Artigo da seção pessoas Julio Medaglia

Julio Medaglia

Artigo da seção pessoas
Artes visuais / teatro / música  
Data de nascimento deJulio Medaglia: 16-04-1938 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo)

Biografia

Julio Medaglia Filho (São Paulo SP 1938). Arranjador, maestro, compositor. Fascinado pelo velho violino de uma empregada da família, Júlio Medaglia começa a estudar o instrumento aos 12 anos e logo ingressa numa orquestra de amadores. Em 1952, passa a frequentar a Escola Livre de Música, recém-fundada em São Paulo pelo compositor alemão naturalizado brasileiro Hans-Joachim Koellreutter.

Ainda nos anos 1950, muda-se para Salvador, onde cursa regência coral e orquestral na Universidade Federal da Bahia. Na Alemanha, estuda na Escola Superior de Música da Universidade de Freiburg, entre 1961 e 1965. Nessa época, acompanha os festivais de verão de Darmstadt, Alemanha,e assiste às aulas de importantes compositores de vanguarda, como Pierre Boulez (1925) e Karlheinz Stockhausen (1928 - 2007). Ainda na Europa, estuda regência sinfônica com o regente inglês sir John Barbirolli (1889 - 1970).

De volta ao Brasil, em 1966, é convidado por Solano Ribeiro a participar da organização dos festivais da TV Record e se envolve com movimentos de vanguarda de música contemporânea. Compõe para teatro e faz arranjos para canções populares como Tropicália, 1968, de Caetano Veloso, e Cachorro Babucho, 1977, de Jards Macalé.

Novamente na Europa, entre 1970 e 1974, atua como maestro de importantes orquestras, como a Filarmônica de Berlim, e compõe para programas da TV alemã. Na volta ao Brasil, integra o quadro artístico da Rede Globo, elaborando trilhas sonoras para seriados e casos especiais. Também dirige as orquestras sinfônicas do Teatro Municipal de São Paulo e do Teatro Nacional de Brasília.

Nos anos 1990, idealiza e dirige espetáculos grandiosos, como a encenação de Carmina Burana, de Carl Orff, para 100 mil pessoas na Praia de Copacabana ou a montagem da ópera Aída em estádios de futebol de seis capitais brasileiras. Em 1997, cria e dirige a Amazonas Filarmônica, levando a Manaus músicos de diversas partes do mundo.

Crítico ferrenho dos meios de comunicação de massa brasileiros, Medaglia mantém, desde 1987, programas diários na Rádio Cultura FM, primeiro o Pentagrama e, depois, Tema e Variações. A partir de 2005, organiza e apresenta o programa Prelúdio, da TV Cultura, espécie de show de calouros de música erudita. Desde 2008, é regente convidado da Ópera Nacional da Bulgária e, em 2010, dirige a Vera Cruz Filarmônica, de São Bernardo do Campo, São Paulo, onde coordena ainda o Centro de Estudos Musicais.

 

Comentário Crítico

Assim como seus colegas Damiano Cozzella e Rogério Duprat, Júlio Medaglia envolve-se diretamente nos dois principais movimentos musicais brasileiros dos anos 1960: música nova e tropicalismo. O primeiro, criado em 1962 por um grupo de músicos paulistas, propõe a atualização estética, técnica e tecnológica da música de vanguarda brasileira, em reação ao nacionalismo reinante na década de 1950. Fazendo uso do serialismo integral,1 da música eletroacústica e da aleatoriedade, tais compositores assumem um "compromisso total com o mundo contemporâneo", retomando alguns dos propósitos lançados na década de 1940 pelo grupo Música Viva.2 Nesse contexto, ele realiza sonorizações para poemas concretos de Décio Pignatari e dos irmãos Augusto e Haroldo de Campos. Ao mesmo tempo, a incorporação do humor e da paródia, preconizada pelo grupo, prepara-o para trabalhar com a música de massa.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Julio Medaglia:

  • Outros nomes
    • Julio Medaglia Filho
  • Habilidades
    • compositor
    • arranjador
    • regente/maestro
    • curador

Espetáculos (8)

Exposições (1)

Fontes de pesquisa (11)

  • MEDAGLIA, Julio. Site oficial do artista. Disponível em: <www.uol.com.br/juliomedaglia>. Acesso em 10 ago. 2010.
  • CACCIOATORE, Olga. Dicionário biográfico de música erudita brasileira. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005. p. 260-261.
  • CALADO, Carlos. A divina comédia dos Mutantes. São Paulo: Ed. 34, 1995.
  • FAVARETTO, Celso. Tropicália, alegoria, alegria. 3.ed. São Paulo: Ateliê, 2000. 184 p.
  • Jorge Amado, Angelina Muniz, Dona Flor e Seus Dois Maridos juntos no Brigadeiro. Palco e Platéia, São Paulo, ano 0, julho de 1985. Não catalogado
  • MEDAGLIA, Julio. "Entrevista. Julio Medaglia." In: Cult. São Paulo, 31 de março de 2010.
  • MEDAGLIA, Julio. "Julio Medaglia. Sem descanso." (entrevista). In: Bahia Notícias. Salvador, 27 de julho de 2010.
  • MEDAGLIA, Julio. Música impopular. 2. ed. São Paulo: Global, 2009.
  • Programa do Espetáculo - O Hamlet - 1982 Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Os Órfãos de Jânio - 1981 Não catalogado
  • TV Cultura. Prelúdio (documentário sobre Julio Medaglia). São Paulo: TV.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • JULIO Medaglia. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa104487/julio-medaglia>. Acesso em: 24 de Jun. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7