Artigo da seção grupos Curso de Formação do Ator

Curso de Formação do Ator

Artigo da seção grupos
Teatro  
Data/Local

1979/1992 - Recife PE - Universidade Federal de Pernambuco

Histórico

Curso de extensão do Departamento de Teoria da Arte e Expressão Artística da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, criado em 1979, pelo professor Milton Baccarelli. O Curso de Formação do Ator - CFA é responsável pela formação de artistas cênicos no Recife, funcionando como oficina de criação e aprendizado, em moldes diferenciados do seu antecessor, o Curso de Arte Dramática, da então Universidade do Recife que subsiste de 1958 a 1966, na Escola de Belas Artes - EBA.

Entre 1967 e 1972, há vários cursos de teatro na EBA são vários e com denominações diversas; situação que se estende até 1972. Em 1979 e 1980, o CFA é coordenado por Milton Baccarelli, que é sucedido por José Francisco de Paula Filho, de 1981 a 1985; Antonio Cadengue, de 1985 a 1988; e Ricardo Bigi de Aquino, de 1989 a 1992, quando encerra suas atividades. Durante as duas últimas gestões, João Denys de Araújo Leite assume a coordenação pedagógica.

Sob a coordenação de Antonio Cadengue, o curso dá uma guinada em relação ao antigo curso da EBA, e passa a privilegiar as encenações como uma das maneiras mais eficazes de formar seus atores. O CFA mescla a prática do 'representar' com a teoria e enfatiza para os alunos a importância da responsabilidade ética, estética e política. Outros marcantes aspectos do CFA são: colaboração de intérpretes com experiência profissional como Maria de Jesus Baccarelli, Lúcia Machado, Marcus Vinícius, entre outros, que dão suporte e servindo de exemplo para os novos alunos-atores; a participação dos discentes na confecção de cenários e adereços, sob orientação de profissionais capacitados e, por fim, a experiência concreta de produção e gerência de um espetáculo, pois o CFA funciona também como uma companhia-escola.

Com O Balcão o CFA amplia seu raio de ação e participa do 1º Festival de Teatro Universitário de Blumenau e ganha dois prêmios: o de melhor direção e o de melhor atriz coadjuvante para Cristina Romeiro. No mesmo ano participa do 16º Festival de Arte de São Cristovão, em Sergipe, e volta ao cartaz para temporada no Teatro Apolo. Em 1988, apresenta-se no Teatro Glauce Rocha, no Rio de Janeiro, dentro da Mostra Verão 88, realização do MinC/Fundacen.

A peça O Sumidouro deveria ter estreado no Centro Experimental Teatro Apolo - CETA, simultaneamente a O Balcão: "Eram duas grandes produções, gestadas em quase um ano de trabalho, para ocupar uma casa de espetáculos, o grande e belo galpão do município, que rompia com a relação público/cena cristalizada pelos teatros à italiana".1 Mas, como constata João Denys, O Sumidouro "foi a montagem mais infeliz do CFA pois, levantada e completamente produzida, não chegou a ser mostrada ao público. No entanto, cumpriu o seu papel pedagógico, exercitando um elenco de vinte e um atores".2

Responsável pela qualificação de dezenas de profissionais, o CFA se torna um centro experimental de linguagem interpretativa. Alguns de seus ex-alunos têm se destacado na cena recifense e brasileira. Muitos têm trabalhado não apenas como intérpretes, mas também como professores, encenadores, figurinistas, aderecistas, críticos, dramaturgos, roteiristas, produtores culturais. Entre outros estão, Rinaldo Ferraz, Cristina Romeiro, Hilton Azevedo, Aurino Xavier, Vavá Paulino; Kalyna de Paula, Rose Mary Martins; Almir Rodrigues, Roberto Lúcio, Ana Maria Ramos, Zuleika Ferreira, Alberto Brigadeiro, Carlos Ataíde, Fábio Lira, André Filho; Manuel Carlos, Adriano Marcena, Luiz Felipe Botelho, Ivana Moura, João Maria de Araújo, George Moura; Williams Sant'Anna, Saturnino de Araújo. O CFA possibilita ainda a aglutinação de artistas em torno de grupos com ideário próprio, como a Trupe do Barulho, a Companhia Teatro de Seraphim e a Companhia Fiandeiros de Teatro.

Sintetizando a importância do CFA na cena recifense, João Denys afirma: "Diante da riqueza de repertório, tanto nacional quanto estrangeiro, do dinamismo do currículo, das pesquisas de interpretação e montagem - na maioria das vezes sendo apontadas pelos colunistas de teatro como as melhores nos respectivos anos -, da ativa participação dos alunos no processo de ensino-aprendizagem, o Curso de Formação do Ator passou a ser referência de ponta na profissionalização de atores em Pernambuco".3

Notas

1. LEITE, João Denys Araújo. De Ubu às Bacantes: uma usina de sonho, razão e paixão. Revista ArteComunicação, Recife, Universidade Federal de Pernambuco/Centro de Artes e Comunicação/Editora da UFPE, ano 3, nº 4, 1997, p. 115.

