Artigo da seção pessoas Marcello Nitsche

Marcello Nitsche

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deMarcello Nitsche: 15-09-1942 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo) | Data de morte 12-03-2017 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Costura da Montanha , s.d. , Marcello Nitsche
Reprodução fotográfica José Colucci Jr.

Biografia

Marcello Nitsche (São Paulo, São Paulo, 1942 - idem 2017). Pintor, artista intermídia, escultor, desenhista, gravador, professor. Cursa a Faculdade de Belas Artes da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), em São Paulo, onde conclui a licenciatura em desenho, em 1969. Recebe, nesse ano, o prêmio da Prefeitura do Município de São Paulo para obra de pesquisa mais relevante na Bienal Internacional de São Paulo. No início da carreira, atua como gravador, passando logo depois a se dedicar à pintura. Aproxima-se da arte pop, realizando pinturas inspiradas no processo de elaboração da imagem utilizado nas histórias em quadrinhos. Desde os anos 1980, a gestualidade da pintura e a trama de pinceladas passam a ser temas centrais em sua produção. Possui esculturas em espaços públicos, como Garatuja, 1978, uma estrutura modulada, instalada na praça da Sé, e Pincelada Tridimensional, 2000, no parque da Luz, ambas em São Paulo. Em pinturas realizadas a partir de 2001, inspira-se nos códigos de barra, e explora linhas verticais e seqüências de números.

Análise

Marcello Nitsche inicia a carreira como gravador. Logo depois, passa a se dedicar à pintura, trabalhando inspirado pela linguagem da arte pop. Não por acaso, o físico e crítico de arte Mario Schenberg (1914-1990) diz que ele é "o mais pop dos artistas brasileiros".1 Em seus quadros, apropria-se das histórias em quadrinhos, com ironia e senso de humor. A partir de 1965, inicia um processo de afastamento da tinta e do pincel, passa a trabalhar com imagens gráficas e formatos objetivos e não convencionais. O trabalho politizado Aliança para o Progresso, 1965, é exemplar desta fase.

Em 1968, realiza Bolhas, grandes esculturas infláveis, que expõe no Salão de Brasília e na Bienal Internacional de São Paulo. Segundo a crítica Aracy Amaral, esses infláveis são "um dos pontos mais altos da criatividade brasileira daquela década, ambientais e instigantes, vinculam a obra com o público participante e seu contexto".2 Em 1969, faz seu primeiro filme: Acrilírico. Dois anos depois, continua essa produção. Faz cinema experimental em Super-8, com as obras O Mar e Cubo de Fumaça.

Durante a primeira metade da década de 1970, realiza outros filmes. Co-dirige o curta-metragem Superfícies Habitáveis, 1973 e faz Auto-Retrato e Costura:, 1975. Esses trabalhos demonstram um interesse crescente do artista pela apropriação de gêneros e elementos consagrados da tradição artística. Dentro dessa linha de pesquisa, em 1978, realiza a escultura Garatuja, uma grande estrutura modulada, que imita um dos gestos da pintura: a garatuja. A peça é colocada na Praça da Sé, em São Paulo, sendo a primeira de uma série de trabalhos tridimensionais exibidos em locais abertos.

Nos anos 1980, os elementos gestuais da pintura se transformam no principal assunto do trabalho de Nitsche. O artista toma as pinceladas livres e os gestos espontâneos, e os converte em signos gráficos. O trabalho torna-se cada vez mais complexo. Ao invés de lidar com um gesto, passa a trabalhar a trama de pinceladas. Na escultura Pincelada Tridimensional, 2000, uma malha de gestos é convertida em forma gráfica, formalizada como objeto tridimensional e depois instalada no Parque da Luz, em São Paulo. Essas formas gestuais e objetivadas são exploradas durante as décadas de 1980 e 1990. Em 2001, desenvolve uma nova série de pinturas que se inspiram nos códigos de barra. Segundo a historiadora Ana Maria Belluzzo, "os quadros modulados por linhas verticais e marcados por números, são pinturas reduzidas, particularizadas pela variação de mínimos elementos [...] A exploração das possibilidades do próprio código de barras, abre uma nova etapa de investigação para Marcello Nitsche, que individualiza e diversifica cada quadro, cada série, cada múltiplo".3

Notas

1. SCHENBERG, Mario. Marcelo Nitsche. In: ______. Pensando a arte. São Paulo: Nova Stella, 1988. p. 41.

2. AMARAL, Aracy. Olhando os fragiles de Nitsche. In: ______. Arte e meio artístico: entre a feijoada e o x-burguer : 1961 - 1981. São Paulo: Nobel, 1983. p. 357.

3. NITSCHE, Marcello. O código universal da pintura versus; o código universal dos produtos. São Paulo: Galeria São Paulo, 2002.

