Pessoas

Glenio Bianchetti

Outros Nomes: Glênio Alves Branco Bianchetti | Bianchetti | G. Bianchetti | Glênio Bianchetti
  • Análise
  • Biografia
    Glênio Alves Branco Bianchetti (Bagé RS 1928). Gravador, pintor, ilustrador, tapeceiro, professor e desenhista. Inicia estudos artísticos em Bagé, na década de 1940, junto com Glauco Rodrigues (1929 - 2004), sob orientação de José Moraes (1921 - 2003). Em 1949, ingressa no Instituto de Belas Artes de Porto Alegre. Funda, em 1951, ao lado de Glauco Rodrigues e Danúbio Gonçalves (1925), o Clube de Gravura de Bagé, posteriormente incorporado ao Clube de Gravura de Porto Alegre, grupo que realiza uma produção artística de caráter social, do qual participam também Carlos Scliar (1920 - 2001) e Vasco Prado (1914 - 1998). Na década de 1950, Bianchetti produz xilografia e linoleogravura com temas relacionados ao trabalho e aos costumes regionais. A partir dos anos 1960, trabalha principalmente com pintura, litografia e gravura em metal. Em 1962, leciona desenho e pintura na recém-inaugurada Universidade de Brasília - UnB, na qual permanece até 1965, quando é afastado pelo regime militar. No início da década de 1970, colabora na criação do Museu de Arte de Brasília e participa de projetos voltados ao ensino artístico. Em 1988, é reintegrado à UnB. Entre 1996 e 1997, é organizada mostra retrospectiva do Grupo de Bagé com exposições em várias capitais. É homenageado com a retrospectiva dos seus 50 anos de carreira, em 1999, no Palácio do Itamaraty, em Brasília. Em 2004 é publicado livro Glenio Bianchetti, de autoria de José Paulo Bertoni.

    Comentário Crítico
    Glênio Bianchetti inicia sua trajetória na década de 1940, integrando o Grupo de Bagé. Em 1947, vai para Porto Alegre, onde estuda no Instituto de Belas Artes. Participa da fundação do Clube de Gravura de Porto Alegre, grupo que realiza uma produção artística de caráter social, tratando da realidade das classes mais pobres, do trabalho e dos costumes regionais. A produção de Bianchetti, na década de 1950, é realizada principalmente em xilografia e linoleogravura, e mostra operários em olarias ou meninos brincando, geralmente em espaços abertos. Destaca-se a qualidade do desenho e o uso apurado dos contrastes entre claro e escuro, sem gradações intermediárias, como ocorre em Sempre Vivas (1952) ou em Mulher Costurando (1957), na qual nota-se a influência do expressionismo.

    A partir da década de 1960, o artista trabalha principalmente com pintura e, no campo da gravura, com litografia e gravura em metal. Na pintura, os temas principais de Bianchetti são a figura humana, a natureza-morta e a paisagem. No quadro Paisagem de Bagé (1949), emprega grande simplificação formal, uma pincelada gestual e uma gama cromática que confere à obra certo caráter dramático. Seus quadros revelam a admiração pelo cubismo e interesse pela abstração. A partir da década de 1970, o artista utiliza os grafismos ao lado das manchas de cor, em obras de cores muito contrastantes, como em Moça Lendo (1973).

Espetáculo

Exposições

Exibir

Evento

Fontes de Pesquisa

ARTE no Brasil. Prefácio Pietro Maria Bardi; introdução Pedro Manuel. São Paulo: Abril Cultural, 1979. v. 1, 556 p., il. color.

AMARAL, Aracy. Arte para quê? : a preocupação social na Arte brasileira 1930-1970: subsídio para uma história social da Arte no Brasil. 3. ed. São Paulo: Itaú Cultural : Studio Nobel, 2003. 435 p., il. p&b. ISBN 85-7553-011-9.

BERTONI, José Paulo. Glenio Bianchetti. Texto Ferreira Gullar; fotografia Cristiano Sérgio Pereira. Brasília: Bertoni, 2004. 157 p., il. p&b. color. ISBN 85-904754-1-7.

EXPRESSIONISMO no Brasil: heranças e afinidades. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1985. 128 p., il. p&b., color.

PROJETO "Caixa Resgatando a Memória". Texto Marilene Burlet Pieta, Paulo Gomes, Susana Gastal; apresentação Marisa Veeck; design gráfico Mário Röhnelt; versão em inglês Brigitta Struck; versão em espanhol Eva Maria Fayos Garcia; apresentação Sérgio Cutuolo dos Santos. Porto Alegre: Caixa Econômica Federal, 1998. 163 p., il. color.

LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. 555 p., il. p&b., color.

MOSTRA Rio Gravura: catálogo geral dos eventos. Apresentação Luiz Paulo Fernandez Conde, Helena Severo, Rizza Paes Fernandes. Conde, Maria Julia Vieira Pinheiro. Curadoria Rubem Grilo. Texto Rubem Grilo, Paulo Sérgio Duarte, Agnaldo Farias, Wilson Coutinho. Apresentação Maria Tornaghi, Leila Grimming. Projeto gráfico Suzana Valladares, Julie Pires. Revisão Soraya Araujo. Tradução Stephen Berg. Fotografia Antonio Caetano, César Barreto, Vera Voto, Marco Rodrigues, Arli Pacheco, Fátima Magalhães. Rio de Janeiro: Prefeitura Municipal, 1999. 231 p., il. p&b color.

