Artigo da seção grupos Asdrúbal Trouxe o Trombone

Asdrúbal Trouxe o Trombone

Artigo da seção grupos
Teatro  

Data/Local
1974/1984 - Rio de Janeiro RJ

Histórico
O trabalho do grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone define-se pela desconstrução da dramaturgia, a interpretação despojada e a criação coletiva. Vários grupos no Rio de Janeiro até o início dos anos 1980 são seus seguidores, entre eles, a Companhia Tragicômica Jaz-o-Coração, Banduendes Por Acaso Estrelados, Beijo na Boca, Diz-Ritmia.

Já na estréia, em 1974, o Asdrúbal chama a atenção do público e da crítica com o espetáculo O Inspetor Geral, de Nikolai Gogol. Segundo o crítico Yan Michalski, "quem assistiu ao lançamento sentiu que a demolidora irreverência do grupo continha a semente de um novo teatro, criado pelo prisma da visão de mundo da geração que então estava ingressando na idade adulta. A prodigiosa energia vital do conjunto [...] se revelaria mais tarde o denominador comum de uma nova proposta teatral, que ocuparia um dos primeiros planos na atividade cênica do país".1

A intencional gratuidade do nome apresenta a proposta dos integrantes: o Asdrúbal Trouxe o Trombone surge em contraponto à ideologia que marca os conjuntos teatrais desde a década de 1960. Na primeira fase de trabalho, o grupo parte ainda de textos clássicos. Depois de O Inspetor Geral, encena Ubu Rei, de Alfred Jarry, 1975. Mais do que a montagem do texto, interessa aos artistas expressar a realidade pessoal e coletiva, servindo-se da obra apenas como estímulo. Na encenação de Ubu Rei, os atores, vestidos de palhaços, com figurinos coloridos e maquiagem desenhada, adotam a linguagem circense. A releitura dos clássicos revela-se um caminho para criação coletiva de Trate-me Leão, em 1977, que entra para a história do teatro como fenômeno estético, influenciando uma geração de jovens atores. Ainda segundo Michalski: "O grupo afasta-se aqui da linha de irreverente demolição/construção em cima de textos clássicos, enveredando por um não menos irreverente caminho da criação coletiva, para falar de si mesmo, ou de gente muito parecida com os asdrubalinos: a 'grilada' e alegre juventude Zona Sul, cuja linguagem, rituais, problemas e preocupações o brilhante espetáculo de Hamilton Vaz Pereira colocava em cena com uma desavergonhada verdade".2 Os espetáculos seguintes, Aquela Coisa Toda, 1980, e A Farra da Terra, 1983, oferecem aos espectadores uma estrutura aberta, flagrante de um processo, em que os atores mostram os mecanismos da ilusão teatral.

O grupo cria sua linguagem pela prática desenvolvida no processo de improvisações e jogos coletivos. O ator é o eixo da criação e a função do diretor consiste em selecionar, sequenciar, costurar os fragmentos produzidos por ele. Trabalhando com a noção de jogo e suprimindo a de interpretação, o artista entra em cena para contracenar com seu parceiro e cria a partir do seu próprio imaginário. Para isso, o grupo usa poucos objetos cênicos e, no palco nu, valoriza os recursos físicos e criativos do intérprete. Mas não se exige nenhum tipo de virtuosismo, pelo contrário: o ator não deve cantar, mas cantarolar, deve ser antes de tudo uma pessoa que experimenta e não um especialista. Cada integrante está ali pelo que é - critérios de bom ou mau ator não entram em questão, o que mais uma vez evidencia a valorização do aspecto afetivo em detrimento do técnico. Entre os seus integrantes destacam-se Regina Casé, Luiz Fernando Guimarães, Patrícia Travassos, Evandro Mesquita, Perfeito Fortuna, Nina de Pádua e Gilda Guilhon.

Notas

1. MICHALSKI, Yan. O teatro sob pressão: uma frente de resistência. Rio de Janeiro: Zahar, 1985, p.62.

2. MICHALSKI, Yan. O teatro sob pressão: uma frente de resistência. Rio de Janeiro: Zahar, 1985, p.72.

Espetáculos (9)

Fontes de pesquisa (4)

  • ARTE em Revista. São Paulo, n. 7, 1983.
  • FERNANDES, Silvia. Grupos teatrais: anos 70. Campinas: Editora da Unicamp, 2000.
  • FERNANDES, Silvia; MEICHES, Mauro. Sobre o trabalho do ator. São Paulo: Perspectiva, 1988.
  • MICHALSKI, Yan. O teatro sob pressão: uma frente de resistência. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • ASDRÚBAL Trouxe o Trombone. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/grupo398708/asdrubal-trouxe-o-trombone>. Acesso em: 14 de Dez. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7