, 256 p., il. p&b. 1CD Sonoro.
  • Dicionário Cravo Albin. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2011 Não catalogada
  • PANIAGO, Maria do Carmo Tafuri. Hervé Cordovil: um gênio da Música Popular Brasileira. São Paulo: João Scortecci Editora, 1997.
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A Canção no tempo I: 85 anos de músicas brasileiras (1901-1957). 2. ed. São Paulo: Editora 34, 1998. v. 1. 366 p. (Ouvido Musical) 
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A Canção no tempo II: 85 anos de músicas brasileiras (1958-1985). São Paulo: Editora 34, 1998. v. 2 . 367 p. (Ouvido Musical) 
  • VIEIRA, Sulamita. O sertão em movimento: a dinâmica da produção cultural. São Paulo: Annablume, 2000. 268 p.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • HERVÉ Cordovil. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa12425/herve-cordovil>. Acesso em: 20 de Nov. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7