2. LEITE, João Denys Araújo. De Ubu às Bacantes: uma usina de sonho, razão e paixão. Revista ArteComunicação, Recife, Universidade Federal de Pernambuco/Centro de Artes e Comunicação/Editora da UFPE, ano 3, nº 4, 1997, p. 115.

3. LEITE, João Denys Araújo. De Ubu às Bacantes: uma usina de sonho, razão e paixão. Revista ArteComunicação, Recife, Universidade Federal de Pernambuco/Centro de Artes e Comunicação/Editora da UFPE, ano 3, nº 4, 1997, p. 133.

Outras informações do grupo Curso de Formação do Ator:

  • Outros nomes
    • CFA/UFPE
    • Curso de Formação do Ator - UFPE
    • Curso de Formação do Ator da Universidade Federal de Pernambuco

Espetáculos (24)

Artigo sobre O Balcão

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Teatro  
Data de inícioO Balcão: 06-06-1987  |  Data de término | 20-06-1987
Resumo do artigo O Balcão:

Teatro Hermilo Borba Filho

Todos os espetáculos

Fontes de pesquisa (15)

  • CADENGUE, Antonio. O CFA num espelho retrovisor. In: CURSO DE FORMAÇÃO DO ATOR/UFPE. Vestido de Noiva. Direção João Denys. Teatro Joaquim Cardozo/Rua Benfica, 157, Recife, programa, jul. 1988.
  • BACCARELLI, Milton. Baccarelli: a modernidade reinventa o teatro. Jornal do Commercio, Recife, 11 out. 1986. Caderno C, p.1. Entrevista concedida a George Moura e Lúcia Machado.
  • BACCARELLI, Milton. [Curso de Formação do Ator] In: CURSO DE FORMAÇÃO DO ATOR/UFPE. A Visita da Velha Senhora. Direção Marco Camarotti. Pátio Externo do Teatro Joaquim Cardozo, Recife, programa, nov. 1989.
  • CADENGUE, Antonio. A abordagem de um prazer. In: CURSO DE FORMAÇÃO DO ATOR/UFPE. O Despertar da Primavera. Direção Antonio Cadengue. Teatro Valdemar de Oliveira, Recife, programa, jun. 1986.
  • CADENGUE, Antonio. Apud: COUTINHO, Valdi. Curso de Formação do Ator: como tirar leite das pedras. Diário de Pernambuco, Recife, 8 nov. 1988. Viver, p. 1.
  • CADENGUE, Antonio. Preliminar. In: CURSO DE FORMAÇÃO DO ATOR/UFPE. Bodas de Sangue. Direção Milton Baccarelli. Teatro Valdemar de Oliveira, Recife, programa, out. 1986.
  • CADENGUE, Antonio. Um novo espaço e suas cerimônias. In: CURSO DE FORMAÇÃO DO ATOR/UFPE. O Sumidouro/O Balcão. Direção Carlos Bartolomeu/ Antonio Cadengue. Centro Experimental Teatro Apolo, Recife, programa, jun. 1987.
  • COUTINHO, Valdi. Cursos revigoram a cena. Diário de Pernambuco, Recife, 15 mar. 1990. Viver, p. B-4.
  • COUTINHO, Valdi. Formação do ator. Diário de Pernambuco, Recife, 1 mar. 1986. Viver, s.p.
  • FRAGA, Auricéia. O Curso de Formação do Ator da cidade do Recife (1958-1966). 111 p. Monografia (Especialização em Artes Cênicas), Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1986
  • GUSMÃO, Flávia. Curso de Formação: Laboratório de atores. Jornal do Commercio, 8 nov. 1988. Caderno C.
  • GUSMÃO, Flávia. O palco está aberto: onde estão os atores? Jornal do Commercio, 1 nov. 1987. Caderno C.
  • LEITE, João Denys Araújo. De Ubu às Bacantes: uma usina de sonho, razão e paixão. Revista ArteComunicação, Recife, Universidade Federal de Pernambuco/Centro de Artes e Comunicação/Editora da UFPE, ano 3, nº 4, 1997, p. 101-134.
  • PONTES, Joel. O Teatro moderno em Pernambuco. São Paulo: Desa, 1966. 157 p.
  • VIEIRA, João Luiz. Artistas sem formação - Teatro implora por sabedoria. Jornal do Commercio, Recife, 18 set. 1993. Caderno C, p. 1.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • CURSO de Formação do Ator. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/grupo514487/curso-de-formacao-do-ator>. Acesso em: 17 de Fev. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7