Artigo da seção pessoas Everton Gloeden

Everton Gloeden

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deEverton Gloeden: 1957 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo)

Biografia

Everton Gloeden (São Paulo, São Paulo, 1957). Violonista e professor. Inicia seus estudos, aos 7 anos, com Roberto Dalla Vecchia e Sidney Zaghetto. Entre 1970 e 1974, torna-se aluno de Henrique Pinto. Nessa época, frequenta os Seminários Internacionais de Violão Palestrina, e conhece professores como Abel Carlevaro e Guido Santórsola. Conquista o segundo lugar no 4º Concurso Internacional de Violão Palestrina, em 1978. Nesse mesmo ano ingressa no curso de composição e regência da Universidade Estadual Paulista (Unesp), onde estuda com Michel Philippot, e completa sua formação em percepção e teoria musical com Sérgio Cominatto, entre 1984 e 1986.

Como parte do Prêmio Palestrina, em 1980, vai aos Estados Unidos realizar três recitais e a gravação de seu primeiro álbum solo. Ao retornar ao Brasil, no mesmo ano, ele e Edelton Gloeden (1955) tornam-se os primeiros violonistas brasileiros a apresentar as quatro suítes para alaúde de Bach em concerto. Em 1982, repete o feito em um recital solo, sendo o resultado registrado em seu segundo disco, em 1985. Na década de 1980 participa de festivais na Espanha (Música en Compostela, 1987) e na Alemanha (Hof, recebe o segundo lugar no 8º Concurso Internacional de Violão, 1988), além de residir na Inglaterra, entre 1987 e 1988, onde realiza uma série de recitais. Conhece nesse período Chris Kilvington, com quem estuda como bolsista da Fundação Vitae em Cambridge, em 1992. Desse trabalho resulta, já de volta ao Brasil, em 1993, seu terceiro disco, gravado pelo selo EGTA, que ele mesmo funda com Tadeu do Amaral, nesse ano. Desde então, desenvolve atividade camerística ao lado de músicos como Martha Herr e Lenine Santos (1968), além de fundar o Quarteto Brasileiro de Violões, em 1998, com quem se produz nos Estados Unidos, Europa, América Latina e Ásia. Grava com esse grupo cinco CDs e ganha, em 2011, o Grammy Latino de melhor álbum de música clássica.

Entre suas apresentações como solista destaca-se a abertura do Festival Internacional de Guitarra de Caracas, em 1996, e, como camerista, apresentações em salas como a Alte Oper, de Frankfurt, e o Metropolitan Museum, de Nova York, e em eventos como Hong Kong International Arts Festival, Felicja Blumental Festival (Israel), Festival Internacional de Guitarra de Monterrey (México) e Adelaide International Guitar Festival (Austrália). Além de concertista, idealiza e apresenta na Rádio Cultura FM a série Seis Cordas - Panorama do Violão no Século XX, em 1991; atua como professor em festivais, como o de Campos do Jordão, em 1994, o Seminário Internacional de Violão de Caracas, em 1996, o Internacional de Violão do Sesc, em 2011; e leciona na Escola de Música do Estado de São Paulo - Tom Jobim (Emesp) e na Escola de Música de São Paulo (EMSP).

Análise

Uma vasta formação musical que extrapola amplamente o repertório violonístico1 é, como é muito bem colocado por Fábio Zanon, uma das qualidades que destacam o trabalho de Everton Gloeden. Nas palavras de seu irmão Edelton e confirmadas posteriormente pelo instrumentista, "há uma outra parte da formação que cabe ao próprio músico desenvolver", como conviver "com músicos fora do âmbito do violão, [...] assistir a concertos, ouvir rádio, fazer audições as mais variadas com partituras, e o processo sem data marcada para terminar de aprender e ensinar".2 Dessa forma, pode-se constatar pelo percurso de Everton que, mesmo após sua carreira profissional ter despontado no fim da década de 1970, conserva uma parte de formação musical pessoal intensa até o começo dos anos 1990, aliada simultaneamente ao início de sua atividade pedagógica na Escola de Música de São Paulo (EMSP).

