Artigo da seção pessoas Edu Lobo

Edu Lobo

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deEdu Lobo: 29-08-1943 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Biografia
Eduardo de Góes Lobo (Rio de Janeiro, RJ, 1943). Compositor, instrumentista, arranjador, cantor. É criado no Rio de Janeiro e no Recife, onde sempre passa as férias escolares na casa dos tios. Filho do compositor Fernando Lobo (1915-1996), é pai do também compositor e cantor Bena Lobo (1972). Estuda inicialmente acordeom e depois se interessa pelo violão. Apresenta-se em boates em 1961, tendo como parceiros Dori Caymmi e Marcos Valle. Conhece, em 1962, o poeta Vinicius de Moraes (1913-1980) e juntos compõem o samba Só me Fez Bem.

Cursa até o 3º ano de direito na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ), quando resolve se dedicar exclusivamente à música. Elabora canções de crítica social, aproximando-se de Sérgio Ricardo, João do Valle, Carlos Lyra e Ruy Guerra. Em 1963, escreve trilhas musicais para peças de teatro, como Os Azeredo Mais os Benevides, de Oduvaldo Vianna Filho (1936-1974), proibida pela censura. A música mais famosa da peça, Chegança, é gravada por Elis Regina (1945-1982). Outra música de sucesso, Borandá, que compõe o musical Opinião, é cantada por Nara Leão e posteriormente por Maria Bethânia. Já a música Zambi (com Vinicius de Moraes) serve de inspiração para Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006) escrever Arena Conta Zumbi, que estreia no Teatro Arena em 1965, com trilha sonora de matizes bossa-novistas. Upa Neguinho, canção que faz parte da peça, alcança sucesso nacional na voz de Elis Regina.

Edu Lobo participa de festivais e vence, em 1965, com letra de Vinicius de Moraes, o 1º Festival Nacional de Música Popular Brasileira, na TV Excelsior, com Arrastão, interpretada por Elis Regina, que traz uma inovação ao se apresentar com coreografia criada por Lennie Dale (1934-1994). Concorre em outros festivais e, em 1967, vence o 3º Festival da Música Popular Brasileira, na Record, com Ponteio, em parceria com José Carlos Capinan (1941). Edu Lobo, a cantora Marília Medalha (1944) e os grupos vocais Momentoquatro e Quarteto Novo interpretam a canção. E também compõe a trilha sonora da peça Marta Saré, de Guarnieri, tendo como ator principal Fernando Monteiro.

Casa-se em 1969 com a cantora Wanda Sá (1944) e mora em Los Angeles, Estados Unidos, durante dois anos. É nesse momento que estuda música de forma organizada com o norte-americano Albert Harris (1916-2005). Volta ao Brasil em 1971 e troca o palco e a linha de frente dos festivais por um trabalho de bastidor, principalmente fazendo trilhas, orquestrações e arranjos para cinema, balé, teatro e televisão. Entre 1974 e 1975, é responsável pela trilha musical de 12 programas da série Casos Especiais, da Rede Globo. Escreve para o balé Jogos de Dança, do Teatro Guaíra, de Curitiba, em 1980. Em 1982, compõe O Grande Circo Místico, com Chico Buarque (1944). Elabora as trilhas dos filmes O Cavalinho Azul, de Eduardo Escorel, e Imagens do Inconsciente, de Leon Hirszman, ambos de 1984; A Guerra dos Canudos, de Sérgio Rezende, em 1997; O Xangô de Baker Street, de Miguel Faria Jr., em 1999. Novamente com Chico Buarque, em 2001, compõe músicas para o espetáculo Cambaio, de Adriana Falcão (1960), dirigido por João Falcão (1958). Lança o DVD Vento Bravo, em 2007, um documentário sobre sua trajetória artística e o registro do show realizado no espaço Mistura Fina, no Rio de Janeiro, em 2005. Lança o CD Tantas Marés, em 2010.

Comentário Crítico
Edu Lobo faz parte do grupo de compositores da chamada segunda geração da bossa nova. O encontro com o poeta Vinicius de Moraes, em 1961, é fundamental para o desenvolvimento de sua carreira profissional. Possibilita o acesso a compositores como Tom Jobim (1927-1994), Carlos Lyra (1939) e Baden Powel (1937-2000), parceiros principais do poeta, além de outros compositores da bossa nova. Também dialoga com a obra dos compositores Sérgio Ricardo (1932), João do Vale (1934 - 1996) e do cineasta moçambicano Ruy Guerra (1931) e utiliza em suas composições uma temática mais social e motivos da cultura popular.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Edu Lobo:

  • Outros nomes
    • Eduardo de Góis Lobo
    • Eduardo de Góes Lobo
  • Habilidades
    • cantor/Intérprete
    • compositor
    • arranjador
    • Instrumentista

Espetáculos (24)

Todos os espetáculos

Eventos relacionados (3)

Fontes de pesquisa (15)

  • CASTRO, Ruy. Chega de saudade: a história e as histórias da bossa nova. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
  • Programa do Espetáculo - Arena Conta Zumbi - 1965 Não catalogado
  • TEIXEIRA, Isabel (Coord.). Arena conta arena 50 anos. Texto Vadim Nikitin, Isabel Teixeira; pesquisa Anna Setton, Felipe Gonçalves Schermann, Isabel Teixeira, Newton Moreno. São Paulo: Cia. Livre da Cooperativa Paulista de Teatro, [2004]. CDR792A681
  • ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Cravo Albin da música popular brasileira. Disponível em <http://www.dicionariompb.com.br >.Acesso em 15 set. 2009.
  • CHEDIAK, Almir. Songbook Edu Lobo. Rio de Janeiro: Editora Lumiar,1995.
  • CONTIER, Arnaldo Daraya. In Revista Brasileira de História. Edu Lobo e Carlos Lyra: o nacional e o popular na canção de protesto (os anos 60). v. 18, n. 35, São Paulo, 1998. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01881998000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt> Acesso em 22 jan. de 2013
  • Enciclopédia da música brasileira. São Paulo: Art Editora, 1977.
  • LOBO, Edu. DVD Vento bravo. Direção de Regina Zappa e Beatriz Thielmann. Rio de Janeiro: Biscoito Fino, 2007.
  • LOBO, Edu. Site Oficial do Artista. Disponível em <http://www.edulobo.com.br > Acesso em 10 set. 2009.
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculo: O Corsário de Rei 13 1985 Não catalogado
  • HOMEM DE MELLO, Zuza. A era dos festivais: uma parábola. São Paulo: Editora 34, 2003.
  • HOMEM DE MELLO, Zuza. Eis aqui os bossa-nova. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2008.
  • Programa do Espetáculo - Calabar o Elogio da Traição - 1980. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Cambaio - 2001. Não Catalogado
  • TATIT, Luiz. O século da canção. São Paulo: Ateliê Editorial, 2004.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • EDU Lobo. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa12389/edu-lobo>. Acesso em: 24 de Abr. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7