Artigo da seção eventos Arena Conta Zumbi

Arena Conta Zumbi

Artigo da seção eventos
Teatro  
Data de inícioArena Conta Zumbi: 1965
Local de realização: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)
Tipo do evento: espetaculo | Classificação do evento: a classificar

Histórico

Marco da trajetória do Teatro de Arena, o espetáculo inaugura o Sistema Coringa, modelo dramatúrgico criado por Augusto Boal (1931-2009), para viabilizar a encenação de qualquer peça com elencos reduzidos. Alterando a estrutura tradicional do gênero dramático, com suporte em uma proposta épica e crítica, Boal e Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006) dividem a autoria do texto e Edu Lobo (1943) assina a música.

A classe teatral se vê num contexto em que as peças existentes não dão conta de refletir as densas mudanças ocorridas no Brasil após o golpe militar de 1964. Nesse ano, Boal dirige, no Rio de Janeiro, Opinião, realização que reúne as experiências de ex-integrantes do Centro Popular de Cultura da UNE (CPC), apoiados fundamentalmente nos esquemas dramatúrgicos propostos pelo agit-prop, ferramenta que agrupa militância, propaganda e arte. Opinião é uma colagem de fontes diversas: músicas, notícias de jornal, citações de livros, cenas esquemáticas e depoimentos pessoais contextualizando três realidades na cena: a classe média intelectualizada, representada por Nara Leão (1942-1989), o migrante nordestino por João do Vale (1934-1996) e o sambista de morro por Zé Kéti (1921-1999).

Com essa experiência dramatúrgica na bagagem, Boal integra o coletivo de artistas que cria Arena Conta Zumbi. Trata-se de colocar em cena um episódio complexo da história brasileira: a luta dos quilombolas de Palmares e sua resistência ao jugo português. Mas o Arena enfrenta dificuldades materiais: o palco e espaço cênico são pequenos e o elenco é reduzido. Escolhidos o tema, os locais de ação e as principais personagens, a criação cênica toma o aspecto de uma narrativa dramatizada, com oito atores representando todas as personagens, revezando-se no desempenho das pequenas cenas focadas sobre os pontos fortes da trama, deixando a um ator coringa a função de fazer as interligações entre os fatos, pessoas e processos, como um professor de história organizando uma aula e expondo seu ponto de vista sobre os acontecimentos. O emprego da música ajuda as passagens de cena, acrescentando tons líricos ou exortativos de grande efeito.

O crítico Décio de Almeida Prado (1917-2000) explica os aspectos narrativos do espetáculo: "(...) o título é perfeito: a história não é vivida mas apenas narrada pelos atores. Estes não se apresentam como personagens, mas como narradores, atuando sempre coletivamente. A mesma pessoa - Zumbi, por exemplo - é representada por este ou aquele intérprete, dependendo das circunstâncias e sem nenhum prejuízo para a clareza do espetáculo. É uma técnica original e bastante efetiva dramaticamente. O cenário compõe-se somente de dois ou três acessórios e um opulento tapete vermelho, que faz as vezes de pano de fundo; Boal, como encenador, tende cada vez mais a projetar os atores sobre o chão. Não há nomes a destacar no elenco, a não ser o de Dina Sfat (1938-1989), entre as mulheres, todas elas particularmente jovens e bonitas, e, entre os homens, Gianfrancesco Guarnieri, um prodigioso ator de farsa que, neste terreno, ainda não foi devidamente explorado. (...)". E completa fazendo uma provocação ao conjunto de artistas e à tendência político-teatral do momento: "Arena Conta Zumbi lembra freqüentemente um comício político cantado e dançado: um frenesi de movimentos, de rumor, com muito poucas perspectivas realmente novas, Sound and fury - será esse por acaso o novo ideal do nosso teatro de esquerda?" 1

A montagem de Arena Conta Tiradentes, em 1967, aprofunda a experiência de Arena Conta Zumbi e surge explicada teoricamente em O Sistema Coringa, redigido por Boal. O sistema evolui conceitualmente e sua aplicação permite tanto o barateamento da produção quanto a implantação de proposições estéticas, ligadas a um modo épico e dialético de expor a trama.

Notas

1. PRADO, Décio de Almeida: Exercício Findo, São Paulo: Perspectiva, 1987, p. 68.

 

Ficha Técnica do evento Arena Conta Zumbi:

Fontes de pesquisa (11)

  • BOAL, Augusto. 'O Sistema Coringa'. In: Arena conta Tiradentes. São Paulo: Sagarana, 1967. Republicado In: BOAL, Augusto. Teatro do oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.
  • BOAL, Augusto. Teatro do Oprimido e Outras Poéticas Políticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.
  • CAMPOS, Cláudia de Arruda. Zumbi, Tiradentes e outras histórias contadas pelo Teatro de Arena de São Paulo. São Paulo: Perspectiva: Edusp, 1988.
  • MAGALDI, Sábato. Moderna Dramaturgia Brasileira. São Paulo: Perspectiva, 1998, p.129-130.
  • MAGALDI, Sábato. Um palco brasileiro: o Arena em São Paulo. São Paulo: Brasiliense, 1984. 100 p.
  • MAGALDI, Sábato; VARGAS, Maria Thereza. Cem anos de teatro em São Paulo (1875-1974). São Paulo: Senac, 2000. 454 p.
  • MICHALSKI, Yan. O palco amordaçado: 15 anos de censura teatral no Brasil. Rio Janeiro: Avenir, 1981.
  • MICHALSKI, Yan. O teatro sob pressão: uma frente de resistência. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.
  • MOSTAÇO, Edelcio . Teatro e política: Arena, Oficina e Opinião. São Paulo. Editora Proposta, 1982.
  • ROSENFELD, Anatol. O mito e o herói no moderno teatro brasileiro. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1996. 122 p.
  • TEATRO de Arena. Dyonisos, Rio de Janeiro, n. 24, out. 1978.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • ARENA Conta Zumbi. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/evento405104/arena-conta-zumbi>. Acesso em: 27 de Mai. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7