Artigo da seção instituições Escola de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia

Escola de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia

Artigo da seção instituições
Dança  
Data de aberturaEscola de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia: 1984 Local de abertura: (Brasil / Bahia / Salvador)

Histórico

A Escola de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb) é fundada em 1984, graças à iniciativa da professora e coreógrafa Lia Robatto (1940), que, à época, dirige o Departamento de Artes Cênicas da fundação e desenvolve o projeto de criação de uma escola de dança estadual. O objetivo é ampliar a formação artística profissional em dança para atuar no contexto sociocultural de Salvador e demais municípios baianos. A escola – comprometida com um público composto, sobretudo, de jovens com baixo poder aquisitivo – pretende acolher as potencialidades de cada aluno e incluir a multiplicidade cultural na dança da Bahia.

A escola contempla a formação profissional em dança, até então restrita ao curso superior de universidades públicas ou entidades privadas. Com direção de Ângela Dantas, inicia as atividades oferecendo curso preparatório de dança para grupos sociais menos favorecidos. Afirma-se como a primeira escola pública do gênero no Norte-Nordeste e pioneira na criação de cursos básicos de curta duração e em nível de segundo grau. Em 1988, a escola implementa as habilitações de Bailarino para Corpo de Baile (Bailarino Profissional) e Técnico em Recreação Coreográfica Infanto-Juvenil (Técnico em Dança). Entre 1992 e 1995,  introduz o Método Royal de ensino.

Em 1999, com as mudanças nas Leis de Diretrizes e Bases e a introdução  de Parâmetros Curriculares Nacionais para a Educação Profissional estabelecidos pelo MEC, a escola inicia a reforma do projeto pedagógico.

Depois de quase 12 anos, graças à Simone Najar Gusmão (gestão 1996-2007), a instituição transfere-se para um casarão do centro histórico de Salvador e torna-se um marco nos contextos educacional e artístico-cultural da região.

A escola vincula-se à Secretaria de Cultura e tem sua manutenção viabilizada por meio da Diretoria de Dança da Fundação Cultural do Estado. Em sintonia com o MEC e a Secretaria Estadual de Educação, assume o compromisso com a educação profissional, promovendo a transição entre a escola e o trabalho.

Atenta às mudanças ocorridas desde a segunda metade do século XX nas áreas de educação e artes, revisita seu projeto curricular para atualizar a linha pedagógica e atender as demandas contemporâneas. Tais demandas incluem a compreensão do indivíduo como sujeito implicado em seu ambiente e corresponsável por ele junto a seus pares. Essa visão abrangente busca ajustar os anseios locais e particulares às necessidades coletivas e mundiais.

Nesse sentido, a escola oferece o curso profissional Técnico em Dança, organizado em cinco semestres, observando as marcas da contemporaneidade, como flexibilidade, interdisciplinaridade e integralidade

A reforma do currículo acompanha os novos paradigmas do MEC e inicia-se na gestão de Beth Rangel, em 2007. Tal gestão esforça-se para perfilar a escola de acordo com as tendências artístico-pedagógicas contemporâneas. Atém-se às exigências de uma instituição de ensino formal e à visão de mundo inclusiva com foco no sujeito.

Com essa proposta conceitual, em maio de 2011, a escola participa da criação do Centro de Formação em Artes. O projeto, incluído na Reforma Administrativa do Estado da Bahia (Lei n. 12.212), é desenvolvido na estrutura organizacional da Funceb/Secult, tendo a Escola de Dança como referencial.

A experiência da Escola de Dança, construída ao longo dos anos, impulsiona a implementação do Centro de Formação em Artes do Estado.

Assim, a partir de agosto de 2011, com uma estrutura de funcionamento primária e atuação em unidades específicas (como a Escola de Dança, o Solar São Dâmaso e os Centros de Cultura do interior do Estado), o Centro de Formação em Artes inicia suas atividades. Oferece educação profissional em cursos técnicos de nível médio, na formação continuada para qualificação de artistas amadores e profissionais e em cursos de formação inicial em Artes para crianças, jovens e adultos.

A proposta é ampliar a oferta de cursos técnicos de nível médio em outras linguagens artísticas. O Centro de Formação em Artes, em trabalho conjunto com a Escola de Dança, busca garantir o acesso democrático da comunidade à arte-educação. O trabalho é direcionado à qualificação artístico-profissional, oferecendo revisão de conhecimentos a partir de parâmetros contemporâneos.

O currículo da escola estrutura-se em módulos interdisciplinares para Técnico de Nível Médio em Dança e de Formação Continuada em Dança. As disciplinas são: balé clássico, dança moderna e dança afro. Componentes curriculares transversais também integram o currículo, com informações específicas de execução, criação e produção em dança: estudos técnico-cinesiológicos, estudos sobre processos criativos, abordagens metodológicas e referências históricas.

Outras atividades demonstram a atuação pró-ativa da escola: introduz cursos de formação inicial e continuada em Dança para qualificação de artistas de Salvador e de outros municípios baianos e inclui a história da cultura africana e indígena na formação de crianças e adolescentes do curso preparatório. Consolida, também, o Núcleo de Dança no bairro do Nordeste de Amaralina, marcando parceria entre a Escola de Dança da Funceb e o Centro Social Urbano da Secretaria de Desenvolvimento Social. Realiza cursos livres de dança para pais e famílias de alunos e atende funcionários públicos do Centro Histórico, por meio de oficinas de pilates, com ênfase na qualidade de vida e na prevenção de lesões. Aumenta o apoio a grupos residentes de dança, com cessão de sala de ensaio e coloca em funcionamento um Centro Digital de Cidadania – resultado de parceria com a Secretaria de Ciência e Tecnologia –, voltado para alunos e comunidade do entorno. Além disso, amplia do espaço físico da escola e incorpora parte do Solar São Dâmaso com implantação do núcleo de figurino e adereços, prevendo guarda e empréstimo para grupos de dança, alunos e comunidades. Realiza, ainda, mostras artísticas, como Sextas do Movimento e Dança em Cena, mantém a Companhia Infanto-Juvenil de Dança e faz parcerias com entidades como a Universidade Federal da Bahia (Ufba), Teatro Castro Alves, Teatro Vila Velha e Espaço Xisto Bahia.

Outras informações da instituição Escola de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia:

Fontes de pesquisa (2)

  • ROBATTO, Lia; MASCARENHAS, Lúcia. Passos da Dança: Bahia. Salvador: Casa de Jorge Amado, 2002
  • SECRETARIA DE CULTURA (Ed.). Apostila sobre trechos do Projeto Político Pedagógico do Curso de Educação Profissional Técnico Nível Médio em Dança. Salvador: Escola de Dança: Centro de Formação em Artes: Fundação Cultural do Estado da Bahia,  2011.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • ESCOLA de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/instituicao115401/escola-de-danca-da-fundacao-cultural-do-estado-da-bahia>. Acesso em: 22 de Abr. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7