Transbordando o domínio do aprendizado e do ensino, essa concepção, associada ao espírito empreendedor natural do intérprete, rende-lhe a idealização e a realização de um grande número de projetos. Entre eles, pode-se citar a fundação do selo EGTA, especializado no repertório violonístico e responsável pela gravação de oito títulos; a fundação do Quarteto Brasileiro de Violões, ao lado de Paul Galbraith, Tadeu do Amaral e Edelton Gloeden; e a difusão radiofônica da série Seis Cordas, um conjunto de 13 programas com os grandes marcos mundiais do repertório para violão.

Desde a virada do século, mesmo conservando a carreira solista, sua atividade concentra-se na atuação com o quarteto de violões, e sua história como intérprete se mescla em grande parte à própria história do grupo. O projeto do quarteto surge de seu contato com Paul Galbraith, violonista escocês que conhece na Inglaterra, com o qual estreita os laços de amizade quando ele se fixa no Brasil, em 1994. Galbraith sugere a formação do conjunto para tornar possível a execução por um quarteto de violões dos quartetos de cordas clássicos. Dali, o "desejo de interpretar um repertório que não seria possível como violonista",3 aliado à descoberta experimental da grande adequação do repertório brasileiro à transcrição para tal formação, faz o grupo se consolidar na cena musical.

De fato, as transcrições são tão bem sucedidas que três de seus discos são dedicados à música brasileira, abrangendo compositores a partir do fim do século XIX e sobretudo do século XX, representados por nomes como Alberto Nepomuceno (1864-1920), Heitor Villa-Lobos (1887-1959), Cláudio Santoro (1919-1989), Radamés Gnattali (1906-1988) e Camargo Guarnieri (1907-1993). Galbraith introduz ainda no grupo a utilização de dois violões de oito cordas, desenvolvido por ele e pelo luthier David Rubio. Contando com uma corda mais aguda e outra mais grave do que o jogo tradicional de cordas do violão, esse instrumento rende a essa formação uma tessitura ampla o suficiente para comportar transcrições de peças camerísticas e do repertório orquestral e pianístico. Isso, somado à sensibilidade dos integrantes que realizam eles mesmos as transcrições das peças, garante ao quarteto uma característica comum em inúmeras críticas, no sentido em que elas pregam que os arranjos possuem tamanha qualidade que as peças parecem ter sido escritas para esse meio, e que por vezes soam mesmo melhor do que nos instrumentos originais.

A cumplicidade musical entre os instrumentistas também se torna um ponto-chave da interpretação, pois, sendo todos partes de um só tecido, a sonoridade dos violões necessita ser extremamente balanceada: o timbre conferido por cada instrumentista deve ser o mais similar possível ao resto do conjunto, o que gera uma dificuldade muito particular de execução. De toda forma, mesmo priorizando a transcrição de repertório musical já existente, o grupo tem a oportunidade de realizar, em 2004, a estreia, frente à Baltimore Symphony, do Concerto para Quatro Violões e Orquestra de Ronaldo Miranda, no Congresso Internacional de Violão de Baltimore.

Notas

1 ZANON, Fábio. Entrevista com Edelton e Everton Gloeden.

2 Músicos do Brasil: Uma enciclopédia instrumental. Verbete sobre Edelton Gloeden.

3 AMARAL, Tadeu do. Quarteto Brasileiro de Violões lança CD no Masp. Entrevista com Tadeu do Amaral.

Outras informações de Everton Gloeden:

Fontes de pesquisa (15)

