Artigo da seção instituições Instituto Moreira Salles (Bela Vista, São Paulo, SP)

Instituto Moreira Salles (Bela Vista, São Paulo, SP)

Artigo da seção instituições
 
Imagem representativa do artigo

Procissão de Nosso Senhor dos Navegantes , 1940 , Marcel Gautherot
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Histórico
Criado em 1990, o Instituto Moreira Salles (IMS) é uma entidade civil sem fins lucrativos que tem por objetivo promover programas culturais nas áreas de fotografia, literatura, cinema, artes plásticas e música brasileira. Além de desenvolver projetos voltados à formação de público e à divulgação cultural, por meio de cursos, seminários, exposições, audições, palestras e visitas orientadas, destaca-se por constituir um representativo acervo em suas áreas de atuação e empreender um trabalho continuado de pesquisa de suas coleções.

Mantido pelo Unibanco, o IMS possui centros culturais em Poços de Caldas e em Belo Horizonte, Minas Gerais, nas capitais do Rio de Janeiro, e São Paulo. Conta com as Galerias IMS, espaços expositivos, em São Paulo, Porto Alegre, Curitiba e Rio de Janeiro, nos pontos da rede de cinemas coordenada pelo Instituto. Atua também na organização de  mostras, no Brasil e no exterior, e de publicações, como os Cadernos de Literatura Brasileira e os Cadernos de Fotografia Brasileira

Seu primeiro centro cultural, aberto ao público em 1992, em Poços de Caldas, abriga parte do acervo de obras de arte e da coleção de fotografias e uma biblioteca com obras de literatura geral e infantil.

O centro cultural do IMS no Rio de Janeiro é o maior da instituição e está instalado na antiga residência da família Moreira Salles, construída em 1951. Projetada por Olavo Redig de Campos, tem um jardim cujo projeto paisagístico é de autoria de Burle Marx (1909-1994). Uma adaptação e ampliação são empreendidas para que o espaço comporte salas de exposição, biblioteca, arquivo de literatura e arquitetura, laboratório de conservação e restauro, laboratório de fotografia, sala de consulta, sala de aula, auditório, cafeteria e loja.

O IMS/RJ mantém Gabinete Fotográfico, concebido especialmente para a exposição de originais fotográficos de seu acervo; a Reserva Técnica Fotográfica, que agrupa um conjunto de funções voltadas à recepção, restauração, guarda e divulgação de acervos fotográficos; a Reserva Técnica Musical e o Centro Petrobras de Referência da Música Brasileira, dedicados à preservação e divulgação da memória da MPB, com terminais de consulta gratuita aos acervos, um espaço multiuso destinado a palestras, exposições e exibição de vídeos, sala de pesquisa e estúdio de gravação.

O Centro Cultural do IMS/SP, aberto em 1996, recebe acervos fotográficos, iconográficos e documentais. Tem um arquivo nas áreas de literatura, jornalismo e arquitetura, uma reserva técnica de fotografia e um espaço de documentação, além de espaços para exposições, concertos e cursos.

O Centro de Belo Horizonte - IMS/BH, localizado no centro da cidade, ocupa um edifício datado de 1925 e tombado pelo poder público municipal em 1994. Em sua programação, apresenta exposições, palestras, lançamentos, recitais e cursos.

O IMS possui um acervo de artes plásticas com mais de 1.700 obras, a maioria de artistas brasileiros. Dentre estas, 700 formam a Coleção Unibanco, cujo conjunto inicial, em que estão representados Tarsila do Amaral (1886-1973), Anita Malfatti (1889-1964), Victor Brecheret (1894-1955), Guignard (1896-1962), Oswaldo Goeldi (1895-1961), Ismael Nery (1900-1934), Lívio Abramo (1903-1992), Flávio de Carvalho (1899-1973), Bonadei (1906-1974), entre outros, foi adquirido na década de 1960.

A este núcleo foram posteriormente incluídos desenhos de Candido Portinari (1903-1962) e obras de Di Cavalcanti (1897-1976), Lasar Segall (1891-1957), Amilcar de Castro (1920-2002), Antonio Henrique Amaral (1935), Tomie Ohtake (1913) e Tadashi Kaminagai (1899-1982), entre outros. Da produção artística mais recente estão representados artistas como Wesley Duke Lee (1931-2010), Antonio Dias (1944), Evandro Carlos Jardim (1935), Gregório Gruber (1951), Daniel Senise (1955) e Leonilson (1957-1993).