PONTUAL, Roberto. Arte/ Brasil/ hoje: 50 anos depois. São Paulo: Collectio, 1973. 401 p., il. p&b.

PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. 559 p., il. p&b., color.

PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987. 585 p., il. color.

POÉTICA da resistência: aspectos da gravura brasileira. Apresentação Carlos Eduardo Moreira Ferreira, M. F. do Nascimento Brito; introdução Armando Mattos, Marcus de Lontra Costa; texto Marcus de Lontra Costa; curadoria Armando Mattos, Denise Mattar, Marcus de Lontra Costa. Rio de Janeiro: MAM, 1994. 63 p., il. p&b., color.

BIANCHETTI, Glênio; BIANCHETTI, Ailema de Bem (Coord.). 50 anos de arte. Texto Gerd Bornheim, Olívio Tavares de Araújo; curadoria e texto Gisela Magalhães; fotografia Luiz Carlos Felizardo; projeto gráfico Ailema de Bem Bianchetti; fotografia Cristiano Sérgio Pereira. Brasília: Ministerio de Relaciones Exteriores, 1999. [80] p., il p&b., color.

BIANCHETTI, Glênio. Bianchetti: pintura. Texto Antonio Bento, Joaquim Cardozo. São Paulo: MAM, 1970. [10] p., il. p&b.

DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti. Brasília: INL, 1973-1980. v.1, il., (Dicionários especializados, 5).

D'ÁVILA, Vera (Org.). Mercocidades: artes visuais - 2000. Apresentação Charles Kiefer; versão em espanhol Maria Izabel de la Puerta Chitão. Porto Alegre: Prefeitura Municipal, 2000. 140 p., il. p&b color.

FIGUEIREDO, Aline. Artes plásticas no Centro-Oeste. Apresentação Aline Figueiredo. Cuiabá: UFMT/MACP, 1979. 360 p., il. color.

GRAVURA: arte brasileira do século XX. Apresentação Ricardo Ribenboim; texto Leon Kossovitch, Mayra Laudanna, Ricardo Resende. São Paulo: Itaú Cultural : Cosac & Naify, 2000. 270 p., il. color.

AMARAL, Aracy. Arte para quê?: a preocupação social na arte brasileira 1930-1970: subsídio para uma história social da arte no Brasil. 3. ed. São Paulo: Studio Nobel, 2003. 435 p., il. p&b.

ARTE no Brasil. Apresentação de Pietro Maria Bardi e Pedro Manuel. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

BERTONI, José Paulo. Glenio Bianchetti. Texto Ferreira Gullar. Brasília: Bertoni, 2004. 157 p., il. p&b. color.

BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 18., 1985, São Paulo. Expressionismo no Brasil: heranças e afinidades. Apresentação Roberto Muylaert, Sheila Leirner. São Paulo: Fundação Bienal, 1985.

BIANCHETTI, Glênio, BIANCHETTI, Ailema de Bem (Coord. ). 50 anos de arte. Texto Gerd Bornheim, Olívio Tavares de Araújo; curadoria e texto Gisela Magalhães. Brasília: Ministerio de Relações Exteriores, 1999.

BIANCHETTI, Glênio. Bianchetti: pintura. Texto Antonio Bento, Joaquim Cardozo. São Paulo: MAM, 1970. [10] p., il. p&b.

DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: INL, 1973-1980. 4v., il., (Dicionários especializados, 5).

D'ÁVILA, Vera (Org.). Mercocidades: artes visuais - 2000. Apresentação Charles Kiefer; versão em espanhol Maria Izabel de la Puerta Chitão. Porto Alegre: Prefeitura Municipal, 2000.

FIGUEREDO, Aline. Artes Plásticas no Centro-Oeste. Cuiabá: UFMT: MACP, 1979. 

GRAVURA: arte brasileira do século XX. Apresentação Ricardo Ribenboim; texto Leon Kossovitch, Mayra Laudanna, Ricardo Resende. São Paulo: Itaú Cultural : Cosac & Naify, 2000. 270 p., il. color.

LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. 555 p., il. p&b., color.

MOSTRA Rio Gravura: catálogo geral dos eventos. Apresentação Luiz Paulo Fernandez Conde, Helena Severo, Rizza Paes F. Conde, Maria Julia Vieira Pinheiro; curadoria Rubem Grilo; texto Rubem Grilo, Paulo Sérgio Duarte, Agnaldo Farias, Wilson Coutinho; apresentação Maria Tornaghi, Leila Grimming; tradução Stephen Berg. Rio de Janeiro: Prefeitura Municipal, 1999.

PONTUAL, Roberto. Arte/Brasil/hoje: 50 anos depois. São Paulo: Collectio, 1973.

PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987. 585 p., il. color.

POÉTICA da resistência: aspectos da gravura brasileira. Apresentação Carlos Eduardo Moreira Ferreira, M. F. do Nascimento Brito; introdução Armando Mattos, Marcus de Lontra Costa; texto Marcus de Lontra Costa; curadoria Armando Mattos, Denise Mattar, Marcus de Lontra Costa. Rio de Janeiro: MAM, 1994.

PROJETO Caixa Resgatando a Memória. Texto Marilene Burlet Pieta, Paulo Gomes, Susana Gastal; apresentação Marisa Veeck; design gráfico Mário Röhnelt; versão em inglês Brigitta Struck; versão em espanhol Eva Maria Fayos Garcia; apresentação Sérgio Cutuolo dos Santos. Porto Alegre: Caixa Econômica Federal, 1998.