Artigo da seção obras A Terra dos Meninos Pelados

A Terra dos Meninos Pelados

Artigo da seção obras
Artes visuais  
Data de criaçãoA Terra dos Meninos Pelados: 1937 | Graciliano Ramos
Livro
Imagem representativa do artigo

Reprodução fotográfica Horst Merkel

A Terra dos Meninos Pelados é o primeiro livro infantil de Graciliano Ramos (1892 -1953). Nele, o autor trata de questões delicadas da infância, como a discriminação, revelando preocupações com a equidade social e a liberdade. Expõe, por meio da fantasia, temas cruciais para a época de seu lançamento.

O livro conta a história do menino Raimundo, que tem um olho azul, o outro preto e é careca. Pela aparência diferente, é ridicularizado por seus colegas, o que o impede de ter amigos na escola e na rua onde mora. Isolado, conversa sozinho, e todos o consideram um pouco maluco. Um dia, fugindo do bullying dos amigos, vai parar em uma terra diferente, chamada Tatipirun. Lá, descobre que os habitantes também têm a cabeça pelada e os olhos azuis e pretos. Conversa com objetos, animais e plantas, e percebe como é possível conviver harmoniosamente com os diferentes, por meio da empatia.

Publicado em 1937, após a saída de Graciliano da prisão, A Terra dos Meninos Pelados é logo reconhecido pela crítica, recebendo o prêmio de Literatura Infantil do Ministério da Educação e Cultura (MEC). O estilo contundente de Graciliano – um dos expoentes do chamado Romance de 30 do Modernismo brasileiro – suaviza-se nessa obra, mas se mantém preciso naquilo que conta. Os capítulos breves facilitam a leitura e resultam da concisão procurada por Graciliano. A fantasia de Raimundo e seus amigos, descrita com poesia e sensibilidade, é econômica nos adjetivos, mas farta na descrição das emoções desconfortáveis e inquietantes do personagem.

Em A Terra dos Meninos Pelados, Graciliano cria um herói parecido com o leitor da obra, provocando afinidade entre eles. O leitor tem a oportunidade de viver uma experiência rica ao perceber como o sonho e o exercício imaginativo são libertadores. Por meio deles, pode-se construir outras realidades e solucionar conflitos que antes pareciam intransponíveis. Trata-se de uma obra transgressora por princípio, pois parte do pressuposto de que a imaginação é livre. Quando se entrega a ela, Raimundo pode viver uma vida diferente e se transformar. Como a liberdade é um dos princípios da democracia, Graciliano aborda, neste primeiro livro para crianças, um dos seus temas mais caros.

A Terra dos Meninos Pelados nasce no período do Estado Novo, em que as liberdades estavam ameaçadas, e a população pedia transformações. As publicações para crianças começam a ganhar corpo, especialmente com o sucesso de Monteiro Lobato (1882-1948), que encantava os jovens leitores com a turma do Sítio do Picapau Amarelo. Ele e Graciliano Ramos despontam como autores que ousam abordar temas na contramão do regime autoritário. Lobato evidencia o desejo de um Brasil melhor enquanto Ramos valoriza tudo o que é autêntico, puro e nacional, sobretudo no livro que lança depois, Histórias de Alexandre.

Segundo a crítica literária e especialista em literatura infantojuvenil Nelly Novaes Coelho (1922-2017), A Terra dos Meninos Pelados é um livro que convida a criança a um mergulho reflexivo sobre si mesma e a vida. Por isso, torna-se um clássico ao abordar questões universais: “É [...] um livro muito mais de natureza reflexiva do que aventuresca. Isto é, todos os incidentes episódicos visam muito mais a intenção ou seu impulso, do que seu valor como acontecimento em si”.1

Em 2003, a obra é adaptada para a televisão pela TV Globo. Em 2012, o bloco de quimioterapia do Instituto do Câncer Infantil do Agreste (ICIA) é inaugurado com o mesmo nome do livro, numa alusão à falta de cabelos do personagem Raimundo, vivida por crianças que recebem o tratamento.

A Terra dos Meninos Pelados é uma novela infantil forte e atual, cuja trama se sustenta na questão do desafio, da convivência e da aceitação dos diferentes. Aborda um dilema complexo, capaz de desestruturar sociedades e provocar reações em todos os leitores.

 

Notas

1. COELHO, Nelly Novaes. Dicionário crítico da litertura infantil e juvenil brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2006, p. 308.

Ficha Técnica da obra A Terra dos Meninos Pelados:

Fontes de pesquisa (5)

  • COELHO, Nelly Novaes. Dicionário crítico da litertura infantil e juvenil brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2006.
  • FUNDAÇÃO Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). A terra dos meninos pelados. Disponível em: http://www.fnlij.org.br/site/item/197-a-terra-dos-meninos-pelados.html. Acesso em: 22.mai. 2019.
  • GRACILIANO RAMOS. Site oficial do artista. A Terra dos meninos pelados. Disponível em: http://graciliano.com.br/site/obra/a-terra-dos-meninos-pelados-1939/. Acesso em: 22.mai. 2019.
  • LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Um Brasil para crianças: para conhecer a literatura infantil brasileira: histórias, autores e textos. São Paulo: Global, 1986.
  • RAMOS, Graciliano. Linhas Tortas. 1 ed. Rio de Janeiro: Record, 2012.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • A Terra dos Meninos Pelados. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra13298/a-terra-dos-meninos-pelados>. Acesso em: 15 de Dez. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7