Artigo da seção obras O Olho Mágico do Amor

O Olho Mágico do Amor

Artigo da seção obras
Cinema  
Data de criaçãoO Olho Mágico do Amor: 1981
Filme
Imagem representativa do artigo

Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Histórico
Primeiro de três longas-metragens realizados pela dupla de cineastas Ícaro Martins (1954) e José Antônio Garcia (1955-2005), formados pelo curso de cinema da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). O filme é realizado dentro do sistema de produção da Boca do Lixo, tendo a Olympus Filmes, de Adone Fragano (1923-2014), como produtora. O Olho Mágico do Amor (1981), realizado com baixo orçamento, trabalha com elementos típicos aos filmes eróticos da Boca do Lixo, vulgarmente chamados de pornochanchadas, como a abundância de nudez feminina e cenas com insinuação de sexo, o uso de códigos narrativos de gêneros – no caso, o melodrama – e a busca pela comunicação com grande público.

O filme acompanha Vera Gatta [Carla Camurati (1960)], uma jovem de 17 anos que consegue um emprego como secretária na Sociedade Paulista de Amigos da Ornitologia, localizada na Rua do Triumpho, coração da Boca do Lixo. Como o patrão se ausenta com frequência, Vera troca a decoração de lugar e descobre um orifício na parede. Do outro lado, no apartamento vizinho, a prostituta Penélope [Tânia Alves (1953)] faz programas com as mais diversas pessoas. Seduzida, Vera passa observa o cotidiano de Penélope, excitando-se com o que vê. Certo dia, resolve encontrá-la, mas depara-se com o cafetão da prostituta no caminho, que a estupra. Em depressão, Vera se demite. O prazer voyeur, porém, não lhe sai da cabeça, e ela volta ao escritório, matando o cafetão e, enfim, encontrando-se com sua musa.

O filme retrata a questão sexual sem moralismo ou tabus. Cenas que envolvem lesbianismo, travestis, sodomia, entre outras práticas e fetiches, são filmadas com naturalidade. O caráter libertário é especialmente explorado na personagem Vera, que se emancipa sexualmente ao ver o exemplo dado pela prostituta. O sexo passa a ser, assim, um prazer lúdico com que a personagem responde ao seu descontentamento com os pais, com o namorado e com o machismo que a cerca. O filme se vale da mediação do olhar feminino sobre a temática, acenando para a igualdade de gêneros e subvertendo a lógica dos filmes da Boca do Lixo, que partem do viés masculino. Da mesma maneira, ressignifica o voyeurismo.

Para construir as diferentes perspectivas de Vera, Martins e Garcia confrontam duas abordagens. Uma, realista, no âmbito da fotografia e das atuações: por onde a jovem circula, sua casa, o escritório e a rua. Outra, no quarto de Penélope, em que tudo que o espectador observa é mediadopelo olhar de Vera e ganha contorno mais lúdico e fantástico, com iluminação artificial (incluindo neons), arte burlesca e atuações mais performáticas. Nesse contexto, são inseridos ‘números musicais’, que contam com a participação, por exemplo, de Jorge Mautner (1941) e Nelson Jacobina (1954-2012). Os cineastas enfatizam essa vertente na última cena, quando Vera e Penélope se encontram. O cenário deixa de ser o quarto, e elas passam a dividir a cama num estúdio de filmagem, com fundo infinito, onde, após transarem, celebram na presença de todo elenco, deixando em aberto se o encontro das duas é imaginação de Vera ou não. A cena contradiz o caráter ilusório do cinema popular e traz a metalinguagem, presente no cinema paulista dos anos 1980.

Os críticos destacam a ousadia e a qualidade da obra, contrapondo-a a outras produções da Boca do Lixo, tidas como medíocres. Luciano Ramos escreve que “uma produção engajada por inteiro num empreendimento comercial e sensacionalista revela seu caráter de exceção, destacando-se da mediocridade que marca os demais produtos da mesma linha, (...) separando-se do rebanho original a que pertence”.1 Por sua vez, o crítico Rubem Biáfora (1922-1996) escreve no jornal O Estado de S. Paulo: “Inacreditável, inesperado. De onde menos se poderia esperar (...) resultou um filme mágico, que é o que de mais feliz, consistente e artístico o cinema brasileiro produziu nos últimos 30 anos”2.

O Olho Mágico do Amor estreia em São Paulo em 08 de março de 1982, com expressiva bilheteria. No lançamento, é a décima maior bilheteria do ano, com 202.654 espectadores – alcançando, até o final do período de exibição, a estimativa de 800 mil. Exibido no 10º Festival de Gramado, ganha o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante para Camurati. O filme é bem recebido pela crítica, em especial a paulista, e leva quase todos os prêmios da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), incluindo os de melhor filme, direção, argumento, atriz (Alves e Camurati), atriz coadjuvante [Cida Moreira (1951)], fotografia, cenografia e figurino, montagem e música.

