Artigo da seção eventos Emoção Art.ficial (2002 : São Paulo, SP)

Emoção Art.ficial (2002 : São Paulo, SP)

Artigo da seção eventos
Artes visuais  
Data de inícioEmoção Art.ficial (2002 : São Paulo, SP): 11-08-2002 | Data de término: 13-10-2002
Local de realização: (Brasil / São Paulo / São Paulo) | Instituição de realização: Itaú Cultural
Tipo do evento: exposicao | Classificação do evento: Coletiva

Histórico

Emoção Art.ficial é um evento de arte e tecnologia promovido pelo Laboratório de Mídias Interativas do Instituto Itaú Cultural – Itaulab. Surge como desdobramento do programa de fomento a criação e pesquisa em arte e tecnologia. Iniciado em 1999, o programa Rumos Arte e Tecnologia. Parte de um contexto de grandes exposições relacionadas ao tema, como Arte no Século XXI: humanização das tecnologias (1995), no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP) e Invenção: pensando o próximo milênio (1999), no Instituto Itaú Cultural.

A edição inaugural do evento é em 2002,  e a final, em 2012. Concebido para ser uma Bienal Internacional de Arte e Tecnologia, traz a público uma exposição e um simpósio contendo uma série de palestras e debates sobre de questões emergentes no campo da arte e tecnologia. Ao longo das seis edições, acumula público de mais de 400 mil visitantes, reunindo obras cujas problemáticas são ampliadas pelos debates de artistas e pensadores dedicados à compreensão dos fenômenos artísticos contemporâneos.

A primeira edição da bienal, que apresenta “michoships, displays, sensores e softwares” num “espaço antes reservado a telas, tintas e pincéis”1, valoriza o trabalho de media centers do mundo todo ao convidar 14 laboratórios de arte cujos trabalhos e pesquisas concentram-se no uso e desenvolvimento de novas mídias: Ars Electronica Futurelab, Áustria; Art+Com, Alemanha; Banff New Media Institute, Canadá; Daniel Langlois Fondation, Canadá; Experimenta Media Arts, Austrália; Iamas, Japão; Laboratorio Arte Alameda, México; Mars, Alemanha; Media Centre d´Art i Disseny (Mecad), Espanha; Sarai-Csds-Raqs, Índia; V2_Organisation, Holanda; Wro, Polônia; Zkm, Alemanha e Itaulab, Brasil. Essa estratégia de aproximação com laboratórios e centros de pesquisa é mantida ao longo das edições seguintes, que passam a ser temáticas.

Com o tema Divergências Tecnológicas, a segunda edição, de 2004 – [Emoção Art.ficial 2.0] – com curadoria de Arlindo Machado (1949) e Gilbertto Prado (1954) e colaboração de Jeffrey Shaw (1944), reúne mais de 30 obras – entre instalações, CDs, DVDs e sites. A discussão  delas concentra-se no uso das tecnologias em contextos marcados por diferenças sociais, como a glorificação da tecnologia e seu uso privilegiado pela elite cultural.

Com o tema Interface Cibernética, a terceira edição, de 2006 – [Emoção Art.ficial 3.0] – inaugura uma trilogia de discussões sobre Cibernética. O evento explora a relação do corpo humano com a máquina e fomenta a discussão sobre a interface como meio de contato entre diferentes sistemas: homem-máquina e máquina-máquina.  

A quarta edição, de 2008, sob o título Emergência! – [Emoção Art.ficial 4.0] – questiona realidades imprevisíveis e complexas de sistemas naturais e computacionais quando submetidos a um conjunto de regras simples. Traz obras que geram situações não previstas por seus criadores como “um balé cibernético executado por robôs humanoides, um robô pintor, uma esfera ‘endofísica’ e as criaturas de um game darwiniano”; além de “bactérias em forma de palavras, complexos ambientes de vida artificial, vídeos on-line reeditados e esculturas de arte generativa”2.

Na quinta edição, de 2010 – [Emoção Art.ficial 5.0] o evento estuda a Autonomia Cibernética, finalizando a trilogia sobre cibernética. Neste ano, apresenta trabalhos que estabelecem suas próprias regras de interação, aprofundando a discussão sobre mediação, interatividade e o papel das interfaces entre diferentes tipos de agentes – biológicos e virtuais. Os trabalhos selecionados produzem processos não previstos – fenômeno da emergência –, e  apresentam sistemas capazes de monitorar e avaliar os comportamentos das partes que compõem a obra, reorientando o sistema da criação artística. O objetivo é mostrar como os sistemas, as próprias obras de arte, tornam-se criadores de novos processos, estabelecendo uma segunda ordem. As obras revelam a possibilidade de autonomia cibernética, independente da ação humana.

A sexta e última edição, de 2012 – [Emoção Art.ficial 6.0] – trabalha com a perspectiva  da tecnologia na vida cotidiana, permeada por dispositivos tecnológicos e por sistemas de informação. Apresenta dez trabalhos que visam criar um “espaço de convivência”. Alguns sobre plataformas que exploram novos recursos e mídias, marca do evento, e outros em linguagens consideradas tradicionais, como cinema e vídeo. A interatividade desloca-se do uso de sistemas e dispositivos para possíveis relações e encontros estimulados pelas obras, cuja poética é naturalmente assimilada pelos visitantes-espectadores.

Notas

1 EMOÇÃO ART.FICIAL. Catálogo do evento. São Paulo: Itaú Cultural, 2002. Exposição realizada no período de 11ago. a 13 out. 2002.

2 EMOÇÃO ART.FICIAL 4.0: emergência. Catálogo do evento. São Paulo: Itaú Cultural, 2009. Exposição realizada no período de 2 jul. a 14 set. 2008.

Ficha Técnica do evento Emoção Art.ficial (2002 : São Paulo, SP):

Fontes de pesquisa (2)

  • EMOÇÃO ART.FICIAL 4.0: emergência. Catálogo do evento. São Paulo: Itaú Cultural, 2009. Exposição realizada no período de 2 jul. a 14 set. 2008.
  • EMOÇÃO ART.FICIAL. Catálogo do evento. São Paulo: Itaú Cultural, 2002. Exposição realizada no período de 11 ago. a 13 out. 2002.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • EMOÇÃO Art.ficial (2002 : São Paulo, SP). In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/evento331104/emocao-artficial-2002-sao-paulo-sp>. Acesso em: 16 de Jan. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7