Artigo da seção pessoas João Silvério Trevisan

João Silvério Trevisan

Artigo da seção pessoas
Teatro / literatura / cinema  
Data de nascimento deJoão Silvério Trevisan: 23-06-1944 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / Ribeirão Bonito)

Biografia
João Silvério Trevisan (Ribeirão Bonito, São Paulo, 1944). Romancista, contista, ensaísta, roteirista, diretor e dramaturgo.  Estuda no Seminário Bom Jesus, em Aparecida, São Paulo, formando-se em filosofia. Durante sua permanência no seminário cria um núcleo de estudos dedicado ao cinema e um cineclube. Muda-se com a família para capital paulista e trabalha na Cinemateca Brasileira. É assistente de direção de João Batista de Andrade (1939) em Liberdade de Imprensa (1967).

Em 1968, junto de João Batista, Francisco Ramalho Jr. (1940) e Sidnei Paiva Lopes, funda a Tecla Produções Cinematográficas, e realiza a direção de produção de Anuska – Manequim e Mulher (1968), de Ramalho Jr. Edita a trilha sonora de Um Sonho de Vampiro (1969), do diretor Iberê Cavalcanti (1935), e trabalha em funções diversas em outros filmes. Uma viagem pela Europa e África o inspira a escrever o roteiro de seu único longa-metragem, Orgia ou o Homem que Deu Cria (1970), proibido pela censura.1.

Em 1973, viaja para a Califórnia, Estados Unidos, e entra em contato com o movimento gay organizado e com a mídia especializada nessa temática. Escreve os contos do livro Testamento de Jônatas Deixado a Davi, que publica na volta ao Brasil, em 1976. Em 1978, militando no movimento gay, organiza o grupo Somos pelos Direitos dos Homossexuais Brasileiros, e funda o jornal temático Lampião da Esquina, para integrar pontos de vista não somente de homossexuais, mas também de outros grupos excluídos. Em 1982, atendendo à demanda da editora britânica Gay Men's Press - GMP, começa uma intensa pesquisa para escrever uma história da homossexualidade no Brasil, Devassos no Paraíso (1986), lançada simultaneamente na Inglaterra e no Brasil.

No mesmo período, escreve seus dois primeiros romances: Em Nome do Desejo (1983) e Vagas Notícias de Melinha Marchiotti (1984). Entre 1998 e 2005, realiza uma série de oficinas literárias para o Serviço Social do Comércio de São Paulo (Sesc/SP).

Análise da trajetória
O cinema de João Silvério Trevisan está em sintonia com uma forte tendência de sua geração. O final dos anos 1960 é marcado pela contracultura, que no Brasil tem como expoentes o tropicalismo, o cinema marginal e a recuperação da antropofagia do escritor Oswald de Andrade (1890-1954) nas diferentes artes. Trevisan, especialmente no longa-metragem Orgia ou o Homem que Deu Cria, rebela-se contra a estética vigente, o cinema novo – o título original denota isso: Foi Assim que Matei Meu Pai, sendo que o pai é uma metáfora do cinema novo.

No filme um caipira mata seu pai e parte em direção à cidade. Aos poucos, uma série de personagens tipificados amplia o grupo, como um travesti vestido de Carmen Miranda; um cangaceiro grávido; um rei negro e cadeirante, cujo cetro é a taça Jules Rimet; entre outros. Esta jornada carnavalesca tem como objetivo encontrar o Brasil e o inconsciente do povo brasileiro. Trevisan, influenciado pela antropofagia oswaldiana - com direito a índios canibais -, faz um filme alegórico sobre a formação do país a partir de diferentes personagens que transitam entre a subversão do clichê e a marginalidade. A forma é a da transgressão radical: busca fazer um filme sujo e pobre tanto na fotografia como na direção de arte para ir contra o status quo artístico.

O processo do longa condensa a experiência do próprio cineasta em seu confronto com um contexto cultural e político que questiona e subverte. Como define o crítico de cinema Jairo Ferreira (1945-2003): “Tudo nele vem muito do fundo, às vezes com um ardor de lavas”.2.