Notas

1RAMOS, Luciano. Subvertendo a onda das pornochanchadas. Folha de S.Paulo, São Paulo, 12 mar. 1982. Ilustrada, p. 35.

2BIÁFORA, Rubem. Dois diretores paulistas e a melhor fita nacional dos últimos trinta anos. Estado de S. Paulo, São Paulo, 07 mar. 1982. p. 48.

Ficha Técnica da obra O Olho Mágico do Amor:

  • Data de lançamento
    • 1981

Representação (1)

Midias (1)

Conteúdo licenciado para uso exclusivo na Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras.

Fontes de pesquisa (24)

  • ABREU, Nuno César. Boca do Lixo: cinema e classes populares. Campinas : Editora UNICAMP, 2006.
  • ANDRADE, Sergio. Ícaro Martins e José Antônio Garcia. Revista Zingu!, São Paulo, n. 37, nov. 2009. Disponível em: < http://revistazingu.net/2011/08/21/o-olho-magico-do-amor/ >. Acesso em: 16 set. 2014.
  • AUGUSTO, Sergio. A estrela nua de Ícaro. Folha de S.Paulo, São Paulo, 08 ago. 1985. Ilustrada, p. 37.
  • BERNARDET, Jean-Claude. Os Jovens Paulistas. In. XAVIER, Ismail.; BERNARDET, Jean-Claude.; PEREIRA, Miguel. O desafio do cinema: a política do Estado e a política dos autores. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985. p. 65-91. p. 65-91
  • BIÁFORA, Rubem. Dois diretores paulistas e a melhor fita nacional dos últimos trinta anos. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 07 mar. 1982. p. 48.
  • CARDOSO, Fernando. Tânia Alves: Tânia Alves Maria Bonita. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.
  • CARNEIRO, Gabriel. Viva a Boca do Lixo – O Olho Mágico do Amor. Cinequanon, São Paulo, maio 2014. Disponível em: < http://www.cinequanon.art.br/grandeangular_detalhe.php?id=199 >. Acesso em: 16 set. 2014.
  • CINEMATECA Brasileira. São Paulo. Disponível em < http://www.cinemateca.gov.br/ >. Acesso em: 16 set. 2014.
  • FASSONI, Orlando L. Voyeurismo à brasileira no reino da Boca. Folha de S.Paulo, São Paulo, 08 mar. 1982. Ilustrada, p. 28.
  • FOSTER, Lila. Da Boca ao Bandido: Entrevista com Ícaro Martins. Cinética, Rio de Janeiro, dez. 2008. Disponível em: <  http://www.revistacinetica.com.br/enticaro.htm >. Acesso em: 16 set. 2014.
  • MATTOS, Carlos Alberto. Carla Camurati: Luz Natural. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2005.
  • MENGOZZI, Federico. Além do “olho mágico”, outro mundo.O Estado de S. Paulo, São Paulo, 07 mar. 1982.
  • MIRANDA, Luiz Felipe. Dicionário de cineastas brasileiros. Apresentação Fernão Ramos. São Paulo: Art Editora, 1990, 408 p. p. 153.
  • MIRANDA, Luiz Felipe: RAMOS, Fernão. Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Senac, 2000. p. 267-268; 359-360.
  • NADALE, Marcel. José Antônio Garcia: em busca da alma feminina. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008.
  • NADER, Cid. O Olho Mágico do Amor. Revista Zingu!, São Paulo, n.48, ago. 2011. Disponível em: < http://revistazingu.net/2011/08/21/o-olho-magico-do-amor/ >. Acesso em: 16 set. 2014.
  • NAGIB, Lúcia(org.). O Cinema da Retomada - depoimento de 90 cineastas dos anos 90. São Paulo: Editora 34, 2002.  p. 213-216.
  • O ESTADO de S.Paulo. Os campeões de bilheteria. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 30 dez. 1982.
  • ORICCHIO, Luiz Zanin. O erotismo inteligente de ‘O Olho Mágico do Amor’. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 10 set. 1999. Caderno 2, p. D23.
  • RAMOS, Fernão (Org.). História do cinema brasileiro. São Paulo: Art, 1987.
  • RAMOS, Luciano. Subvertendo a onda das pornochanchadas. Folha de S.Paulo, São Paulo, 12 mar.1982. Ilustrada, p. 35.
  • SILVA NETO, Antonio Leão da. Dicionário de Filmes Brasileiros: curta e média metragem. São Bernardo do Campo: Ed. do Autor, 2011.
  • SILVA NETO, Antonio Leão da. Dicionário de filmes brasileiros: longa metragem. São Bernardo do Campo: Ed. do Autor, 2009.
  • STERNHEIM, Alfredo. Boca do Lixo: Dicionário de Diretores. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2005. p. 13-44; 128-129; 159-160.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • O Olho Mágico do Amor. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra67379/o-olho-magico-do-amor>. Acesso em: 18 de Ago. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7