Artigo da seção pessoas Candido Portinari

Candido Portinari

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deCandido Portinari: 30-12-1903 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / Brodósqui) | Data de morte 06-02-1962 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)
Imagem representativa do artigo

Cândido Portinari em seu Atelier , 1958

Candido Portinari (Brodósqui, São Paulo, 1903 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1962). Pintor, gravador, ilustrador e professor. Portinari caracteriza-se como um artista que muda suas técnicas ao longo do tempo, mas mantém como temática o homem brasileiro e as questões sociais e históricas que o determinam.

O pintor inicia sua formação artística na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), no Rio de Janeiro, em 1920. Obtém o prêmio de viagem ao exterior em 1928 e segue para a Europa no ano seguinte, episódio crucial em sua trajetória artística. Lá, conhece as obras dos mestres italianos Giotto (ca.1266-1337) e Piero della Francesca (ca.1415-1492), além de importantes nomes da cena europeia da época, como o artista plástico italiano Amedeo Modigliani (1884-1920) e o pintor espanhol Pablo Picasso (1881-1973). Todos esses artistas têm grande influência na obra de Portinari em diferentes momentos de sua carreira. 

Retorna ao Brasil no início de 1931 e passa a produzir com intensidade. No começo da carreira, Portinari tem a intenção de criar uma pintura de característica nacional, baseada em tipos brasileiros, seguindo o legado do pintor Almeida Júnior (1850-1899). Porém, para o escritor Mário de Andrade (1893-1945), em grande parte de suas pinturas, Portinari não está preocupado em retratar determinado brasileiro (como faz Almeida Júnior no fim do século XIX), mas o povo brasileiro. Assim, Portinari supera o regionalismo de Almeida Júnior e produz uma obra com um caráter nacional e moderno, não apenas pelos temas tratados, mas também por suas grandes qualidades plásticas, o que vai ao encontro das ideias de Mário de Andrade e do movimento modernista brasileiro.

Os quadros O Mestiço e Lavrador de Café (ambos de 1934) são exemplos dessa figura do brasileiro retratada por Portinari. Neles, os personagens são pintados em composições monumentais, e predominam tons de marrom da paisagem, na qual se destacam os campos cultivados ao fundo. Também em Café (1935), a figura humana adquire formas escultóricas robustas, com o agigantamento de mãos e pés, recurso que reforça a ligação dos personagens com o mundo do trabalho e da terra. Esta obra rende ao pintor um prêmio do Carnegie Institute, de Pittsburgh, Estados Unidos, em 1935, e ele se torna o primeiro modernista brasileiro premiado no exterior. 

Portinari é um artista reconhecido não apenas por seus quadros, mas também por seus famosos murais em prédios e monumentos importantes. Em 1936, realiza seu primeiro mural, que integra o Monumento Rodoviário da Estrada Rio-São Paulo. Em seguida, convidado pelo então ministro Gustavo Capanema (1900-1985), pinta vários painéis para o novo prédio do Ministério da Educação e Cultura (MEC), no Rio de Janeiro, com temas dos ciclos econômicos do Brasil. Em 1941, pinta os painéis para a Biblioteca do Congresso em Washington D.C., Estados Unidos, com temas da história do Brasil. Realizados em têmpera, com grande luminosidade, os painéis têm como protagonistas, mais uma vez, os trabalhadores. 

Ainda na década de 1940, depois de ver Guernica (1937), de Picasso, no Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA), a admiração de Portinari pela obra do pintor espanhol, presente desde o início da carreira, é renovada. O trabalho de Portinari passa, então, a apresentar mais dramaticidade, expressando a tragédia e o sofrimento humano, e adquire caráter de denúncia em relação a questões sociais brasileiras, reveladas em obras como as da Série Bíblica (1942-1944) e Os Retirantes (1944-1945)

Na Série Bíblica, em telas como O Último Baluarte (1942) e O Massacre dos Inocentes (1943), a influência de Picasso pode ser percebida no uso dos tons de cinza, na teatralidade dos gestos, na criação de um espaço abstrato, na deformação pronunciada e no choque constante entre figura e fundo. 