Notas:
1 À época o país estava sob o regime militar, que censurava todos os tipos de obra que considerasse subversiva, ou seja, que não se alinhassem a seu ideário.
2 FERREIRA, Jairo. Cinema de invenção. São Paulo: Limiar, 2000, p. 120.

Outras informações

  • Outros nomes
    • João Silvério Trevisan
    • João Trevisan
  • Habilidades
    • escritor
    • ensaísta
    • contista
    • romancista
    • dramaturgo
    • roteirista
    • diretor

Obras (1)

Midias (1)

Itaú Cultural

Espetáculos (12)

Eventos relacionados (3)

Fontes de pesquisa (18)

  • RAMOS, Fernão. Cinema Marginal (1968/1973) - A representação em seu limite. São Paulo, Brasiliense / Embrafilme, 1987.
  • ABREU, Nuno César. Boca do Lixo: cinema e classes populares. Campinas : Editora UNICAMP, 2006.
  • ARAÚJO, Jackson. O escritor que deu cria. Revista da Folha. São Paulo, 8 out. 1995, n. 181, ano 4, p. 26-27.
  • CARNEIRO, Gabriel. Entrevista com João Silvério Trevisan. Revista Zingu!, ed. 37, São Paulo, ago. 2009. Disponível em: http://www.revistazingu.blogspot.com.br/2009/08/djstentrevistacomjoaosilveriotrevisan.html. Acesso em: 10 mai. 2012.
  • DOSSIÊ João Silvério Trevisan. Revista Zingu!, ed. 34, São Paulo, ago. 2009. Disponível em: http://revistazingu.blogspot.com.br/2009/08/edicao-34.html. Acesso em: 10 mai. 2012.
  • FERREIRA, Jairo. Cinema de Invenção. São Paulo: Limiar, 2000. p. 115-120
  • FERREIRA, Jairo. Cinema de Invenção. São Paulo: Limiar, 2000.
  • FERREIRA, Jairo. Orgia, filme limite entre o velho e o novo. Folha de S.Paulo. São Paulo, 12 jul. 1978, Ilustrada, p. 35.
  • JOÃO Silvério Trevisan. Enciclopédia de literatura brasileira Itaú Cultural. São Paulo: 10  nov. 2011. Disponível em:  http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_lit/index.cfm?fuseaction=biografias_texto&cd_verbete=8763&cd_item=35>. Acesso em: 21 mai. 2012.
  • MELO, Luís Alberto Rocha. Orgia ou o Homem que Deu Cria (1970). In: Contracampo, 30 ed., Rio de Janeiro, ago. 2001. Disponível em: http://www.contracampo.com.br/30/orgia.htm. Acesso em: 10 mai. 2012.
  • MIRANDA, Luiz Felipe. Dicionário de cineastas brasileiros. Apresentação Fernão Ramos. São Paulo: Art Editora, 1990, 408 p. p. 343.
  • Programa do Espetáculo - Churchi Blues - 2001. Não catalogado
  • PUPPO, Eugênio (org.). Cinema Marginal Brasileiro e Suas Fronteiras. 2ª ed. Brasília: Centro Cultural Banco do Brasil, 2004.
  • RAMOS, Fernão (org). História do cinema brasileiro. São Paulo: Art, 1987.
  • RAMOS, Guiomar. Um cinema brasileiro antropofágico? 1970-1974. São Paulo: Annablume, 2008.
  • SILVA NETO, Antonio Leão da. Dicionário de filmes brasileiros: longa metragem. São Bernardo do Campo: Ed. do Autor, 2009.
  • STERNHEIM, Alfredo. Boca do Lixo: Dicionário de Diretores. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2005.
  • TREVISAN, João Silvério. Uma geração marginal. In: PUPPO, Eugênio (org.). Cinema marginal brasileiro e suas fronteiras. 2. ed. Brasília: Centro Cultural Banco do Brasil, 2004, p. 139-140.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • JOÃO Silvério Trevisan. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa104431/joao-silverio-trevisan>. Acesso em: 29 de Mar. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7