Artigo da seção obras O Analista de Bagé

O Analista de Bagé

Artigo da seção obras
Literatura  
Data de criaçãoO Analista de Bagé: 1936 | Luis Fernando Verissimo
Livro

Análise

O Analista de Bagé é uma reunião de crônicas publicadas pelo jornalista, cronista e romancista gaúcho Luis Fernando Verissimo (1936). Publicado em 1981, o volume revela-se fenômeno editorial na Feira do Livro de Porto Alegre do mesmo ano e consolida, nacionalmente, o nome do autor.

As 34 crônicas expõem o cotidiano de uma sociedade urbana que incorpora hábitos modernos e uma subjetividade em crise sem se distanciar de seu passado tradicional. Enquanto embate de universos não conciliáveis, o absurdo que perpassa as crônicas ganha sua melhor representação na personagem que dá título à coletânea. O analista é a síntese cômica de extremos tipológicos:o homem do campo tradicional, invocado pela referência à cidade de Bagé (Rio Grande do Sul) e o sujeito urbano contemporâneo, cujas contradições constituem o objeto da psicanálise. Por isso a personagem acusa, de um lado, poucos hábitos urbanos e democráticos na sociedade instalada em seu consultório e, de outro, o conservadorismo dos costumes que não acompanha a modernização do país a partir da década de 1960. Apesar da leveza própria ao gênero crônica, tal conflito – central no processo de democratização da sociedade brasileira no século XX – integra os principais textos da coletânea. Em “Casamento”, retrata-se um falso conflito geracional, em que uma moça emancipada deseja uma cerimônia à moda antiga, e o pai austero recusa reconhecer-se na figura rebelde do genro. Em “Angélica”, o preconceito racial de um casal de classe média surge como pano de fundo para a escolha de uma empregada doméstica, cujas boas referências e cor da pele escondem uma golpista. Em “Posto 5”, a diferença de idade em um casal de hábitos liberais não demora a esconder a mais tradicional relação de mãe e filho. Por fim, em “Exéquias”, a vizinhança entre velórios de personagens socialmente distintas – um político influente e de família tradicional e um homem pobre – faz com que os extremos da vida brasileira diluam-se sob a retórica e o apelo à falsa deferência.

A retórica em “Exéquias” relaciona-se, no conjunto das crônicas, à recorrente tematização de processos linguísticos ou, de maneira mais direta, à análise metalinguística que perpassa muitos dos textos. A sensibilidade de Veríssimo ao modo como a linguagem cristaliza hábitos e pertencimentos sociais se faz sentir mesmo quando não ocupa o centro da crônica – caso da própria construção da personagem do analista de Bagé, cujo “freudianismo ortodoxo” ganha expressão mediante um linguajar carregado de gauchismos. No entanto, em crônicas como “Palavreado” (e sua sequência, “Mais palavreado”), “Defenestração”, “Sfot poc” e “Dona Gerda”, o cronista deixa claro o interesse pela observação dos costumes, sua cristalização e dissolução, por meio de embates que tem por cerne o sentido das palavras. A contingência dos sentidos consolidados pelo uso da palavra, que em “Dona Gerda” são representados pelas dificuldades de uma massagista de formação científica e idade avançada às voltas com a especialização do termo que nomeia sua atividade (eufemismo para prática sexual) tornam-se senha para a liberdade linguística do cronista, questionando as relações entre som e sentido. Os exercícios de ressignificação lexical valem-se do sentido instável das palavras, quando submetidas aos hábitos comunicativos de uma sociedade dinâmica. A estabilidade da forma – letra ou som – em relação às disputas sobre o significado ganham, em “Sfot poc”, tons absurdos: a fixação do protagonista pela letra manifesta-se pela introdução na fala de sons indicativos dos sinais de pausa da escrita.

Nas crônicas de O Analista de Bagé, Verissimo mostra-se fiel aos fait divers da pena do cronista, sem permitir que se dissolvam inteiramente na contingência jornalística de seus temas. A perenidade literária encontra-se no espírito analítico inerente à elaboração textual, mais do que na habilidade do escritor de compor diálogos ou na observação aguda das personagens sobre as quais se erguem as situações cômicas (como em “Irmãos”, “Diálogo”, “Suspiros” ou “Conversas de Bar”). Seja pelo recurso ao absurdo, contíguo à função desalienante que a literatura encampa no século XX, seja pela relação intrincada entre riqueza estilística e análise social com que monta suas cenas, Veríssimo explora o “mau jornalismo” do cronista, segundo expressão de Carlos Heitor Cony (1926), no sentido de converter o pacto ético inerente à notícia em um pacto estético.

A crônica de Verissimo constitui-se no diálogo com a informação jornalística, o leitor e sua visão de mundo. Flertando a um só tempo com a notícia e o conto, o subjetivo e o objetivo do fato, o interesse pela circunstância e seu encaixe na história, Luis Fernando Verissimo oferece ao público a desalienação da linguagem do jornal e o empenho da arte literária na realidade imediata.

Ficha Técnica da obra O Analista de Bagé:

  • Data de publicação
    • 1936
  • Autores
  • Classificação
    • primeiras edições
  • Idioma dessa tradução da obra:
    • português

Fontes de pesquisa (3)

  • ANTONIO, Andréia Simoni Luiz. Mosaicos da memória: estudo da crônica humorística de Luís Fernando Veríssimo. Tese (Doutorado em Estudos Literários) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, 2006.
  • MADEIRA, Ana Maria Gini. Da produção à recepção: uma análise discursiva das crônicas de Luis Fernando Verissimo. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005.
  • VERÍSSIMO, Luis Fernando. O analista de Bagé. 75 ed. Porto Alegre: L&PM, 1983.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • O Analista de Bagé. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra69870/o-analista-de-bage>. Acesso em: 21 de Mai. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7