Outras informações

  • Outros nomes
    • Marcelo Nitsche
    • Marcelo Nitschie
  • Habilidades
    • escritor
    • desenhista
    • gravador
    • pintor
    • escultor
    • professor
    • artista intermídia

Obras (7)

Espetáculos (1)

Exposições (188)

Todas as exposições

Eventos relacionados (9)

Artigo sobre Marginália 70: o experimentalismo do super-8 brasileiro (2002 : Araraquara, SP : Biblioteca Pública Municipal Mario de Andrade)

Artigo da seção eventos
Temas do artigo:  
Data de inícioMarginália 70: o experimentalismo do super-8 brasileiro (2002 : Araraquara, SP : Biblioteca Pública Municipal Mario de Andrade): 02-09-2002  |  Data de término | 06-09-2002
Resumo do artigo Marginália 70: o experimentalismo do super-8 brasileiro (2002 : Araraquara, SP : Biblioteca Pública Municipal Mario de Andrade):

Fontes de pesquisa (29)

  • NITSCHE, Marcello. Marcello Nitsche. São Paulo: Ana Cláudia Roso Escritório de Arte, 1994. [4 p.], il. color.
  • SCHENBERG, Mario. Pensando a arte. São Paulo: Nova Stella, 1988. 221 p., il. p&b., color.
  • A NOVA dimensão do objeto. Sao Paulo: MAC/USP, 1986. 36 p., il. p&b. p.30
  • ALVARADO, Daisy Valle Machado Peccinini de (coord.). Objeto na arte: Brasil anos 60. São Paulo: FAAP, 1978.
  • AMARAL, Aracy. Olhando os fragiles de Nitsche. In: ______. Arte e meio artístico: entre a feijoada e o x-burguer: 1961-1981. São Paulo: Nobel, 1983.
  • ARTE contemporânea. Texto Nelson Somma Jr.. São Paulo: Sergio Caribé Galeria de Arte, 1998. 65 p., il. p.b. color.
  • ARTE e artistas plásticos no Brasil 2000. Posfácio Luiz Armando Bagolin. São Paulo: Meta, 2000. 227 p.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. 428 p.
  • BRASILIDADE e independência. Texto Olívio Tavares de Araújo. Brasília: Foyer do Teatro Nacional, 1985. , il. p&b. color.
  • DUARTE, Paulo Sérgio. Anos 60: transformações da arte no Brasil. Rio de Janeiro: Lech, 1998. 324 p.
  • ESCULTURA ao ar livre / 4 Pintores. Texto de Fábio Magalhães. Guarujá: Hotel Jequitimar, 1981. il. p.b. color (Festival de Verão/Guarujá 81).
  • LAROUSSE Cultural: Brasil A/Z, enciclopédia alfabética em um único volume. São Paulo: Universo, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LISBOA, Solange (Coord.); RUETE, Antonio (Coord.). Arte suporte computador. Texto José Roberto Aguilar. São Paulo: Casa das Rosas, 1997. 62 p., il. color.
  • LOUZADA, Maria Alice do Amaral; LOUZADA, Júlio. Artes plásticas Brasil 1996: seu mercado, seus leilões. São Paulo: Júlio Louzada, 1996. 922 p.
  • NITSCHE, Marcello. Marcello Nitsche. São Paulo: Galeria Arte Global, 1976.
  • NITSCHE, Marcello. Marcello Nitsche. São Paulo: Múltipla de Arte, 2000. [24 p.], il. color.
  • NITSCHE, Marcello. O código universal da pintura versus; o código universal dos produtos. Texto Ana Maria de Moraes Belluzzo. São Paulo: Galeria São Paulo, 2002. [16] p., il. p&b color.
  • NITSCHE, Marcello. [Currículo atualizado].
  • PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, 1972, SÃO PAULO, SP. Panorama de Arte Atual Brasileira 1972. São Paulo: MAM, 1972. [78] p., il. p&b.
  • PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, 1981, SÃO PAULO, SP. Panorama de Arte Atual Brasileira 1981: Escultura. São Paulo: MAM, 1981. 24 p., il. p&b.
  • PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, 1985, SÃO PAULO, SP. Panorama de Arte Atual Brasileira 1985: formas tridimensionais. São Paulo: MAM, 1985. 16 p., il. p&b.
  • PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, 1988, SÃO PAULO, SP. Panorama de Arte Atual Brasileira 1988: formas tridimensionais. São Paulo: MAM, 1988. 55 p., il. p&b.
  • PINACOTECA do Estado de São Paulo - São Paulo. Rio de Janeiro: Funarte, 1982. 202 p., il. (Museus brasileiros, 6).
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Texto Mário Barata, Lourival Gomes Machado, Carlos Cavalcanti et al. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. 559 p.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • RAMOS, Sandra (coord.). Quatro matérias: forma, matéria, cor. Curadoria Cildo Oliveira. São Paulo: Skultura Galeria de Arte, 1997. 16 p. il. color.
  • TRIDIMENSIONALIDADE: arte brasileira do século XX. Texto Annateresa Fabris, Fernando Cocchiarale, Celso Favaretto, Tadeu Chiarelli, Frederico Morais. 2. ed. São Paulo: Itaú Cultural : Cosac & Naify, 1999. 264 p., il. color.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. Pesquisa Cacilda Teixeira da Costa, Marília Saboya de Albuquerque. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. 1106 p. 2v.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • MARCELLO Nitsche. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa10447/marcello-nitsche>. Acesso em: 31 de Mar. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7