Já na Série Os Retirantes, os elementos expressionistas continuam presentes, mas com uma dramaticidade mais controlada. As telas são construídas com pinceladas largas e em composições piramidais, apresentando uma paleta dominada por tons terrosos e cinza, que realçam o caráter da representação. O artista expressa a tragédia dos retirantes por meio dos gestos crispados das mãos e das lágrimas de pedra. Há uma desarticulação das figuras, em um ritmo definido pelas linhas negras, com um fundo que tende à abstração em algumas obras.

Em 1956, Portinari inaugura os painéis Guerra e Paz (1953-1956), produzidos para a sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, pelos quais recebe o Prêmio Guggenheim no mesmo ano. Esses murais apresentam um resumo da trajetória do artista, em termos de iconografia: neles estão presentes a mãe com o filho morto, os retirantes e os meninos de Brodósqui.

Em 1979, seu filho João Cândido Portinari (1939) implanta o Projeto Portinari, que reúne um vasto acervo documental sobre a produção, a vida e a época do artista, com o objetivo de resgatar mais de 4.600 obras de Candido Portinari, que  constituem, em sua grande maioria, coleções particulares, inacessíveis ao grande público. 

Candido Portinari é um dos maiores expoentes da arte brasileira, não apenas por suas qualidades artísticas e pelo seu reconhecimento internacional, mas, principalmente, por contribuir com a fundação de uma cultura nacional no Brasil. Sua obra é ao mesmo tempo singular, ao retratar as mazelas sociais brasileiras, e universal, ao retratar o sofrimento humano.

Outras informações de Candido Portinari:

  • Outros nomes
    • Candinho
    • O Mestre de Brodósqui
    • Portinari
    • Cândido Portinari
  • Habilidades
    • professor de artes plásticas
    • Pintor
    • Gravador
    • Ilustrador
  • Relações de Candido Portinari com outros artigos da enciclopédia:

Obras de Candido Portinari: (122) obras disponíveis:

Todas as obras de Candido Portinari:

Representação (1)

Exposições (453)

Todas as exposições

Eventos relacionados (1)

Artigo sobre sp-arte 2010

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de iníciosp-arte 2010: 29-04-2010  |  Data de término | 02-05-2010
Resumo do artigo sp-arte 2010:

Fundação Bienal de São Paulo

Fontes de pesquisa (33)

