Artigo da seção grupos Grande Cia. Brasileira de Mystérios e Novidades

Grande Cia. Brasileira de Mystérios e Novidades

Artigo da seção grupos
Teatro  
Data de criação da obra Grande Cia. Brasileira de Mystérios e Novidades: 1990 Local de crição: (Brasil / São Paulo / São Paulo)

Histórico
Voltada para o teatro de rua, a companhia se inspira na música e no gestual dos antigos atores/músicos populares e define sua linguagem como circo dramático. Ligia Veiga assina o roteiro, a concepção e a direção de todos os espetáculos.

Criada em 1990, na cidade de São Paulo, a Grande Companhia Brasileira de Mystérios e Novidades encena, Navelouca, Grande Parada Circense, Abre-te Sésamo. Em seguida estréia P.I.N.D.A.M.O.N.H.A.N.G.A.B.A., 1991; Gilda, 1992; Correm os Últimos Minutos; O Tempo Todo; Episódio dos Pássaros e + Zigane, 1993. Em 1994, monta a revista musical E o Tao do Mundo Não se Acabou; Pandemonium e Pagode Brahmânico, uma banda que se apresnta em pernas-de-pau.

Em 1997, estréia a ópera-bufa A Saga de Jorge, baseada na versão alagoana da Folia de Reis, apresentada na rua com técnicas circenses e danças populares. No espetáculo, onze músicos vestem trajes coloridos e, equilibrando-se em pernas-de-pau, narram as batalhas de São Jorge que, sob a proteção do Sol e da Lua, enfrenta cuspidores de fogo e salva donzelas. O texto segue a métrica do cordel nordestino e a trilha tem canções compostas especialmente para o espetáculo por Zeca Baleiro e Chico César, entre outros.

Em 1998, a sede da companhia se transfere para a cidade do Rio de Janeiro, com a criação do Condomínio Cultural, no Largo de São Francisco, idealizado como "espaço aberto à experimentação, elaboração e apresentação de espetáculos de diversas companhias brasileiras de teatro, bem como a realização de projetos sociais e oficinas, cursos e workshops de artes cênicas".1 Em 1999, a companhia realiza turnê por 32 cidades do Estado de São Paulo. Em 2000, estréia La Dolce Vita, inspirada no universo de Fellini, e O Tao do Mundo, baseada na peça O Rio de Janeiro em 1877, de Artur Azevedo.

A reportagem do Segundo Caderno do jornal O Globo informa: "Equilibrando-se em pernas-de-pau, os 15 atores da companhia recuperam o espírito das revistas burlescas do fim do século XIX (...). Mas a adaptação do livro não é literal. (...) "O tao do mundo" pretende mostrar os medos, as previsões e os problemas que são ampliados com a perspectiva da virada do milênio. (...) o público fica bem próximo aos atores que, brincando com a idéia do final dos tempos, encenam o prólogo como as pragas do século XX: há Aids, guerra, fome e inflação, entre outras. A peça é mais uma iniciativa do Condomínio Cultural, um pólo de cultura instalado por Ligia Veiga, Lia Rodrigues e Miguel Sayad num casarão tombado pelo patrimônio onde antes funcionava uma tradicional casa de aviamentos".2

Ainda em 2000, promove o evento Pajelança, apresentando-se como banda em pernas de pau, com cantos de feitiçaria afro-brasileiros e indígenas, em repertório criado a partir do livro Música de feitiçaria no Brasil, de Mário de Andrade (1893 - 1945). A companhia viaja por sete municípios do Rio de Janeiro, faz apresentações no Festival de Teatro de Rua de Santo Arcângelo, em Florença, e participa do 7º Festival Internacional de Teatro Urbano, em Roma.

Em 2001, estréia Navelouca, inspirada no texto Das narren Schiff, de Sebastian Brant, sobre a lenda medieval de uma embarcação que percorria as costas européias recolhendo loucos, expatriados, poetas e saltimbancos. Apresenta-se em 20 cidades italianas e  participa do Projeto Palco Giratório, do Sesc, fazendo vinte apresentações no interior do Brasil. No final do ano, reúne grupos e artistas para o evento Encanterias de Dezembro - mostra de teatro, música, dança e oficinas ministradas pelos artistas do Condomínio Cultural. Em 2002, realiza temporadas de seu repertório em São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Apresenta Navelouca no Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto. Em 2003, representa o Brasil no Festival de Teatro de Montpellier Printemps des Comédiens. Em 2004, apresenta-se no 9º Festival Ibero-americano de Teatro de Bogotá, no Fórum Mundial das Culturas em Barcelona, em Ibisa e no International Street Theatre, em Lubliana e Maribur, na Eslovênia, além do Erlebnistage Festival de Artes, em Zurique, Suíça.  Ainda em 2004, excursiona por 28 cidades brasileiras pelo Projeto Palco Giratório do Circuito Nacional Sesc de Artes Cênicas. Em 2005, participa do 2º Festival América do Sul, em Corumbá, Mato Grosso do Sul, e se apresenta mensalmente no Largo de São Francisco, vizinho à sua sede, através de uma parceria com a Prefeitura do Rio de Janeiro. Em 2007, estréia Cíclopes, direção de Ligia Veiga, no Largo de São Francisco, Rio de Janeiro, espetáculo contemplado com o Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz. O grupo é formado por: Ligia Veiga, Marília Felippe, Adriana Aragão, Almeidinha Kitekê, Beti Beli, Carlos Veiga, Dan Ortlieb, Fabiano Costa, Fábio Prudhente, Feu de Andrade, Girley Miranda, Guilherme Stutz, Isabel Penoni, Júlia Cárdenas, Mafalda Pequenino e Ricardo Gadelha.

Por se dedicar ao teatro de rua, gênero que não goza de política cultural ou mercado específico no Brasil, a Companhia Mystérios e Novidades faz mais apresentações em cidades estrangeiras e projetos de circulação nacional do que temporadas, sendo pouco conhecida do público local e inteiramente ignorada pela crítica especializada.

Notas
1 GRUPOS e cias. Disponível em: http://www.gruposecias.com.br. Acesso em: 10/05/2007.
2 Um musical sobre o fim dos tempos. O Globo, Rio de Janeiro, Segundo Caderno, 20 de dezembro de 2000.

Outras informações do grupo Grande Cia. Brasileira de Mystérios e Novidades:

  • Outros nomes
    • Grande Companhia Brasileira de Mystérios e Novidades
    • Cia. de Mysterios

Espetáculos (21)

Todos os espetáculos

Fontes de pesquisa (4)

  • GRANDE CIA. de Mystérios e Novidades. Rio de Janeiro: Funarte/Cedoc. Dossiê Grupos e Cias. Artes Cênicas.
  • GRUPOS e cias. Disponível em: [http://www.gruposecias.com.br]. Acesso em: 10/05/2007.
  • SAGA de São Jorge inspira teatro de rua. O Globo, Rio de Janeiro, 22 dez. 1997.
  • VIANNA, Luiz Fernando. Entre o real e a ficção, O Globo, Rio de Janeiro, 14 abr. 2000.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • GRANDE Cia. Brasileira de Mystérios e Novidades. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/grupo284264/grande-cia-brasileira-de-mysterios-e-novidades>. Acesso em: 21 de Ago. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7