Artigo da seção eventos A Casa de Chá do Luar de Agosto

A Casa de Chá do Luar de Agosto

Artigo da seção eventos
Teatro  
Data de inícioA Casa de Chá do Luar de Agosto: 20-02-1956
Local de realização: (Brasil / São Paulo / São Paulo) | Instituição de realização: Teatro Brasileiro de Comédia
Tipo do evento: espetaculo
Imagem representativa do artigo

A Casa de Chá do Luar de Agosto , 1956 , Julio Agostinelli
Registro fotográfico Julio Agostinelli

Primeira encenação de Maurice Vaneau (1926-2007) para o Teatro Brasileiro de Comédia, grande sucesso de crítica e público.

A peça de John Patrick é simples, bem construída e gira em torno de um tema exótico e momentoso: a ocupação militar do Japão, logo após a Guerra. Transformada em filme hollywoodiano de sucesso, presta-se a tratar com graça um tema que poderia ser espinhoso.

Dois militares norte-americanos são destacados pelo Pentágono para instalar uma escola na ilha de Tobiki mas, diante da resistência passiva dos nativos, acabam sendo levados a abrir uma casa de chá e a explorar a aguardente local. Furioso, o coronel Purdy manda destruir tudo. Mas, através de uma contra-ordem do Pentágono, a iniciativa é louvada como incentivo ao livre comércio e tanto a casa de chá quanto a destilaria são imediatamente recuperadas pelos tobikineses, terminando tudo em clima festivo.

O encenador Maurice Vaneau conduz sua numerosa equipe com garra e sensibilidade para a comédia, num rumo acertado, valorizando as interpretações e os momentos de humor do texto. Os cenários de Mauro Francini (1924) aliam-se à beleza dos figurinos de Clara Heteny, envolvendo um elenco em que ganham destaque: Ítalo Rossi (1911-1931), no papel de Sakini, o mestre-de-cerimônias; Mauro Mendonça (1931), Ambrósio Fregolente, Milton Moraes, Eugênio Kusnet (1898-1975), Nathália Timberg (1929), Erika Falken, Célia Biar (1918-1999), Oscar Felipe, além de numerosos figurantes.

Miroel Silveira (1914-1988), crítico nem sempre favorável ao TBC, comenta: "A Casa de Chá do Luar de Agosto se inscreve entre as melhores encenações do TBC, em todos os tempos, ao nível de suas mais perfeitas realizações. (...) A força do espetáculo, aclamado diariamente desde sua primeira apresentação, reside apenas no texto e na maneira rigorosa pela qual é executada a vontade da direção. Uma peça de conjunto, um espetáculo inteiramente de equipe, como deve ser e é o teatro realmente bom".1

Notas

1. SILVEIRA, Miroel. "A revelação de Vaneau", In A outra crítica. São Paulo. Editora Simbolo: 1976, p. 188.

 

Ficha Técnica do evento A Casa de Chá do Luar de Agosto:

Representação (1)

Fontes de pesquisa (4)

  • PRADO, Décio de Almeida. Apresentação do Teatro Brasileiro Moderno. São Paulo: Perspectiva: 1996.
  • GUZIK, Alberto. TBC: crônica de um sonho. São Paulo: Perspectiva, 1986.
  • GUZIK, Alberto; PEREIRA, Maria Lúcia (Org.). Teatro Brasileiro de Comédia. Dionysos, Rio de Janeiro, n. 25, set. 1980. Edição especial.
  • SILVEIRA, Miroel. A revelação de Vaneau. ______. In: A outra crítica. São Paulo: Símbolo, 1976.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • A Casa de Chá do Luar de Agosto. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/evento393531/a-casa-de-cha-do-luar-de-agosto>. Acesso em: 19 de Out. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7