Artigo da seção pessoas Carlota Portella

Carlota Portella

Artigo da seção pessoas
Dança  
Data de nascimento deCarlota Portella: 27-04-1950 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Biografia
Carlota Maria de Sanson Portella (Rio de Janeiro, RJ, 1950). Professora, coreógrafa e diretora. Bacharelada e licenciada em letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ). Estuda balé clássico dos oito aos 16 anos. Conhece o jazzdance durante a temporada de um ano que passa em Paris estudando na Acadèmie Internationale de la Danse. De volta ao Brasil, continua sua formação no Ballet Dalal Achcar, no Rio de Janeiro, onde também trabalha como professora. Recebe bolsa da Unesco, em 1976, para frequentar o curso de animação e administração cultural de balé, na Ópera de Paris. Também faz aulas no Mudra (escola de Maurice Béjart), na Academia London Dance Centre e na Escola Rosella Hightower (Cannes, França).

Em 1981, no Rio de Janeiro, estreia Vacilou Dançou, primeiro espetáculo que dá nome a sua recém-criada Cia. de Dança Carlota Portella – Vacilou Dançou. Em 1982, funda a sua própria escola de dança – Jazz Carlota Portella – no bairro do Jardim Botânico, na mesma cidade. Entre 1996 e 2005, recebe apoio anual para manutenção de sua companhia pela prefeitura do Rio de Janeiro por meio do Instituto Municipal de Arte e Cultura – RioArte. O espetáculo Visões, de 1999, conta com a coreografia Grito, uma leitura em dança do universo de Nelson Rodrigues (1912-1980), de autoria de Portella, pela qual ganha o prêmio Bonnie Bird Choreography Fund, concedido pelo Laban Centre de Londres na 8º Rencontres Chorégraphiques de Seine Saint Denis, em Paris. A companhia é extinta em 2006, após 25 anos de existência.

É jurada em diversos festivais de dança no Brasil e participa, como coreógrafa, da abertura dos Jogos Pan-Americanos, no Rio de Janeiro, em 2007. Sua escola completa 30 anos em 2012, na mesma casa onde foi fundada, tendo se expandido ainda para o bairro da Barra da Tijuca em 2006.

Comentário crítico
A carreira artística de Carlota Portella confunde-se com a trajetória de sua companhia e de sua escola. De 1981 a 2006, período de vigência da Cia. de Dança Carlota Portella – Vacilou Dançou, a coreógrafa está à frente de 21 espetáculos com os quais se apresenta, à exceção de Porto Alegre, em todas as capitais brasileiras.

O primeiro trabalho, Vacilou Dançou, é seguido por No Caos do Porto (1982), Trapos e Farrapos (1983) e Amor, Mito Bailarino (1984), todos com um acento jazzístico que marca a trajetória do grupo na década de 1980, momento de boom do jazzdance. América Ladina (1985) traz um amadurecimento cênico e dramatúrgico, afastando-se da influência dos grandes musicais americanos, presente nos trabalhos anteriores. Esse espetáculo também inicia o período de patrocínio da Shell para as montagens da companhia. Até então, essa empresa só patrocinava o Grupo Corpo, de Belo Horizonte. Seguem-se os trabalhos Momentos (1986), Gauche (1987) e Procura (1988). Em uma clara paródia a Cats, Portella estreia Viralatas... mas com Pedigree (1989), que obtém grande sucesso.

A década de 1990 traz profundas transformações na linguagem de dança desenvolvida pelo grupo, levando-o do passo característica do jazzdance para a lógica do movimento, própria da dança contemporânea. Essa mudança não se dá apenas com uma troca de roupagem, repertório musical ou tema. Trata-se, na verdade, de olhar o mundo de outro lugar. Ocorre uma lenta e cuidadosa fabricação de uma corporalidade específica, em estreita colaboração com uma mutação interna nos modos de composição. Nesse caminho, Carlota Portella é acompanhada de outros coreógrafos, produzindo espetáculos com composições próprias e de criadores convidados. Essa prática é uma característica do grupo, já que durante o jazzdance são convidados os americanos Rick Atwell (1949), Doug Caldwell, Max Stone, Michèlle Assaf e o argentino Luis Arrieta (1952). Com a mudança de rumo, Portella trabalha com Ana Vitória, Carmen Purri, Ciro Barcelos (1953), Clébio Oliveira, Henrique Rodovalho (1964), Jussara Miranda, Mario Nascimento, Paulo Caldas, Rodrigo Moreira e Tíndaro Silvano (1956).

Poetas, Escritores, Bailarinos... Sonhadores (1990) inicia a fase de transição, que perpassa Noturnos (1991), Em Cartaz (1992) e Presenças (1993), terminando com o espetáculo sugestivamente intitulado Retrospectiva e Perspectiva (1994). Nesse momento, sua formação em letras e o apreço pela literatura começam a trançar hibridismos. De 1995 a 2004, Portella apresenta sete espetáculos: 3X RC (1995), Trix (1996), Dreieck (1998), Visões (1999), Em Cima da Hora (2001), Memórias (2003) e Espaço de Luz (2004). Sua última coreografia para o grupo, O Prato da Balança (2006), é inspirada em Alice Ruiz (1946) e Clarice Lispector (1920-1977) e interpretada por Inho Senna, para o Solos de Dança do Sesc (Rio de Janeiro).

O Jazz Carlota Portella desenvolve um modo particular de ensino da dança, especialmente do jazz e do balé clássico. Junto com seus professores, Portella cria um programa de trabalho em jazzdance que, embora não seja um curso formalizado para obtenção de diploma, forma bailarinos e tem acompanhamento pedagógico permanente. Nesse processo, a parceria com a psicomotricista Rosana Fachada define a abordagem do ensino de dança para crianças entre três e oito anos, na qual a criatividade é estimulada com jogos e a improvisação torna-se ferramenta de aprendizagem. Portella também realiza seminários internos e workshops com artistas convidados, destinados a seus professores, por acreditar que a renovação estética influi na criatividade da aula. Esses são indícios do quanto a professora acompanha a coreógrafa ao longo de 30 anos de carreira.

Outras informações

  • Outros nomes
    • Carlota Maria de Sanson Portella
    • Carlota Portela
  • Habilidades
    • diretor
    • professor de dança
    • coreógrafo

Eventos relacionados (2)

Fontes de pesquisa (5)

  • ALZER, Luiz André; CLAUDINO, Mariana. Almanaque dos Anos 80. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.
  • EGUIN, Eliane. Histoire de la danse jazz. Paris: Chiron, 2005.
  • FORTUNATO, Joanne. A new perspective of jazz dance. In: Encores for dance. Washington: Aahper, 1978.
  • PEREIRA, Roberto (org.). Ao lado da crítica: 10 anos de crítica de dança: 1999-2009. Rio de Janeiro: Funarte, 2009. 2v.
  • PORTELLA, Carlota. Carlota Portella. Rio de Janeiro: [s.n], 04 ago. 2011. Entrevista concedida a Thereza Rocha.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • CARLOTA Portella. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa108962/carlota-portella>. Acesso em: 25 de Mar. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7