Artigo da seção pessoas Capiba

Capiba

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deCapiba: 28-10-1904 Local de nascimento: (Brasil / Pernambuco / Surubim) | Data de morte 31-12-1997 Local de morte: (Brasil / Pernambuco / Recife)

Biografia

Lourenço da Fonseca Barbosa (Surubim PE 1904 - Recife PE 1997). Compositor e instrumentista. Pouco depois de seu nascimento, a família muda-se para a capital Recife, onde Capiba integra com o pai, o maestro Severino Atanásio de Souza Barbosa (seu professor de música), e os 11 irmãos a banda Lira de Borborema. Com 8 anos, toca trompa e se apresenta em saraus e festas. Nessa época, herda do avô o apelido "Capiba", que no Nordeste significa jumento teimoso. Em 1920, morando na Paraíba, apaixona-se pelo futebol e joga profissionalmente no time do América e do Campinense. Aos 16 anos, aprende rapidamente um punhado de valsas com o pai e é contratado como pianista do Cine Fox de Campina Grande em substituição à irmã Josefa.

Numa tentativa de afastá-lo do esporte e da música para dedicar-se aos estudos, a família manda Capiba para João Pessoa, e o matricula no Liceu Pernambucano. Na capital paraibana, trabalha acompanhando projeções de filmes do cinema mudo e torna-se amigo do empresário e cônsul da Holanda Oliver von Sohsten, fundador da Rádio Clube da Paraíba e da Orquestra Tabajara, uma das mais famosas do Brasil. Com o amigo, monta e dirige orquestras que se apresentam no Carnaval.

Em 1930 passa em concurso para o Banco do Brasil e é nomeado para trabalhar no Recife. Funda a Jazz Band Acadêmica, formada por estudantes universitários, e a convivência com os acadêmicos faz com que Capiba se interesse por advocacia e, em 1932, é aprovado para cursar a Faculdade de Direito do Recife. Afasta-se da música por problemas de saúde. Recuperado, em 1949 tem uma importante experiência e aprendizado ao tornar-se amigo e aluno do maestro Guerra-Peixe, que vai a Pernambuco trabalhar na Rádio Jornal do Commercio e pesquisar música nordestina. Com o maestro estuda harmonia e composição erudita.

Nas décadas de 1950 e 1960, Capiba faz música para peças de teatro, como A Pena e a Lei, de Ariano Suassuna; Mandrágora, de Maquiavel; Dom Perlimpim com Beliza em Seu Jardim, de Federico García Lorca; Cabra Cabriola, de Hermilo Borba Filho; O Coronel de Macambira, do poeta Joaquim Cardozo; e os poemas Garça Triste, de Castro Alves; Ismália, de Alphonsus de Guimaraens; e Cantiga do Mundo e do Amor, de Ariano Suassuna. Aposenta-se do Banco do Brasil em 1961, após trinta anos de serviço. Ainda na década de 1960, incentivado pela artista plástica Lidjane Bandeira, dedica-se ao hobby da pintura, ao mesmo tempo em que inscreve suas composições em festivais de música popular. Conquista o 5º lugar no 2º Festival Internacional da Canção, com a música São os do Norte que Vêm (1967), parceria com Ariano Suassuna.

No início dos anos 1970, é eleito patrono do Movimento Armorial, lançado no Recife por Ariano Suassuna, e recebe títulos de Cidadão Benemérito de Olinda, Recife e Campina Grande. Publica Capiba, o Livro das Ocorrências, em 1985. Morre no Recife, aos 93 anos.

 

Comentário Crítico

Personificação da música pernambucana, Capiba é considerado um dos mais importantes autores de frevo da história da música popular brasileira, ao lado do maestro Nelson Ferreira. Compõe quase uma centena de canções do gênero, até hoje cantadas nos carnavais de Olinda e do Recife, como Manda Embora Essa Tristeza, Quem Vai para Farol É o Bonde Olinda, Madeira que Cupim Não Rói (1963), Oh, Bela (1970) ou Linda Flor da Madrugada (1941). Desde muito cedo, Capiba demonstra musicalidade nas aulas teóricas ministradas pelo pai, orquestrador, arranjador, clarinetista e violinista. Versátil, também escreve sambas, valsas, polcas, guarânias, modinhas, tangos, missas, lundus, dobrados, maracatus, cocos, cirandas, marchas, choros e cantigas. Ele introduz o maracatu nos salões da conservadora sociedade recifense quando percebe que o ritmo pode ser transformado e ganhar nova roupagem. O arranjo do maracatu É de Tororó, de 1932, com Ascenso Ferreira, é inovador por substituir os tambores por metais.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Capiba:

  • Outros nomes
    • Lourenço da Fonseca Barbosa
  • Habilidades
    • músico
    • compositor

Espetáculos (14)

Fontes de pesquisa (6)

  • ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Cravo Albin de Música Popular Brasileira.
  • ARAÚJO, João; PEREIRA, Margarida; GOMES, Maria José. 100 anos de frevo: Uma viagem nostálgica com os mestres das evocações carnavalescas. Recife: Editora Baraúna, 2007.
  • AZEREDO, M.A. de (NIREZ) et AL. Discografia Brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro, FUNARTE, 1982.
  • BARBOSA, Lourenço da Fonseca. O Livro das Ocorrências. Recife FUNARPE, 1985.
  • CAMARA, Renato Phaelante da e BARRETO, Aldo Paes. Capiba é Frevo, Meu Bem. Rio de Janeiro, FUNARTE 1986.
  • LP Nova história da música popular brasileira. Capiba e Nelson Ferreira. Rio: Ed. Abril, 1978.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • CAPIBA . In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa12273/capiba>. Acesso em: 20 de Set. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7