Entre os destaques internacionais do acervo de artes plásticas do IMS estão o Highcliffe Album, formado por 340 desenhos e aquarelas de Charles Landseer (1799-1879), William Burchell (1781-1863), Henry Chamberlain (1796-1844) e Debret (1768-1848), um importante conjunto iconográfico sobre o Brasil do século XIX, sobretudo do Rio de Janeiro e de São Paulo, a coleção Ukiyo-e, de gravuras de origem japonesa datadas dos séculos XVIII e XIX, as aguadas da série Esboços Tropicais do Brasil [Tropical Sketches from Brazil], produzidas pelo dinamarquês Paul Harro-Harring (1798-1870) em 1840, e uma paisagem pernambucana do holandês Frans Post (1612-1680), de 1667.

Além do acervo de artes visuais, o IMS detém a Biblioteca Caetano Ferrari, formada por mais de 700 itens sobre técnicas de pintura, gravura, desenho, conservação e restauro, com diversos manuais e dicionários especializados.

Com mais de 350 mil originais, obtidos por meio de aquisições e doações, o acervo fotográfico do IMS engloba desde o início da técnica no Brasil até a atualidade. Entre os 170 fotógrafos presentes na coleção, estão representados, em diferentes processos, suportes e formatos, os principais fotógrafos do século XIX, nomes como Auguste Stahl (1824-1877), Militão Augusto de Azevedo (1837-1905), Marc Ferrez (1843-1923), Guilherme Gaensly (1843-1928) e Augusto Malta (1864-1957), entre outros, incluindo o primeiro registro fotográfico das Américas, feito em 1833 por Hercule Florence (1804-1879); importantes fotógrafos do século XX, atuantes até a década de 1960, como Marcel Gautherot (1910-1996), Vincenzo Pastore, Hildegard Rosenthal (1913-1990) e Alice Brill (1920), além do antropólogo Claude Lévi-Strauss; e nomes mais recentes, como Stefania Bril (1922-1992), Maureen Bisilliat (1931), Carlos Moskovicks, Madalena Schwartz (1923-1993) e Juca Martins (1949).

O acervo da área de literatura do IMS é formado por meio de doações e aquisições de vários conjuntos, entre eles a biblioteca e o arquivo pessoal do jornalista mineiro Otto Lara Resende (1922-1992), a biblioteca do escritor mineiro Jurandir Ferreira (1905-1997), os arquivos da poeta carioca Ana Cristina Cesar (1952-1983) e do professor de literatura e ensaísta Roberto Ventura, além de parte dos livros que pertenciam à biblioteca pessoal de Clarice Lispector (1925-1977) e da coleção da escritora Lygia Fagundes Telles (1923).

O acervo da área musical do IMS contempla grande parte da história da música brasileira a partir do século XIX, com destaque para três grandes coleções: a do crítico e historiador José Ramos Tinhorão, a do fotógrafo e pesquisador Humberto Franceschi e a do compositor e instrumentista Pixinguinha, contando com partituras, fotografias, discos e gravações, livros, jornais, revistas e documentos. Entre as coleções existentes nessa área são adquiridos ou recebidos como doação os acervos dos músicos Antonio D'Áuria (1912-1998) e André Filho. Por um convênio assinado com Sociedade Brasileira de Autores Teatrais - Sbat, o IMS torna-se responsável pela preservação, organização e divulgação do acervo da compositora Chiquinha Gonzaga.

O IMS cuida ainda, com menor cobertura, de acervos nas áreas de arquitetura, teatro e história.

Outras informações da instituição Instituto Moreira Salles (Bela Vista, São Paulo, SP):

  • Outros nomes
    • Acervo Instituto Moreira Salles
    • IMS (Bela Vista, São Paulo, SP)
    • Instituto Moreira Salles
  • Atuação
    • Terceiro Setor
    • Instituto
    • Biblioteca
    • Inscrito

Obras de Instituto Moreira Salles (Bela Vista, São Paulo, SP): (16) obras disponíveis:

Exposições (1)

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • INSTITUTO Moreira Salles (Bela Vista, São Paulo, SP). In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/instituicao112153/instituto-moreira-salles-bela-vista-sao-paulo-sp>. Acesso em: 18 de Dez. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7