  • CHIARELLI, Tadeu. Sobre os retratos de Cândido Portinari. In: ______. Arte internacional brasileira. São Paulo: Lemos, 1999. 311 p., il. color.
  • PEDROSA, Mário. Impressões de Portinari. In: ______. Acadêmicos e modernos: textos escolhidos III. Organização Otília Beatriz Fiori Arantes. São Paulo : Edusp, 1998. 429 p.
  • ALMEIDA, Paulo Mendes de. De Anita ao museu. São Paulo: Perspectiva : Diâmetros Empreendimentos, 1976. (Debates, 133).
  • AMARAL, Aracy. Arte para quê?: a preocupação social na Arte brasileira 1930-1970: subsídio para uma história social da Arte no Brasil. São Paulo: Nobel, 1984.
  • ANDRADE, Mário de. Portinari, amico mio: cartas de Mário de Andrade a Cândido Portinari. Apresentação Tadeu Chiarelli; organização Annateresa Fabris. Campinas: Mercado de Letras: Autores Associados, 1995. 160 p., il. p&b. (Arte: Ensaios e Documentos).
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d. 2.ed.
  • BALBI, Marilia. Portinari: o pintor do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2003.
  • BENTO, Antonio. Portinari. Prefácio Jayme de Barros; apresentação Afonso Arinos de Mello Franco. Rio de Janeiro: Leo Christiano, 1980. 392 p., il. p&b., color.
  • BENTO, Antonio. Portinari. Rio de Janeiro: Leo Christiano, 1980.
  • CHIARELLI, Tadeu. De Almeida Jr. a Almeida Jr.: a crítica de arte de Mário de Andrade. 1996. 512p. Tese (Doutorado) - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - USP/ECA, São Paulo, 1996.
  • FABRIS, Annateresa. Cândido Portinari. São Paulo: Edusp, 1996. (Coleção Artistas Brasileiros).
  • FABRIS, Annateresa. Portinari, pintor social. 1977. 230f. Dissertação (Mestrado em Artes Plásticas) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo - ECA/USP, São Paulo, 1977.
  • FABRIS, Annateresa. Portinari, pintor social. São Paulo: Edusp: Perspectiva, 1990. (Estudos, 112).
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • KLINTOWITZ, Jacob. Tiradentes/Portinari. Tradução Elza B. Oliveira Marques; apresentação Antonio Maurício da Rocha, Miguel Maurício da Rocha Neto. S.l.: Tenenge, 1985. 95 p., il. p&b., color.
  • KLINTOWITZ, Jacob. Tiradentes/Portinari. Tradução Elza B. Oliveira Marques; apresentação Antonio Maurício da Rocha, Miguel Maurício da Rocha Neto. S.l.: Tenenge, 1985. 95 p., il. p&b., color.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. Produção Raul Luis Mendes Silva, Eduardo Mace. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Pintura moderna brasileira. Rio de Janeiro: Record, 1978. 162 p., il. p&b., color.
  • MARIO FILHO. A Infância de Portinari. Rio de Janeiro: Bloch, 1966.
  • MICELI, Sérgio. Imagens negociadas: retratos da elite brasileira: 1920-1940. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. 173 p., il. p&b., color.
  • MOREIRA, Marcos. Cândido Portinari. Sao Paulo: Ed. Três, l974. (A vida dos grandes brasileiros, 18).
  • PEDROSA, Mário. Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília. Organização Aracy Amaral. São Paulo: Perspectiva, 1981. 421 p. (Debates, 170).
  • PORTINARI, Candido. Candido Portinari. São Paulo: Finambrás, 1997.
  • PORTINARI, Candido. Cem obras primas de Portinari. Apresentação Pietro Maria Bardi. São Paulo: MASP, 1970. [74] p., il. p&b.
  • PORTINARI, Candido. Portinari devora Hans Staden. Edição Mary Lou Paris, Ricardo Ohtake; tradução Angel Bojadjiev. São Paulo: Terceiro Nome, 1998. 143 p., il. p&b.
  • PORTINARI, Candido. Portinari. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1943. 33 p., il. p&b.
  • PORTINARI, Candido. Portinari: his life and art. Introdução Rockwell Kent. Chicago: University of Chicago, 1940. [104] p., il. color., p&b.
  • PORTINARI, Candido. Portinari: o menino de Brodósqui. Rio de Janeiro: Livroarte, 1979. 117 p., il. color.
  • PORTINARI, Candido. Portinari: retrospectiva. Apresentação Júlio Neves; introdução Luiz S. Hossaka. São Paulo: MASP, 1997. 127 p., il. p&b., color.
  • PORTINARI, João Cândido. O Projeto Portinari. Estudos Avançados, v. 14, n. 38, p. 367-400, 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v14n38/v14n38a21.pdf.  Acesso em: 18 abr. 2020.
  • PROJETO PORTINARI. Disponível em: http://www.portinari.org.br/#/pagina/projeto-portinari/apresentacao. Acesso em: 18 abr. 2020.
  • ZILIO, Carlos. A querela do Brasil: a questão da identidade da arte brasileira: a obra de Tarsila, Di Cavalcanti e Portinari: 1922-1945. 2. ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • CANDIDO Portinari. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa10686/candido-portinari>. Acesso em: 05 de Mar. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7