Artigo da seção grupos Núcleo Carioca de Teatro

Núcleo Carioca de Teatro

Artigo da seção grupos
Teatro  

Histórico

Com espetáculos dirigidos por Luiz Arthur Nunes, a companhia busca a linha teatralista, transpondo para o palco obras não dramatúrgicas.

O Núcleo Carioca de Teatro é composto, além do diretor, pelos atores Nara Keiserman, Maria Esmeralda, Francisco de Figueiredo e Shimon Nahmias. Trabalhando sobre os recursos épicos do teatro, a adaptação das obras literárias preserva a voz do narrador, adotando os atores-rapsodos, que contam as histórias.

No espetáculo de estréia, premiado como um dos melhores do ano, o grupo pesquisa as convenções do melodrama para criar A Maldição do Vale Negro, 1988. Em 1991, o grupo encena crônicas de Nelson Rodrigues em A Vida Como Ela É, premiado como melhor espetáculo do ano pelo Sated. Aqui começa a se definir a linha de pesquisa do encenador, que trabalha com bonecos e com a manipulação dos próprios atores para criar seu teatralismo. Em 1993, o diretor adapta para o palco Cândido ou O Otimismo, de Voltaire. Em 1996, faz uma seleção de seis contos brasileiros em Tragédias Cariocas para Rir, propondo um jogo cênico que valoriza o gesto e a super-representação e um teatralismo sublinhado pelo uso de máscaras, bonecos e sons produzidos pelos atores. A interpretação frontal funde o narrador e a personagem, ao mesmo tempo que é marcada por um calculado exagero. Essa linha de dramaturgia e linguagem é retomada em O Correio Sentimental de Nelson Rodrigues, 1999, em que Luiz Arthur reúne algumas cartas publicadas por Mirna - pseudônimo de Nelson Rodrigues como consultor sentimental do jornal Diário de Notícias - e o folhetim A Mulher que Amou Demais. Os atores compõem, com a pantomima, um coro que comenta as cartas. Segundo a crítica Barbara Heliodora, o espetáculo é "uma experiência formal realizada com grande categoria" 1 em que os atores compõem caricaturas a partir da artificialidade das emoções exageradas. Em 2000, o grupo retoma Nelson Rodrigues, agora com O Menino de Paixões de Ópera, crônicas autobiográficas do autor e, em 2002, realiza a remontagem do premiado A Vida Como Ela É.

O Núcleo Carioca de Teatro se dedica de forma contínua a uma linha de pesquisa bastante utilizada no teatro dos anos 1990 - a encenação de obras literárias que, sem sofrerem adaptação para a forma dialógica, abrem aos encenadores e atores um vasto campo de pesquisa sobre os recursos do teatro épico.

Notas

1. HELIODORA, Barbara. Precisão teatral extraída do exagero. O Globo, Rio de Janeiro, 10 jul. 1999. Segundo Caderno, p. 3.

Outras informações do grupo Núcleo Carioca de Teatro:

Espetáculos (9)

Fontes de pesquisa (4)

  • ALBUQUERQUE, Johana. Luiz Arthur Nunes (ficha curricular) In: _________. ENCICLOPÉDIA do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação VITAE. São Paulo, 2000.
  • HELIODORA, Barbara. Precisão teatral extraída do exagero. O Globo, Rio de Janeiro, 10 jul. 1999. Segundo Caderno, p. 3.
  • LUIZ, Macksen. A literatura sobe ao palco. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 28 nov. 1996.
  • NÚCLEO Carioca de Teatro. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc. Dossiê Grupo Teatro Adulto.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • NÚCLEO Carioca de Teatro. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/grupo399360/nucleo-carioca-de-teatro>. Acesso em: 18 de Nov. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7