  • Zanon, Fabio. "Entrevista com Edelton e Everton Gloeden". Violão com Fabio Zanon. Arquivo dos programas de violão clássico apresentados por Fábio Zanon e transmitidos originalmente pela Rádio Cultura FM de São Paulo. São Paulo: Rádio Cultura FM, janeiro de 2007. Disponível em: < http://vcfz.blogspot.fr/2007/01/54-edelton-e-everton-gloeden.html >. Acesso em: 20/05/2012.
  • Amaral, Tadeu do. Quarteto Brasileiro de Violões lança CD no Masp. Entrevista com Tadeu do Amaral. Disponível em: < http://radiofm.cmais.com.br/quarteto-brasileiro-de-violoes-lanca-cd-no-masp >. Acesso em: 20/10/2012
  • Catanzaro, Tatiana. Entrevista telefônica com Everton Gloeden. Paris/São Paulo: agosto de 2012.
  • Galbraith, Paul. Introducing the Brahms Guitar. Disponível em: < http://www.paul-galbraith.com/engl/8string_iframe.htm >. Acesso em: 20/07/2012
  • Gloeden, Everton et al. 10 Anos de Violão Intercâmbio. Com Fábio Zanon, Edelton Gloeden, Everton Gloeden, Quaternaglia, Brazil Guitar Duo, Violão Câmara Trio e Gilson Antunes. GTR, AA0000500. São Paulo: Música Maru, 2004.
  • Gloeden, Everton et al. Bach: Four Suites for orchestra BWV 1066-1069. Quarteto Brasileiro de Violões: Paul Galbraith, Edelton Gloeden, Everton Gloeden, Tadeu do Amaral. Transcrições realizadas pelo Quarteto Brasileiro de Violões. DE3254. Hollywood: Delos, 2000.
  • Gloeden, Everton et al. Brasilian Guitar Quartet plays Villa‑Lobos. Quarteto Brasileiro de Violões: Everton Gloeden e Luiz Mantovani (violões de oito cordas), Tadeu do Amaral e Claudio Faga (violões de seis cordas). Gravado em 2010 na Helen Filene Ladd Concert Hall/Arthur Zankel Music Center (Skidmore College, Saratoga Springs, NY). Transcrições realizadas por Tadeu do Amaral. DE3409. Estados Unidos: Delos, 2011.
  • Gloeden, Everton et al. Encantamento. Quarteto Brasileiro de Violões: Paul Galbraith, Edelton Gloeden, Everton Gloeden, Tadeu do Amaral. Transcrições realizadas pelo Quarteto Brasileiro de Violões. DE3302. Estados Unidos: Delos, 2001.
  • Gloeden, Everton et al. Essência do Brasil. Quarteto Brasileiro de Violões: Paul Galbraith, Edelton Gloeden, Everton Gloeden, Tadeu do Amaral. Transcrições realizadas pelo Quarteto Brasileiro de Violões e por Sergio Abreu. DE3245. Estados Unidos: Delos, 1999.
  • Gloeden, Everton et al. Isaac Albéniz: Suite Iberia. Quarteto Brasileiro de Violões: Everton Gloeden e Luiz Mantovani (violões de oito cordas), Tadeu do Amaral e Claudio Faga (violões de seis cordas). Transcrições realizadas por Everton Gloeden, Edson Lopes e Luiz Mantovani. DE3364. Estados Unidos: Delos, 2006.
  • Gloeden, Everton et al. Music of great Brazilian composers. Orquestra Sinfônica do Brasil, Isaac Karabtchevsky (regente, faixas 1-3) ; Everton Gloeden (violão) (faixas 4-8) ; Nelly e Jaime Ingram (piano, faixa 9); Myrian e Peter Dauelsberg (piano e violoncelo, faixas 10-13) ; Milwaukee Youth Symphony Orchestra, Manuel Prestamo (regente, faixa 14) ; Iván Cítera (piano, faixa 15). OAS-002. Washington, D.C.: Inter-American Musical Editions, 1997.
  • Gloeden, Everton. Bach: Obra Completa para Alaúde. Brasil: Produção Independente, 1985.
  • Gloeden, Everton. La Guitarra clasica en America Latina. Disco de Vinil. Washington, D.C. : Ediciones Interamericanas de Musica, 1981.
  • Gloeden, Everton. Recital. Gravado em 1993. 107.622 EGTA. Brasil: EGTA, 1995.
  • Quarteto Brasileiro de Violões. Sítio internet. Disponível em: <www.brazilianguitarquartet.com/pt/ >. Acesso em: 20/07/2012.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • EVERTON Gloeden. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa11363/everton-gloeden>. Acesso em: 20 de Jul. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7
abrir pesquisa
;